Header Ads

Resenha – A viúva silenciosa, de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe





A viúva silenciosa, de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe , foi o último livro recebido em parceria com o Grupo Editorial Record. E chegou, sem dúvidas, permeado de nostalgia, visto que Sidney Sheldon por um longo período foi o autor que mais li na adolescência, precisamente entre os 15 e 18 anos.

Dividido em duas partes, o livro unirá presente e passado por meio da psicóloga Nikki Roberts que está de luto após perder o marido e em seguida precisa lidar com a morte brutal de duas pessoas importantes em sua vida, Lisa Flannagan e Treyvon Raymond, torna-se uma pessoa áspera.

Será que foi a frustração que deixara Nikki Roberts tão deprimida após a sessão com Lisa na noite anterior? Ou foi outra coisa? Talvez a inveja. A inveja da perspectiva positiva de Lise.Da felicidade, da esperança de sua paciente. Esperança era algo que Nikki Roberts não tinha mais, nem um resquício

Essas mortes brutais ligam Nikki ao assassinato da apaixonada estudante Charlotte Clancy, há dez anos na cidade do México e faz a psicóloga compreender que talvez seja a próxima vítima após sofrer um atentado, quase ser atropelada intencionalmente.

Nesse meio tempo, Nikki conhece o detetive Derek Williams que tem suas próprias regras de trabalho e não mede esforços para chegar ao final de uma investigação. Derek Williams, no entanto, trabalhou no caso sem solução de Charlotte Clancy. Além disso, é um homem marcado por frustrações, casamento falido e a distância do filho.

No fim, porém, um nome saltou aos seus olhos, um nome dentre tantos que Nikki escolhera mencionar. Em se tratando de assassinatos, o nome representava um figurante, um personagem sem importância, na melhor das hipóteses alguém superficial para o caso. No entanto, era um nome que Derek Williams conhecia bem – muito bem – de outro caso, em outra época

Nesse enredo, o que torna tudo mais estimulante é que todos têm algo a dizer, uma história não contada. Será que Nikki sobrevive a um assassino a solta ou a sua falta de perspectiva? Para mim, Tilly Bagshawe, discipula de Sheldon e convidada para dar sequência a obra, mante as características do autor, o que torna A viúva silenciosa um suspense de leitura fácil, rápida, de entretenimento, para o público jovem ou talvez, menos exigente. Contudo uma leitura que cumpre seu papel e certamente tem grandes chances de agradar.  

9 comentários:

  1. Oi Lilian, estou com um projeto pessoal de ler 12 autores novos (para mim) este ano e Sidney Sheldon está entre eles, ainda não decidi qual irei ler, mas gostei bastante deste, me pareceu ser uma leitura descomplicada.
    Bjos
    Vivi
    Blog Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Olá tudo bem, adorei a premissa do livro, fiquei bem curiosa para ler, essa abordagem e temática me agradam muito em uma leitura, acredito ser um livro repleto de mistério e que nos coloca para pensar, beijos!

    ResponderExcluir
  3. hun, acredito que pra adolescente seja uma leitura incrível... no meu caso, só leria pra descontrair entre leituras mais densas... até pq gosto do gênero e faz um tempinho que não leio nada dele...
    bjs, Lili ^^

    ResponderExcluir
  4. Essa também foi a época que eu lia vários livros do autor, pegava emprestado na estante do meu pai quando ia na casa dele aos finais de semana. Parece ser uma boa leitura e fiquei curiosa para ler.

    ResponderExcluir
  5. Adoro nostalgia, ainda quando vem de um autor tão aclamado pela minha querida mãe. Estou bem curiosa para ler esse livro e descobrir como autor se saiu em um livro a quatro mãos. Ainda que seja uma trama despretensiosa eu quero ler, pois gosto de leitura fácil e rápida, então é dica anotada.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Ola Lilian!

    Quando era mais nova tive a oportunidade de ler muitos livros do Sheldon, mas atualmente acabei me afastando dele e nem sei o porque! Adorei conhecer essa obra e meio que reacendeu minha paixonite pelos livros do autor, bateu aquela nostalgia.

    Dica anotada

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Apesar do grande renome, acredita que até hoje não li nada do autor? Pois é! Não é um gênero que eu vá ler muito, porém pela sua resenha posso dar uma chance. Se cumpre o proposto é porque deve ser bacana! Ótimas palavras <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Acredita que nunca li nada do autor? Mas pela sua resenha deu para perceber que este não é um dos melhores livros do autor, o que é uma pena porque eu estava com expectativas altíssimas, mas vou diminui-las para ler. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma