Resenha – Mago Mestre




16 fevereiro 2015

O Mago Mestre, de Raymond E. Feist, Saída de emergência, 427 páginas, estava perambulando meus sonhos noturnos. Desejosa pela leitura, devorei o livro em um dia. O mesmo aconteceu com o livro 1 (ver resenha aqui). No livro dois, os personagens estão mais maduros e cativantes. O que pelo título deixa bem evidente, visto que o livro é O aprendiz e o dois Mestre... sacaram? Mas, essa é a única coisa óbvia do livro. Eu, leitora, adentrei num universo totalmente desconhecido, que todas as minhas previsões literárias não passavam de falácias e evaporavam com meu queixo caído a cada página virada.

A saga épica de Midkemia continua… Passaram-se três anos desde o terrível cerco a Crydee. Os três rapazes que eram os melhores amigos do mundo encontram-se agora a quilômetros de distância. Pug, um escravo dos Tsurani, está prestes a se tornar um dos maiores magos que já existiram. Tomas, um grande guerreiro entre os elfos, arrisca-se a perder sua humanidade para a armadura encantada que veste. Arutha, príncipe de Crydee, luta desesperadamente contra invasores e traidores para salvar seu reino. Mago Mestre é recheado de aventura, emoção e ameaças tão antigas quanto o próprio tempo. Com o segundo volume de A Saga do Mago, Raymond E. Feist volta a provar que é um dos maiores nomes da literatura fantástica na atualidade.


Pug passa por uma transição, mas não foi uma transição fácil, já que no primeiro livro, ele é levado como escravo para Kelewan, onde fica por um bom tempo. Em contrapartida, seus poderes ficam mais aguçados e o caminho para ele se tornar Mago é aberto.
Tomas ‘brinca com fogo’, trocando em miúdos, ele brinca com a armadura de Ashen-Shugar e libera um poder absurdo capaz de assustar os Elfos. Esse poder será capaz de aniquilar a inocência de Tomas, o transformando num monstro cruel e sanguinário.
Arutha fica na eminencia de uma guerra e precisa proteger seu povo, já sofrido. Isso pode lhe custar a vida. Mas, nessa aventura, ele precisará colocar em evidência toda sua astúcia, pois a guerra não feita apenas com espadas. A astúcia e jogo político de seus inimigos são capazes de colocá-lo num tabuleiro onde todas as peças o querem morto.
A esperança, o desejo de poder, a morte da inocência, o medo, o amor à vida, mortes, a magia... vão permear essa fabulosa obra. Ações violentas e trechos cruéis, tiram de Mago a possibilidade de ser um livro infantil.
Descrição dos espaços geográficos e culturas locais merecem destaques, pois eleva a importância da obra, além de ter me conduzido para fora do meu divã. Isso mesmo: divã. Eu comprei um divã para ler meus livros.

Sobre a capa, diagramação e revisão é um assunto delicado. Gostaria que outras editoras tivesse o mesmo zelo com os livros que a Saída de Emergência Brasil tem. Impecável. O tamanho da fonte não agride a minha vista e a folha amarelada ajuda bastante. O livro não é bom; é sensacional. Uma escrita espetacular que abre possibilidades para diversas análises críticas literárias e sociais. Bom, acho que já falei demais... tem que ler, né? 
Super recomendo. Não é um livro simples, mas é fantástico. Gosto de fantasia por isso, ela não destoa da realidade, cria universos paralelos para discorrer sobre situações que vivenciamos diariamente. O mundo da fantasia está mais próximo do real que imaginamos. somente grandes escritores conseguem abrir esse portal permeado de magia, mas pautado em realidade. As conspirações políticas tão bem colocadas, deram margem a contextualizações na nossa atual sociedade. 'Quem nunca contextualizou que atire a primeira pedra'. Faço isso o tempo inteiro.... e, para finalizar, li ao som de Enya. Delícia! 

4 comentários:

  1. Boa tarde Lilian,

    Essa série é excelente e com certeza o autor consegue criar mundos incríveis, o último da série está entre as minhas próximas leituras e estou super curioso com o desfecho.....abraço.



    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é surpreendente a quantidades de elementos que ele mescla num único livro.

      Excluir
  2. Oi Lindona! Amora, eu sou louca para ler essa série, meu irmão a leu, e se encantou, apaixonou e me disse que é o tipo de leitura obrigatória que eu tenho que fazer, pq o livro tem tudo que eu gosto. Sua resenha me fez querer o livro um para ontem, e o dois para amanhã. Não sei pq, mas me lembra mto a trilogia do mago negro. Uma série que amei, mesmo sendo mais para o publico infanto juvenil. Acho que essa questão de ter que aprender a lidar com os poderes que me remete a trilogia. bjs
    Eykler
    www.amorascompimenta.com

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma