Header Ads

Como a Boitempo contribui diariamente para o 8 de março





O 8 de março é um dia simbólico, nossa luta é todo dia. E várias são as contribuições que devem ser destacadas e divulgadas, dentre elas, os lançamentos da Boitempo Editora, que supera o ideal meramente mercadológico e alienante do livro panfletário e traz em seu catálogo ferramentas que contribuem para a vida das mulheres porque essa luta também precisa ser alimentada no campo das ideias.



Livros feministas da Boitempo em 2019





Feminismo para os 99%: um manifesto
de Cinzia Arruzza, Tithi Bhattacharya e Nancy Fraser

Moradia inacessível, salários precários, saúde pública, mudanças climáticas não são temas comuns no debate público feminista. Mas não seriam essas as questões que mais afetam a esmagadora maioria das mulheres em todo o mundo? Inspiradas pela erupção global de uma nova primavera feminista, Cinzia Arruzza, Tithi Bhattacharya e Nancy Fraser, organizadoras da Greve Internacional das Mulheres (Dia sem mulher), lançam um manifesto potente sobre a necessidade de um feminismo anticapitalista, antirracista, antiLGBTfóbico e indissociável da perspectiva ecológica do bem viver. .Feminismo para os 99% é sobre um feminismo urgente, que não se contenta com a representatividade das mulheres nos altos escalões das corporações. A edição brasileira conta com a participação de Talíria Petrone, deputada federal e militante feminista negra, que assina o prefácio, e Joênia Wapichana, primeira mulher indígena a ser eleita deputada federal, advogada, militante das causas indígenas e dos direitos humanos, no texto de orelha. 


Uma autobiografia
de Angela Davis

Publicada em 1974, a autobiografia de Angela Davis é um retrato fundamental das lutas sociais nos Estados Unidos durante os anos 1960 e 1970. Na obra, a militante, então com 28 anos, narra toda a sua trajetória até ali, da infância à carreira como professora universitária, interrompida por aquele que seria considerado um dos mais importantes julgamentos do século XX e que a colocaria, ao mesmo tempo, na condição de ícone dos movimentos negro e feminista e na lista das dez pessoas mais procuradas pelo FBI. A falsidade das acusações contra Davis, sua fuga, sua prisão e o apoio que recebeu de pessoas de todo o mundo são aqui comentados por essa mulher que marcou, com sua imagem e sua luta, a história mundial.


Pensamento feminista negro

de Patricia Hill Collins

Em Pensamento feminista negro, a socióloga e professora estadunidense Patricia Hill Collins explora ideais e conceitos teóricos desenvolvidos por feministas negras como Angela Davis, bell hooks, Alice Walker, e Audre Lorde. Publicada pela primeira vez em 1990, sua obra propõe uma visão global do feminismo negro, inédita até então.


Witches, Witch‐Hunting, and Women
de Silvia Federici

Obra mais recente da pesquisadora e ativista Silvia Federici, autora também de Calibã e a Bruxa e conhecida por seus estudos sobre a relação entre o avanço do capitalismo e o cerceamento da liberdade feminina. No livro, ela propõe novos métodos para reconstruir a memória das lutas passadas das mulheres.


Rosa Luxemburgo: pensamento e ação
de Paul Frölich

A Boitempo e as Edições Iskra publicam, pela primeira vez em português, a biografia da revolucionária polonesa-alemã Rosa Luxemburgo. Escrita por Paul Frölich e publicada originalmente em 1939, é considerada ainda hoje uma obra de referência indispensável.


Paul Frölich (1884-1953) participou, com a biografada, da fundação do Partido Comunista Alemão em 1919.  Nos anos 1920 ele será encarregado, pelo Partido, da publicação das obras completas de Rosa Luxemburgo. O livro de Frölich apresenta, com grande inteligência e empatia, a apaixonante vida da filósofa e economista marxista: sua juventude na Polônia,  os estudos em Zurique,  a emigração para a Alemanha,  a relação afetiva e erótica com Leo Jogiches,  a luta pelas ideias marxistas na social-democracia alemã, a participação na revolução russa em Varsóvia, os anos de prisão na Polônia e, durante a guerra, na Alemanha,  em 1919,  seu assassinato pelos bandos militares pré-fascistas trazidos para Berlin pelo ministro social-democrata Noske.Frölich analisa também, com grande acuidade, seus principais escritos: A acumulação do Capital (1913), sua grande obra de economia política, a famosa Brochura de Junius (A crise da social-democracia) de 1916, onde aparece a fórmula "socialismo ou barbárie", a crítica (construtiva) aos bolcheviques em A Revolução Russa (1918), e os últimos escritos durante o levante spartakista de 1919.
A vida e a obra de Rosa Luxemburgo se caracterizam pela extraordinária unidade entre pensamento e ação, teoria e prática, conhecimento cientifico e compromisso com a luta dos oprimidos.  A grande virtude da biografia de Frölich é a de conseguir dar conta dessa unidade e restituir, assim, a grandeza humana, política e intelectual desta inesquecível figura do socialismo revolucionário do século 20.

2 comentários:

  1. Olá!
    São ótimos os livros que compõe o catálogo da editora. Não conhecia nenhuma dessas autoras, mas gosto de saber que a cada dia temos um crescimento e uma abertura das editoras em trazer temas importantes e necessários escritos por mulheres empoderadas.
    Obrigada pela dica!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Muito interessante o tema do catálogo. De todos o que mais me chama atenção é a biografia de Angela Davis, parece ser uma leitura que traz muitas coisas importantes para se refletir.


    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma