Os vivos, o morto e o peixe-frito




24 janeiro 2016


Sinopse: Nada mais complicado ou mais rico do que experimentar o diálogo entre pessoas de países diferentes, mesmo que tenham a língua portuguesa como ponto em comum.

Os vivos, o morto e o peixe-frito é uma peça com treze personagens de origem lusófona: Angola, Moçambique, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde, todos dentro de um mesmo prédio em Portugal. O premiado escritor angolano Ondjaki trata neste livro de temas cotidianos e de como a vida entrelaça as pessoas, agindo como uma grande teia de relacionamentos, que nos faz constatar a cada dia que passa o quanto esse mundo é pequeno. Os conflitos, as variedades culturais e as especificidades linguísticas deste verdadeiro mosaico de urgências, problemas em comum e afetos que se formam na condição de imigrantes em terras portuguesas.
Ilustrado por Vânia Medeiros o livro mantém o vocabulário e a linguagem característica de cada país, com expressões estranhas ao português falado no Brasil. Um pequeno glossário foi acrescentado ao final do texto com as traduções de algumas dessas palavras.

Sobre o autor:
Ondjaki nasceu em Luanda, em 1977. Prosador, às vezes poeta. Codirigiu o documentário Oxalá cresçam Pitangas, sobre a cidade de Luanda. É membro da União dos Escritores Angolanos, licenciado em Sociologia (Portugal) e fez o doutorado em Estudos Africanos (Itália). Recebeu os prêmios Sagrada Esperança (Angola, 2004); Grande Prêmio do Conto (A.P.E., Portugal, 2007); Grinzane – young african writer (Itália/Etiópia, 2008); FNLIJ – juvenil (Brasil, 2010); Jabuti juvenil (Brasil, 2010). Com romances, contos, poesia e livros infantis, foi traduzido para o francês, espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio e sueco. www.kazukuta.com/ondjaki


7 comentários:

  1. Oii!!

    Eu não conhecia a obra e achei essa capa lindinha!!
    Gostei da sinopse mas não sei se leria no momento! Gosto de livros ilustrados, mas no momento esse não é o que estou procurando.
    Mesmo assim gostei da dica!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Ainda não conhecia o autor e nem a obra, achei a capa super criativa. O enredo parece ser legal, mas ainda não é o livro pelo qual estou disposto a ler no momento.

    Frases, Trechos e Pensamentos

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é infantil, não? Se não for, parece muito, principalmente pela capa, e aí está o maior motivo para eu não me interessar pela leitura deste. Gostei do seu blog, em todo caso, pois é bem eclético. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Gosto dos livros da editora Chiado, ela valoriza a cultura portuguesa e de países com essa língua. A premissa do livro de juntar várias nacionalidades que usam português diferente é super interessante, assim vemos que não é só Brasil e Portugual que têm diferenças na língua.
    Até + ver! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curtiu?

    ResponderExcluir
  5. Adorei essa ideia de juntas varias nacionalidades, parece ótimo! Que título diferente, espero que explique o motivo dele no livro.

    ResponderExcluir
  6. Que interessante, me lembrou as aulas de literatura que tive no ano passado sobre a cultura e literatura africana, acho isso bem bacana ☺ Ainda mais essa mistura... adoro isso! Traz uma diversidade muito boa para as estantes heheh

    ResponderExcluir
  7. Muito legal sua resenha, bem objetiva. Gosto muito de livros infantis e esse parece trazer uma mensagem bem legal. Gostei e já quero ler! :D
    Beijo

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma