Loucura nossa de cada dia!




20 setembro 2013
por ~ florbraz

Uma cidade é o delírio de seus loucos! Certamente, tal afirmativa lhe causará espanto e plantará a dúvida sobre minha própria sanidade. Ainda bem!

Os traços históricos de um povo, em algum momento, se cruzam com a existência marcante de um, ou vários, loucos. Assim foi com Dona Maria, a Rainha Louca; com o Imperador Romano Nero e outros tantos. Também nas artes e na filosofia o estado de alucinação marcou a carreira de muitos gênios. Van Gogh é só um dos exemplos mais marcantes. Fernando Pessoa teve sua genialidade contestada ao confundirem a grandeza da sua heteronímia com esquizofrenia. Nietzsche é considerado, por alguns, como louco, justamente, pelo seu excesso de lucidez. Em sua obra ele nos dá pistas de que já antevia essa denominação: “E aqueles que foram vistos dançando, foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música”.

Em Elogio da Loucura, de Erasmo de Rotterdam, é a própria loucura quem nos afirma que “ Tudo o que o louco tem na alma está escrito em seu rosto, e sua boca o diz sem disfarce.” Além de nos falar de sinceridade, a loucura também associa a sua existência à felicidade: “Sempre alegres e contentes, eles não apenas brincam, cantam, riem  e divertem-se sem parar, mas também espalham as brincadeiras, os risos e os prazeres sobre todos que os cercam.”

E assim será. Os loucos continuarão a marcar seu tempo, espalhando risos libertos, olhares desnudos, ideias geniais, em qualquer era ou lugar!

Uauá não foge à tônica da loucura necessária. Parte das lembranças mais pitorescas e doces que nós uauenses carregamos deve-se a tantos loucos que habitaram o nosso imaginário e provocaram nossos medos pueris.

 A minha infância foi recheada pela presença desses loucos ilustres: a alegria e afeição do Eurico “Tem dono” por bicicletas. – Tem dono ô não, tem dono ô não?- Gritava ele ao encontrar uma bicicleta parada, e lá se ia pedalando. O Pedrinho do Lixo e seu paletó impecável, participando do concurso de músicas juninas: - Mamãe, o boi do pintadinho, olé, lê, lê, entrou no ‘lagadiço. Mais tarde, o cantor uauaense Nilton Freitas fez uma canção homenageando a doce loucura do Pedrinho.

As músicas boêmias entodas pelo Caçulo e seus diálogos intermináveis com Deus. Tantas verdades escondidas em seus devaneios.

Há em nós, latejando ou dormente, uma loucura que nos faz crer em um mundo melhor, que nos incita à criação, ao engenho puro da poesia nossa de cada dia! Ai, do universo não fossem os seus loucos para quebrarem a morbidez da normalidade. Fazer germinar um olhar puro para a vida, viver sem as caretas impostas pela sociedade.

Seja nos versos brotados nos becos e bares, nas canções dedilhadas ao fim da tarde, nas tintas ou no simples vaguear pelas ruas... Uma cidade é o delírio de seus loucos!

Sobre a autora

Erika Jane Ribeiro (Pók Ribeiro). Poeta, cronista, professora de Língua Portuguesa, oficineira, articuladora textual com adolescentes e blogueira. Natural da cidade de Uauá – Bahia, terra iluminada pelos vagalumes e com forte veia cultural, foi acolhida pelo Rio São Francisco desde os idos de 2000 quando iniciou o curso de Licenciatura em Letras pela UPE/FFPP em Petrolina - PE. Já em 2010, concluiu o curso de Direito pela UNEB em Juazeiro – BA e, em 2012, especializou-se em Direito Penal e Processo Penal. Amante da literatura desde sempre, começou a escrever poemas por volta dos 12 anos. Em 2007 lançou, numa produção independente, o livro de poemas “Noites e Vagalumes”. Atualmente, além de poemas, escreve crônicas, memórias literárias e arrisca-se em composições musicais, em parceria com amigos músicos. Página na internet: Vagalumes, poesia e vida

6 comentários:

  1. "Os loucos continuarão a marcar seu tempo, espalhando risos libertos, olhares desnudos, ideias geniais, em qualquer era ou lugar" Adorei essa frase. O texto todo na verdade!
    parabéns pra Erika :)

    ResponderExcluir
  2. A Pók sempre com textos maravilhosos!

    Os loucos são os sábios de verdade!

    ResponderExcluir
  3. Tantos loucos já habitaram a minha vida...!
    Amo os loucos <3
    Adoorei o teexto, ficou maravilhoso!

    ResponderExcluir
  4. Acho que tenho um pouco dessa loucura em mim também. Parabéns, Erika, o texto está muito louco! No mais maravilhoso sentido, haha.

    ResponderExcluir
  5. parabéns moça pelo texto .. queria muito ter um pouco dessa loucura

    ResponderExcluir
  6. texto otimo parabéns ... gostei muito dele

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma