Curiosidades linguísticas




07 janeiro 2015

Perguntaram-me de onde teriam vindo as expressões bicha e veado para designar o homossexual masculino


por José Augusto Carvalho* 


A FILA E A BICHA
Na Internet veicularam uma informação errônea, segundo a qual o animal veado, ao atingir certa idade, perderia os chifres e, para não ser surrado por outro macho ou expulso do bando, adotaria um comportamento feminino, submetendo-se a outros machos para garantir sua proteção.

A informação é falsa porque os machos nunca perdem a galhada que, pelo contrário, se renova anualmente. O que ocorre é que os cornos que nascem no animal jovem, chamado veado estaqueiro, têm uma cobertura de pele e crescem rapidamente. Quando chega a época do acasalamento, começa a muda de chifres, em que há reabsorção inicial do material ósseo. Isso provoca irritação e leva o animal a esfregar a cabeça contra superfícies duras para que os chifres anteriores se desprendam, e os novos cresçam.


PERFIL

ANTENOR NASCENTES

Filólogo, etimológico, dialetólogo e lexicográfico brasileiro nascido em 1886. Co-fundou a Academia Brasileira de Filologia e colaborou em várias revistas especializadas brasileiras e estrangeiras sobre filologia, sempre acompanhando os avanços no campo. Sua importância no estudo brasileiro da língua portuguesa foi celebrada com o prêmio Francisco Alves pela Academia Brasileira de Letras em 1933 e o prêmio Machado de Assis em 1962.

"Fila indiana tem esse nome porque era essa a maneira de os índios da América caminharem em fileira através dos bosques."
Pode ser que bicha (para designar o homossexual masculino) tenha vindo de bicha, nome popular por que é conhecido o verme nematódeo, parasito intestinalenteverobius vermicularis ou, simplesmente, oxiúro. Os oxiúros provocam distúrbios intestinais, dores abdominais e, sobretudo, pruridos anais. Esses pruridos anais é que poderiam ter servido de base para a extensão, por metonímia, do nome popular do animal para o do homossexual masculino. O mesmo verme serviu também para cunhar a expressão "estar com bicho carpinteiro", que designa o estado em que se encontra alguém que não consegue ficar quieto um minuto, segundo a lição de Leite de Vasconcelos, em Etnografia II. Antenor Nascentes, em seu Tesouro da Fraseologia Brasileira (3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986), no verbete bicho, cita Leite de Vasconcelos, mas sua explicação é a de que o nome teria vindo de um coleóptero do gênero xylotrophus (xylo em grego, significa "madeira"; e trophus, "alimento", donde "bicho carpinteiro", o que se alimenta de madeira).
Quanto ao nome veado, para designar o homossexual masculino, a origem está na influência da língua francesa no léxico português. Em francês, biche é o feminino vicário de cerf, "veado". É possível que, por influência francesa, o nome que designa o veado fêmea, a biche (tradução literal, homonímica, do nosso bicha), o nome veado tenha passado a sinônimo de homossexual. O número 24 é decorrência do jogo do bicho.
Seja porque os oxiúros são expulsos do seu hospedeiro em fila, um atrás do outro, seja porque uma fila tem a conformação de um verme ou de uma serpente, o nome bicha, em Portugal, designa, por metáfora, a fila indiana. E fila indiana tem esse nome, segundo Nascentes, no seu mencionado Tesouro da Fraseologia Brasileira, s.v. fila, porque era essa a "maneira de os índios da América caminharem em fileira através dos bosques".
Como se vê, a metáfora e a metonímia estão sempre presentes no linguajar do povo.

PERFIL
LEITE DE VASCONCELOS

Etnógrafo e arqueólogo português, Leite de Vasconcelos tornou-se referência através de importantes obras suas como Etnologia Portuguesa, Museu Etnográfico Português e Lições de Filologia Portuguesa, além de ser fundador do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa.

PERFIL
MOLIÈRE

Dramaturgo francês, ator e encenador. É considerado por muitos como um dos mestres da comédia satírica, inovando a dramaturgia francesa. A peça Amphitryon (O Anfitrião) de 1968 foi escrita já em um período em que Moliére estava adoecido. A peça causou uma polêmica na época, pois desconfiava-se que se tratava de uma crítica aos casos amorosos do rei Luís XIV.

ANFITRIÃO
A palavra anfitrião, de origem grega, mas chegada a nós pelo latim, significa, etimologicamente, "fatigar, maltratar" (trýein) e "de um e de outro lado, em torno de" (amphi) . Na mitologia grega, Anfitrião era filho de Alceu e de Astidamia, filha de Pélops. Casou-se com a prima Alcmena, filha de Eléctrion, rei de Micenas. Zeus travestiu-se de Anfitrião para transar com Alcmena. Alcmena engravidou de dois filhos, um de Zeus, Héracles, outro de Anfitrião, Íficles. O nome anfitrião, para designar a pessoa hospitaleira, não se relaciona com essa etimologia. Anfitrião era o nome de um príncipe tebano. Na comédia Amphytrion, de Molière, imitada de Plauto, esse príncipe oferece um grande banquete aos seus oficiais e então (ato III, cena V) o seu criado Sósia diz: "Le véritable Amphytrion est l'Amphytrion où l'on dîne". É da peça de Molière que vem esse sentido atual de anfitrião. Literalmente, significa: "O verdadeiro anfitrião é o anfitrião onde se janta".


PERFIL
PLAUTO

Plauto foi um dramaturgo romano, responsável pela modificação e adaptação do modelo grego de peças para o público de Roma, material que compreende a maioria do conjunto de sua obra. Suas peças inspirariam Moliére, Shakespeare, entre outros renomados escritores.

* José Augusto Carvalho. Mestre em Linguística pela Unicamp e Doutor em Letras pela USP, é autor de um Pequeno Manual de Pontuação em Português e de uma Gramática Superior da Língua Portuguesa, ambos em segunda edição pela Thesaurus.

1 comentários:

  1. Eu já tinha lido sobre isso em algum lugar ou algo parecido, só sei que quando li isso "verme nematódeo, parasito intestinalenteverobius vermicularis"eu lembrei da minha mãe falando comigo, ela trabalha num laboratório então ela sempre vem com essas palavras difíceis ao invés de falar apenas "oxiúro" haha.

    www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma