Resenha - O Último dos Canalhas




04 fevereiro 2016

Olá, olha eu aqui com mais uma resenha de Romance de época. E hoje, o livro da vez é o Último dos Canalhas, da Loretta Chase, 304 páginas, editora Arqueiro.
Esse livro é o segundo lançado da série “Canalhas” e é também o meu segundo contato com a escrita dela, que já havia me conquistado em O Príncipe dos Canalhas e agora veio consolidar a minha opinião, pois se eu já havia achado Jéssica uma protagonista maravilhosa, Lídia veio para mostrar que o que é bom pode ainda melhorar.


Lydia Grenville, nossa protagonista, é uma jornalista destemida, independente e que de certa forma é engajada em causas sociais, isso lá em mil oitocentos e bolinha, é ou não é pra amar? E é justamente num episódios causado por um dos seus ativismos que ela acaba conhecendo Vere Mallory, o atual Duque de Ainswood. E esse encontro acaba não sendo muito agradável para o Duque.
Lydia estava tentando salvar uma jovem das mãos de uma famosa cafetina de Londres, famosa por enganar e arrastar jovens garotas para a prostituição, no meio desse embate ela vê a figura do Duque e tenta usar de sua influência política para se livrar da vilã. Só que o Duque é um ‘Babaca’ completo. E um babaca com seus brios feridos, por minutos antes ter sido quase atropelado por uma mulher e ao invés de ajuda-la, ele tenta é desestabiliza-la e acaba recebendo um soco no queixo e indo parar de bunda na lama.
A partir daí o duque com seu ego ferido, toma como missão provar para sociedade que Greville não é bem essa mulher cheia de si que ela demonstra. Ele arma um plano para vingar-se dela conquistando-a. Só que essa não é uma tarefa fácil, pois Lídia é realmente o tipo de mulher que ela demonstra ser e não vai aliviar, para o duque libertino.



É notável que a obra mantém a estrutura típica dos romances de épocas. “Uma jovem rebelde, sendo cortejada por um nobre.” Típico! Porém não se deixem levar pelas primeiras impressões, a obra tem clichês? É lógico que sim. Porém o que chama a tenção na escrita da Loretta é justamente o diferencial que ela põe em suas histórias.

Lydia Não é nem de longe uma jovem 'casadoila', tampouco ela faz parte da gama de personagens que têm aversão a homens, ela simplesmente não se importa. Como eu disse antes, ela é uma jovem independente, que mora só e trabalha para se sustentar. É destemida e luta pelos direitos das mulheres das classes sociais mais baixas, o que a faz envolver-se e m alguns escândalos e não ser tão bem-quista em algumas esferas.

“Na Primeira reportagem de sua série sobre o sofrimento das jovens meretrizes de Londres, ela sugerira a legalização da prostituição, o que permitiria à coroa licenciar o ofício, assim como em Paris, por exemplo. Segundo Lydia, a regulamentação poderia pelo menos ajudar a reduzir os piores abusos.”

Já Mallory não é nem de longe um príncipe encantado, um duque revoltado, pois só veio a receber o ducado devido a morte de muitos entes queridos e que por isso leva a vida entre bebedeiras e bordéis. No começo da leitura, ele se mostra completamente irritante, cheio de pontos de vista misóginos.

“Deus nos livre das metidas a intelectuais. Sabe qual é o problema delas, Jaynes? Como não trepam com regularidade, algumas mulheres assumem as fantasias mais estranhas, como a de imaginar que conseguem pensar.”

Logo quando comecei a leitura, comentei com a minha amiga Amanda, que o livro estava me fazendo lembrar da história machista escrita por Shakespeare, “A Megera Domada” porém numa releitura vingativa, que se encaixaria melhor em “O Megero Domado” já que durante a leitura nós acompanhamos a desconstrução de um personagem machista. Ao longo da história e da convivência com Lydia, Vere pode conhecer melhor a dificuldade que é a vida das mulheres. Assim como perceber que Lydia é verdadeira, ela luta pelo que ela acredita e é muito legal acompanhar isso. E como se essa descontrução já não fosse suficientemente interessante, a autora ainda nos brinda com uma grande aventura e altas doses de bom humor.

Outro fato bem interessante é que o livro tem uma forte ligação com o anterior, quando li algumas resenhas, achava que a presença dos protagonistas do livro passado seria bem sutil, mas eles até que têm um forte papel na história. E mesmo dando pra entender bem o livro sem ter feito a leitura do anterior, recomendo que sigam a sequência, pois no segundo livro dá alguns spoiles do primeiro.
Eu também percebi que Belzebu faz nesse livro referência a uma prima e fazendo pesquisas descobri que o primeiro livro da série, ainda não foi lançado, ou seja esse livro seria na verdade o terceiro. Não sei porque ainda não foi lançado, mas vamos torcer pra que seja em breve.


Pra terminar, vou mais uma vez elogiar a escrita da Loretta que é inovadora e divertida, nos propiciando uma leitura gostosa e envolvente, pois ela nos conduz gentilmente a cada página, mesclando temas sérios, romance, sensualidade e tiradas hilárias na medida certa e nos induz, assim, a devorar o livro sem nem perceber. Os personagens são muito bem estruturados e cativantes, sendo assim bem improvável que nós não consigamos nos conectar com eles. Sem dúvidas eu recomendo a leitura.

Beijos


15 comentários:

  1. Kris, acho que essa é a primeira resenha sobre algum livro dessa série que eu vejo sendo realmente bem escrita. Digo isso porque eu geralmente sofro pra ler sobre esses livros, mas o seu texto me divertiu. :)
    Talvez eu leia a série, sim. Se você me fizesse essa pergunta há alguns meses, eu teria respondido o contrário; mas nessa semana eu comecei a ler "Razão e Sensibilidade" e estou amando! Dá pra comparar com Jane Austen, ou minhas expectativas estão altas demais?
    Beijão,
    Mona

    ResponderExcluir
  2. Não sou muito atraída por romances de época, mas a sua paixão pela autora foi bem perceptível! Bom usos das palavras com muita dose de amor e respeita pela escrita da autora.

    ResponderExcluir
  3. Não sou muito atraída por romances de época, mas a sua paixão pela autora foi bem perceptível! Bom usos das palavras com muita dose de amor e respeita pela escrita da autora.

    ResponderExcluir
  4. No começo eu confesso que achei o livro um pouco chato, mas depois que a leitura foi se desenvolvendo, eu realmente me apaixonei pela Loretta Chase. Para quem gosta de romances de época, é realmente uma leitura indispensável.

    laoliphant.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oiii Kris, vindo de ti já anotei a dica hahahahahah mas, agora falando sério. Foi umas das melhores resenhas que li, espero ansiosamente ter a oportunidade de ler!
    Beijão

    ResponderExcluir
  6. Já tentei ler o primeiro livro, mas o personagem não me envolveu tanto, mas aparentemente eu sou a minoria em desgostar haha em breve vou tentar ler de novo e aí eu vou poder ler esse tb né? :3
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  7. Pra quem curte o gênero realmente parece um ótimo livro,o que não é meu caso. Mas adorei sua resenha,objetiva e convincente.
    Beijo

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Nossa, finalmente uma resenha sobre essa série que até me despertou o interesse. Normalmente não sou muito fã desse tipo de romance, porque não tenho muita paciência para os clichês. Mas você me passou a impressão de que eu iria curtir bastante a personagem principal. Quem sabe um dia eu dê uma chance e quebre esse preconceito, mas sinto que ainda tenho longo caminho a percorrer até deixar de ser pão dura e aceitar gastar dinheiro com um livro desse gênero hahaha

    beijinhos
    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  9. Oi, Kris
    Você não é a primeira a elogiar a escrita da autora. Essas características que existem em um romance de época são essenciais e a diversão é um deles. Um clichê aqui e ali sempre tem mesmo. Ainda não tive oportunidade de ler os livros, mas pretendo em breve.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oie Kris, tudo bem?
    Bom, como não sou chegado em romances de época, não tenho muito o que dizer da obra. Passei todos que selecionei da Arqueiro para as minhas colunistas rsrs
    Só o que posso dizer é que você escreve muito bem!
    Beijos

    Academia Literária DF

    ResponderExcluir
  11. Olá Kris, eu adoro romances de época e morro de vontade de ler essa série da autora *-* Acho legal quando os personagens dos livros anteriores aparecem com papeis importantes, espero poder lê-los em breve *-*

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem? Sou uma apaixonada por romances de época e O último dos Canalhas está na minha lista de desejados. Gostei bastante da escrita da autora em O Príncipe dos Canalhas e fiquei feliz em saber que os personagens reaparecem nesse livro. Não sabia que a mocinha era uma jornalista, fiquei ainda mais curiosa!!!

    Beijos,

    Mari

    cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oie
    não sou chegada em romances de e´poca apesar de sempre ver muitos elogios e tudo mais, parece ser uma bela leitura para quem curte e parabéns pela resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Já li o primeiro livro e curti muito, os personagens são ótimos e bem desenvolvidos com personalidades forte. Estou ansiosa para pegar nesse livro e me deliciar com as histórias de Loretta. Mulheres fortes e determinadas nessa época são maravilhosas, lutam com tanto vigor por aquilo que acreditam que é uma inspiração para nós. Adorei a sua resenha e não vejo a hora de conferi!

    Beijos!
    lovesbooksandcupcakes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Olá Kris, tudo bem?

    Li algumas resenhas na semana passada desse livro e dessa série e todos foram bem positivos, não me despertou muito interesse no momento mas quem sabe mais para frente....bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma