[Resenha] Algoritmos Sagrados - Almas Seladas, M.L.Pontes




16 junho 2013

A nova cena da literatura nacional vem ganhando espaço entre os leitores. Nas redes sociais surgem campanhas em prol dos autores, obras conquistam seu cantinho nas prateleiras das livrarias e editoras empreendem para publicar e dar suporte às milhares de ideias.

Minha última leitura “Almas Seladas – Algoritmos Sagrados” do autor M.L.Pontes enquadra nesta descrição.

O enredo conta o contraste entre duas vidas separadas por questões sociais. Layla e Victor nasceram no dia 29 de fevereiro de 1992 e vivem realidades um tanto quanto BIZARRAS ( e a palavra deve mesmo ser destacada). A garota convive com a morte quase que diariamente, a mãe faleceu no seu nascimento, o pai a abandona na infância, um amigo morre e o autor começa pecando nas descrições. O playboy carioca, ao contrário, esta no paraíso. Ele tem tudo que um jovem clama nos dias de hoje e, além disso, consegue para si coisas impossíveis, aos 16 anos já cursa medicina, tem carteira de motorista e um Porsche. Sério?

Quando digo que o autor pecou nas descrições, em ambos os casos os fatos são postos ao leitor de forma tão natural que nem mesmo no mundo da fantasia teria explicação óbvia. Uma maldição persegue Layla e decorre em todas as mortes e a sorte do jovem é só sorte de família rica. Se por um mero momento, M.L.Pontes tentou levantar questões a respeito da diversidade no Brasil e no mundo, ele se esforçou demais e não deixa as coisas fluírem como deveria.

Durante toda a leitura causou-me náuseas ler as sequências repetidas e mal escritas. De um vocabulário muito pobre, o livro não consegue nem mesmo alcançar os textos para o público infanto-juvenil. Um dicionário de cabeceira teria feito toda a diferença durante a escrita.

Deixo, então, minhas considerações a respeito da edição. Publicado pela MODO Editora, temos a possibilidades de diversos autores para o livro. Na capa nos é apresentado como “M.L.Pontes”, na contracapa “Marcelo Pontes”, na ficha catalográfica Marcelo L. Pontes e na breve biografia para o orelha temos um tal de “Marcelo Lacerda Pontes”. Eu não conheço nenhuma regra quanto a isso, a não ser no caso da ficha catalográfica onde se faz necessário o uso do nome completo em casos de abreviações (o que é opcional, J.R.R.Tolkien, por exemplo, não apresenta seu nome completo). Se tudo não passou de uma brincadeira ou um mistério com o enredo do livro eu sou um péssimo observador.

Ainda na edição, a diagramação não é de se negar que está bonita, com desenhos introdutórios nos capítulos e na numeração das páginas. A revisão a editora volta a mostrar falhas e sinceramente pequenos erros desnecessários.

Para concluir, digo que as frases para introduzir os capítulos são o desperdício de grandes autores da literatura nacional e internacional.


Avaliação final: 1 estrela.

Por R.s. Merces

5 comentários:

  1. não gostei muito, parece ter uma narrativa interessante, mas não faz o meu gênero de leitura

    ResponderExcluir
  2. achei bem curioso a capa, achei bem interessante e marcante, com uma sinopse que chama atenção

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde,

    Não conhecia o livro e nem o autor...gostei da capa e a sinopse é interessante, mas sua resenha me desanimou....abraços.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Caramba, esse livro foi tão ruim assim mesmo ?
    É difícil acreditar quando um livro peca tanto.
    Não fiquei com vontade de conferir.

    ResponderExcluir
  5. Não é tão difícil de acreditar não, Roberta. Existem escritores consagrados pelo público que cometem erros piores.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma