A ALMA




31 julho 2010



Gostaria muito de não me ver rastejando diante da mutilação do que é o viver

rasgar-se na constante insopitada dilaceração cósmica da alma
por oxigênio...

eis que impomos diariamente o sufoco matinal da humanidade

e não mais podemos encher nossos pulmões...

até procuramos por soluções:

fé, trabalho, festas, amigos, dinheiro, consumismo...

mas eles entram aqui?!??!!

Onde fica a veia que nos palpita?

Procure seus ouvidos!

Provavelmente eles vagam por esquinas escuras e sombrias do esquecimento...

onde há muito deixamos de penetrar...

onde é mais fácil fingir que não é nosso!

(lilian farias, 2010)

2 comentários:

  1. Muito showw!!! É uma boa reflexão.

    ResponderExcluir
  2. Adorei esse poema, muito profundo e reflexivo. A sociedade está perdida e não sabe mais seu rumo...
    xero

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma