Resenha - Proibido




08 novembro 2014





Forte é a palavra adequada para simplificar minha leitura com Proibido, de TabithaSuzuma, 304 páginas, Editora Valentina. Segundo o dicionário, forte é um adjetivo para o que é “1 Que tem força. 2 Valente. 3 Robusto. 4 Poderoso. 5 Enérgico. 6 Animoso. 7 Substancioso. 8 Sólido, consistente, rijo. 9 Intenso (...)”. De tão forte, conseguiu algo que muitos livros não têm feito ultimamente: me tirou da zona de conforto e me deixou preocupada comigo e meus pudores... não esperava a temática, até porque não li nada sobre o livro antes. Nem mesmo a sinopse.

“Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.”

Quando conclui a leitura, corri para o mundo blogosféricos para saber qual a opinião das pessoas. Não me espantou que muitas dessem cinco estrelas no skoob, mas suas resenhas estivessem carregadas de preconceitos. Não entrarei nesse mérito, mas decidi não falar muito da história, discorrerei sobre como esta história adentrou no meu coração. Me interessa, com esse livro, falar do meu interior.
Fui tomada por uma inquietação gritante sobre como estou enxergando o mundo. Sobre coisas que reluto em não aceitar nos outros e ainda estão bem fortes e arraigadas em mim. É mágico, como o um soco no estômago, para nos retirar da histeria coletiva. Quem pode mandar no coração humano? Quem inventou o pudor, aprendeu a amar?
A história intercala entre Maya e Lochan. Eles são alma gêmeas. Confidentes. Amigos. Transcenderam tudo que a sociedade estabeleceu como certo e errado. Simplesmente são capazes de amar. Um amor puro e despretensioso. Unidos pelo sofrimento e pelo amadurecimento fora de tempo. Enquanto crianças eram crianças, eles já eram adultos. Enquanto seus amigos de mesma idade eram crianças, eles eram pai e mãe dos irmãos.  
Maya e Lochan fizeram-me lembra da Genealogia da Moral do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Quanto mais eu lia, mais lembrava. ‘Nós, homens do conhecimento, não nos conhecemos; de nós mesmos somos desconhecidos, e não sem motivo. Nunca nos procuramos; como poderia acontecer que um dia nos encontrássemos?’ (NIETZSCHE, 2009, p.7).
Lochan parece ser um jovem sereno, mas, aparenta viver um caos por dentro. Mais perdido que cego em tiroteio, se esconde do mundo e dele mesmo numa introspecção que todos fingem não ver. Inclusive sua mãe alcoólatra. Preste a ir para Faculdade, tem que lidar com crises de pânico e o fardo de cuidar da casa como um adulto.
Maya, um ano mais nova que Lochan, é uma menina meiga. Política. Animada e mãezona. Em comum, os dois sonham em mudar de vida. Em comum, os dois possuem a mesma família e uma paixão mais forte que qualquer pudor e convenção social. O relacionamento, lógico, é secreto. Muito bonito. Juvenil e puro.
Um drama recomendado. Um livro lindo e maduro. Abra seu coração e deguste Proibido. 



11 comentários:

  1. A história parece realmente interessante, já tinha visto ele antes, porém nada havia lido a respeito.
    Quem sabe um dia eu pare para ler este também.
    Um beijo.

    www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa fiquei absurdamente louca para ler esse livro, você escreve muito bem, da pra entender muito bem o que o livro que passar, fiquei com um gostinho de quero mais !
    Meus parabéns mesmo, você escreve muito bem, em cada palavra seu conhecimento é expressado!
    hadassasilvahs.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Eu vi esse livro lá no Lelivros e pra ser sincera nem tive vontade de baixa-lo apesar de ser de graça. Mas agora que eu vim a conhece-lo melhor e saber do que se trata fiquei muito curiosa , mesmo você não dizendo na resenha qual é o fator regente da trama , a sinopse conta. E o tema me parece ser bem intrigante , nada de perder mais tempo , vou baixa-lo agora !! kkk

    Abraços
    Ana Carolina Lopes
    www.dezenoveprimaveras.com

    ResponderExcluir
  4. é sobre incesto???
    Ouvi algumas pessoas falando que era bem polêmico, mas não pensei que temática seria... xD
    bem, eu lerei, caso tenha chance...
    bjs, flor...

    ResponderExcluir
  5. Lilian, caramba, que resenha estonteante *--*
    Eu já tinha visto o livro por aí, mas ainda não tinha parado pra ver qual era a história.
    E essa tua resenha, sem explicar do que se trata, mas mostrando o que transmite
    me fez morrer de vontade de ler e descobrir, que história é essa que te passou todas essas sensações.
    Amei a resenha, surreal *__*
    Encantadora, necessito desse livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. A história fala de incesto não é? Tema polêmico. E temas polêmicos, se bem contados e bem estruturados, rendem boas histórias. Se abordado com delicadeza e sinceridade, então, é capaz de fazer pensar. Embora ainda não tenha lido, essa parece uma história muito promissora. Deve valer muito a leitura. Parabéns pela resenha.

    Academia Literária DF
    Academia Literária DF

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia este livro, achei muito convidativo e ja fiquei encantada cm a leitura

    ResponderExcluir
  8. Olá Lilian,

    A sinopse é bem forte e nos desperta interesse, essa é a primeira resenha que leio dele e vejo que é um livro impactante, vai para a lista...abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Estou absurdamente interessada por esse livro. Já está na fila para 2015.

    ResponderExcluir
  10. Estou louca de ansiedade em ler esse livro, a capa é fantastica e a sinopse é incrivel

    ResponderExcluir
  11. Bonita capa, gostei demais da sinopse
    Lançamento top

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma