Resenha - Os Demônios de Deus




06 julho 2015

Estava empolgadíssima para ler Os Demônios de Deus, de Alexander Mackenzie, 368 páginas, Madras Teen.  Em minhas andanças por outros blogs, vi inúmeros elogios, e a minha expectativa estava altíssima.


"Os Demônios de Deus - Alegando sofrer de crises de solidão, Deus irá finalmente falar após anos de silêncio. E ele não poderia ter escolhido melhor pessoa para isso: o Dr. R. Mazal. No consultório em British Columbia, Canadá, um labirinto de verdades é desmoronado. À medida que a terapia segue, a vida do psicólogo entra em completa derrocada, além de estar, sem saber, no centro de uma batalha de forças além da compreensão humana. As revelações de Deus confirmam o darwinismo e rebatem as leituras completamente equivocadas sobre o livre-arbítrio. As confissões divinas não deixam de mergulhar nos mais intrincados mistérios judaicos, trazendo à luz o que foi escondido. No entanto, o enigmático Frederic Burrhus parece ter versões bem diferentes... Aquilo era apenas a ponta do iceberg ! Numa caçada frenética por respostas, o Dr. Mazal entra no centro de uma conspiração sobrenatural. Mesmo amada pelo marido, Petra o trai e esconde um segredo de todos sobre seu passado. A filha, Jane, parecia ser a maior armadilha para o império do anticristo, mas em contrapartida, era também a grande arma secreta de Deus. Para fazer o plano do Soberano prevalecer, a misteriosa família Cohen faz de tudo para que o Dr. Mazal e Jane fiquem nas mãos do inimigo. Nem sempre quem nos apunhala é de fato nosso inimigo. Deus também tem suas artimanhas?“Os demônios de Deus” é a série de suspense mais controversa dos últimos anos!"

Nem mesmo 30 páginas após o início do livro, eu já havia percebido que aquele encantamento que outros leitores tiveram, passaria bem longe de mim. A saga do Doutor Rodrigo Mazal em nenhum ponto me cativou. Nem o enredo, nem os personagens, nem a filosofia de criacionismo evolucionista.
Filosofia, aliás, que toma desmedido tempo na história, e me fez imaginar que o autor estava dividido entre um projeto de ensaio filosófico e uma ficção, e resolveu fazer os dois ao mesmo tempo.


Na história, Rodrigo Mazal é um psicólogo brasileiro renomado e cobiçado por muitas mulheres no Canadá. Menos a sua.
Petra e Rodrigo estão juntos há treze anos, e juntos criaram a filha de Petra, Jane. Entretanto, Petra está distante e Rodrigo começa a sentir atração pela garota que criou como filha, (Segundo o autor, porque para mim não desceu esse papo, e existem falhas absurdas até mesmo nesse ponto, que eu não vou abordar, pois seriam spoilers.) sem saber que ela também o enxerga de modo diferente.
Além de seus problemas pessoais, Rodrigo tem que lidar com seu novo paciente, que acha que é Deus.
A cada sessão, Rodrigo fica mais e mais intrigado com o homem, que parece ter uma inteligência acima da média, até que começa a crer estar mesmo falando com Deus, e descobre que deve dar ao Demônio o mesmo tempo e atenção, devido a um acordo entre os dois.
Cada um a seu modo vai tentar convencer Rodrigo de que o outro é que é mau e sedento por poder, durante suas (longas, bem longas) sessões de conversas, e envolvê-lo em sua luta pelo domínio da Humanidade.
Enfim, um livro que passou em branco para mim, e do qual eu não faço a mínima questão de continuar acompanhando.
Talvez, se você se interesse com questões filosóficas que incluem deus em tudo e não se importe com as visões do autor sobre o tema, você possa aproveitar da narrativa de bem contra o mal de uma forma melhor do que eu fiz.
Para mim, infelizmente, a filosofia de Alexander interferiu negativamente na sua ficção.




25 comentários:

  1. Pela sinopse eu já nao teria muita vontade de ler, quando li a resenha então fiquei com menos vontade ainda. É uma pena quando os passam em branco pra nos né.

    ResponderExcluir
  2. Ah! O tema abordado até me chamou a atenção, mas pela sua resenha já não tenho tanta certeza mais. Mas cada um tem uma opinião mesmo. Só vendo por mim mesma pra saber se ia gostar ou não.
    www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Amanda, tudo bem?
    Eu também li várias resenhas positivas sobre esse livro, mas a premissa dele não me interessou nem um pouco!
    Acho a temática muito delicada e provavelmente não me agradaria a leitura.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda!
    Essa parece uma história bem intensa e repleta de mistérios né?
    Adorei a premissa e já fiquei doido para saber mais sobre essa história!

    Beijos
    P.S: Seu layout é lindo ♥
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/2015/07/li-ate-pagina-100-enfeiticadas.html

    ResponderExcluir
  5. Algo me diz que eu não vou curtir muito essa leitura.
    Não gosto dessas questões filosóficas e ainda mais quando envolve religião.
    Então não sei se iria ler.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  6. Amanda estou com esse livro em casa e lendo sua resenha fiquei com muitas ressalvas, essa atração pela enteada não me desceu, independente dos motivos,não gostei disso . beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda!
    Nossa, pela sinopse já vi que não ia gostar desse livro.
    Também não curto muito livros muito reflexivos e filosóficos.
    Gostei da sinceridade na resenha.
    ;*

    www.saladadelivros.com

    ResponderExcluir
  8. Olá!!!

    eu na verdade ainda não tinha ouvido nada sobre o livro, não achei que ele se encaixe no que costumo ler, mas gostei da sua forma de descreve-lo foi muito clara e objetiva. bjs

    Thais Maia/Notinhas de Rodapé

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Confesso que minha opinião está bastante dividida sobre ler ou não o livro. Assim como a sua, li outras resenhas negativas sobre o li, bem como também li algumas positivas. Mas acho que no momento não é o tipo de leitura que procuro. Vou aguardar mais um pouco e ver mais pra frente se me convenço a lê-lo.
    Ótima resenha!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  10. Acho legais esses temas sombrios e viajantes, mas não sou fissurada e só leria em um momento de muito "sem nada para ler" mas sua resenha foi muito boa.
    Blog Com Mãos de seda ✡✡ Fan Page do Blog✡✡Participem de nosso Grupo

    ResponderExcluir
  11. bem, desde o inicio eu não queria ler esse livro, principalmente na parte do 'sente algo pela enteada' fiquei tipo 'oi?'
    olha, até que tenho a mente aberta pra certas coisas, mas algo assim é demais pra minha cabeça... sem contar que achei o enredo muito confuso, sem atrativo... enfim... passando longe do livro....

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda! Está aí um livro que não me chamou em nada atenção, desde que começou a ser divulgado. Minhas experiencias com livros assim, onde o autora interpela questões muito filosóficas que acabam caindo para ficção, ou vice versa, não são lá das melhores, e no final sinto que acabei lendo foi uma bela colcha de retalhos, pegos um aqui e outro ali. Não vou ler, sinto muito, mas desejo ao autora sucesso. Parabéns pela resenha tão sincera, nos colocando a par do que podemos encontrar. bju
    Amoras Com Pimenta ❤

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Esse livro não me chama a atenção em nada. Principalmente por esse papo do cara sentir atração pela filha de criação, isso não me desce e não é o tipo de coisa que eu gosto de ler.
    Sua resenha me deixou mais desmotivada ainda, e agora tenho certeza: Passarei longe desse livro.
    Ótima resenha!
    Beijo!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
  14. Esse livro parece super interessante! Vou adicionar a minha lista de leituras!
    Beijinhos, Vic (https://corujasdebiblioteca.wordpress.com/)

    ResponderExcluir
  15. Na real? Eu acho que nem compraria pelo nome. Achei meio força a barra. Também não gostaria dessa leitura :x
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  16. Olá
    O livro parece ser bem interessante e já o tenho na estante, porém, ainda estou criando coragem para ler e espero gostar quando ler, sua resenha está ótima.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Olá, tudo bem?

    Eu tive a oportunidade de ler o livro, não posso dizer que o livro é ruim, porque não o achei ruim, entretanto, acho que o livro ficaria muito melhor se não tivesse esse interesse entre padrasto e filha (achei absurdo e foi demais para minha cabecinha), nesse quesito eu concordo com vc e caso isso fosse retirado do livro e ele se interessasse por uma mulher que em nada tivesse laços de pai e filha (independente de não ser biológico o livro teria sido melhor). A leitura é boa, a questões entre Deus, Rodrigo e Lúcifer, eu gostei, mesmo! A única coisa ruim como relatei é esse lance entre Pai e filha e o fim que eu fiquei meio perplexa (ainda falando sobre Pai e filha - não vou soltar spoilers,mas sei que sabe o que estou falando hehehe). Mas enfim, é a opinião de cada um e é muito bacana que sejamos sempre sinceras em nossas resenhas; eu gostei do livro - mas queria as questões pai adotivo e filha da forma com que apresentaram não existisse na história - por isso, lhe parabenizo pela exposição de opinião reta e sincera da sua resenha!
    De qualquer forma, indico o livro para quem gosta de um enredo pesado e que ainda que seja simples, nos tira e muito da zona de conforto.

    Beijo!
    Ana L.

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    O livro já causa impacto com o título.
    Já vi algumas resenhas por aí e a opinião é como a sua: a filosofia é usada de forma meio negativa e tal.
    Valeu a dica, mas não faz muito meu estilo mesmo.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  19. O livro me chamou atenção pelo título, achei que seria uma leitura interessante. Depois de ler a sua resenha percebi que não se encaixa muito no que eu gosto de ler. Sei lá, prefiro optar por leituras mais leves.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá Manada, eu já havia lido outras resenha desse livro e não conseguia sentir curiosidade pela leitura e agora com a sua perdi totalmente meu interesse, não gosto de livros que abordam tão fortemente a religiosidade e esse parece que trás varias reflexões deste tema que eu não iria curti.

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  21. Oi, Amanda!
    Lendo a sua resenha deu para perceber que o livro não é um tipo de leitura que me agradaria. Não gosto de livros com tantas questões filosóficas, a leitura fica bem arrastada e entediante. Acho que esse eu não leria. :)

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  22. Olá

    Tudo bom?
    Eu sou da turma que adorei o livro, pena que você não gostou, mas apreciei sua sinceridade na resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oii, tudo bem?
    Eu estou com esse livro aqui, quero ler ele esse mês. Eu achei a premissa interessante, só não curti esse lance de ele ter afeição por a menina que ele criou como filha, isso é meio sei lá. rsrs.

    Beijos da Jéss ♥
    Brilliant Diamond | Fan Page

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?
    Eu adorei a premissa desse livro, e fiquei muito curiosa, mas sua resenha me desanimou a ler. Eu sou filha de pais separados, e tenho um padrasto a quem amo como pai, então acho que me sentiria incomodada com essa "Atração" entre Rodrigo e e enteada.
    E não tenho paciência para filosofar demais, e pelo jeito, é isso que o livro traz, nos diálogos dele com "Deus e o Diabo", kkkkkk
    beijos
    meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  25. Oi oi!
    Ainda não conhecia o livro e assim que li a premissa fiquei mega curiosa, mas depois da sua resenha fiquei com um pé atrás.
    Gosto muito de filosofia e que ela se junte a toda essa questão de Deus, mas pelo oque você falou (e pelo oque entendi), ele fez enrolou real e ficção.
    Já li alguns livros que usam de fatos passados reais para criar um ficção e que são realmente incríveis (caso do O Colecionador de Lágrimas, do Augusto Cury), mas é realmente um trabalho difícil e que se não for bem feito se torna uma leitura cansativa, oque acho que foi o caso de Os Demônios de Deus.
    Também essa questão dele gostar enteada e tudo mais, sei lá, me pareceu forçado....
    Mas quem sabe eu não dê uma chance.
    Vou procurar outras resenha e decidir se compro ou não....
    Beijos!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma