Resenha – Príncipe da noite




14 dezembro 2014





Em Príncipe da noite, Germano Pereira, 366 páginas, Novas páginas; encontraremos uma história peculiar e intrigante. O psicanalista Gabriel, que sempre acorda com uma mulher diferente ao seu lado, vive em Londres e parece levar uma vida normal, visto que aparentemente ele segue padrões sociais para estabelecer uma ‘normalidade’. Porém, sua máscara, à noite, não consegue se sustentar. É quando nasce: o Príncipe da noite.
À noite, Gabriel se torna num ‘quase vampiro’, não no sentido literal da palavra. Ele é forte. Seguro. Caçador. Visceral. Perturbado. Destoando do Gabriel ‘norma’. Durante o dia, ele é um simples homem desmemoriado. Sem a mínima noção de como passou a noite e o motivo de ter uma nova mulher em sua cama.
Fez-me lembrar do filme O Máscara. Ou das máscaras do Jacob Levy Moreno, que se inspirava na catarse e representante do psicodrama. O Príncipe da noite é uma fuga violenta de Gabriel ao ‘normalismo’ das convenções sociais. Capaz de reger uma orquestra de todas as outras máscaras que Gabriel usa quando está ‘sóbrio’.
O Príncipe da noite nasce da sombra; do inconsciente; instintivo; visceral. E, por mais louco que pareça, humanizando Gabriel.

''Estou bem cansado. Penso em não sair de casa, descansar, já que cheguei de viagem e li aquela carta, que me desgastou, mas sinto que o príncipe não me deixará livre esta noite. Ele nos força a sair! A luta interminável dentro de mim, este horizonte que divide nossas personalidades. Não posso dizer que o Príncipe seja meu eu, a pesar de, às vezes, me identificar com seus pensamentos e suas ações, de suas intenções que fazem parte de meus impulsos reprimidos.''

Esse distúrbio, na visão do psicanalista, não necessita de tratamento. Fazendo-me recorrer ao mito de Quíron. E é muito comum o cuidador não se cuidar. Trocando em miúdos: “Casa de ferreiro, espeto de pau.”
O autor brincou com vários arquétipos da mitologia e com as necessidades humanas tão reprimidas. Do sexo ao selvagem, a construção de Gabriel pode até revoltar alguns, mas não deixa de ser um grito de liberdade por quebra de paradigmas sociais e existenciais.

"Distante e do lado oposto ao terreno sepulcral encontra-se o Príncipe, soldado do afeto, serial killer do sexo que, apesar de ofuscado pelos acontecimentos tortuosos da vida, direciona-se guiado sempre pelo brilho da luz do amor."


As mulheres que o Príncipe seduz durante a noite, como objetos de um desejo insano e inconsciente, só reforçam o ideário de ruptura de convenções sociais. O sexo descompromissado é uma necessidade gritante do ser humano. Romper com as relações românticas/cristãs/idealizadas é tão urgente, que Gabriel prefere não destruir sua dupla identidade. 
Espero que vocês leiam e gostem. 

8 comentários:

  1. Adorei a resenha que escreveu do meu livro querida.
    Bem deve saber que muitas são levianas e superficiais. A sua vai contra a corrente da banalidade e estará dentre as minhas prediletas. Porque antes de qualquer coisa sua resenha é um serviço literário informativo. E vejo que entendeu profundamente o livro e aqui registrou a primeira parte da saga. Estou escrevendo o terceiro já, que é o final da trilogia e em breve lançam o segundo livro. Espero que leia, resenhe e goste. Rs
    Te agradeço
    Beijos
    Germano Pereira

    ResponderExcluir
  2. Olá Lilian,

    Gostei muito da sua resenha, mas infelizmente o livro não me despertou interesse, parabéns pela sua excelente resenha...abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Parece ser um livro muito instigante. Vi ele várias vezes na livraria, mas não havia me despertado o interesse até então. Quem sabe ele não entre na minha coleção agora no natal :)
    Parabéns pela resenha.

    Academia Literária DF

    ResponderExcluir
  4. logo de cara eu não tinha vontade de ler esse livro, mas depois mudei de idéia. Ele me passou uma sensação de que vou me surpreender com a leitura... se tiver chance, leio sem pensar duas vezes ^^
    Gostei de saber dessa característica sexual do personagem hehe

    ResponderExcluir
  5. Uau, parece ser um livro e tanto.. realmente fiquei muito impressionada com a sua resenha, meus parabéns!

    Mutações Faíscantes da Porto

    ResponderExcluir
  6. A história parece ser bem interessante, mas não é bem o meu gênero literário favorito.
    Porém depois da sua opinião eu daria uma chance sim,a esse livro.
    Beijos, suas resenhas são sempre o máximo!

    ResponderExcluir
  7. Uma historia intensa, acho fascinante esta capa . Top demais

    ResponderExcluir
  8. Esta historia é bem forte e envolvente..gostei da resenha e estou bem interessada em ler

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma