Rameirinhas do Oeste




08 junho 2011

By imagem Dezzan
As saias ondulavam com o girar da matéria
Nunca esqueci em minhas fadigadas reminiscências
As Rameirinhas do Oeste
Elas faziam amor com os movimentos dos pés
Seus quadris pareciam o sorriso da natureza no alvorecer.
Inspiradoras de deveras sonhos...
Só elas viram o quanto meus sonhos as exploravam
Elas sabiam de tudo, meu caro!
As Rameirinhas do Oeste de tão lindas dominavam a luz do dia
Todos os cavalheiros do oeste de minha época as cortejavam
A primeira vez que as vi
De tanta harmonia e beleza inspiraram meu coração a soar uma melodia
Frenética
E ela dançaram... dançaram... dançaram...
Um dia a natureza não suportou o ônus de criar As Rameirinhas do Oeste
Que resolveu levá-las voando
enquanto elas entoavam uma majestosa dança para os grandes nobres da região
Todos viram com suas próprias retinas
Que As Rameirinhas do Oeste voavam
Com a melhor luz
E a mais bela das danças
Naquele dia o cheiro que aspirávamos era tão salutar
Que estagnados
Observamos a cena embriagados!
Que saudade das Rameirinhas...

Lilian farias
08/06/2011

2 comentários:

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma