Header Ads

Resenha - Ho´Oponopono e As Constelações Familiares para relacionamentos, amor e perdão




As práticas integrativas e complementares são métodos de cuidado a saúde que utilizam metodologias complementares à Biomedicina. Por um tempo, fora chamada de práticas alternativas e hoje, após muitos debates, são intituladas por Práticas Integrativas e Complementares por serem sistêmicas e enxergar o ser como integral.

Tais sistemas e recursos envolvem abordagens que buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde por meio de tecnologias eficazes e seguras, com ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade. Outros pontos compartilhados pelas diversas abordagens abrangidas nesse campo são a visão ampliada do processo saúde--doença e a promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado (BRASIL, 2015).

No Brasil, o SUS – Sistema Único de Saúde institucionalizou uma política reconhecendo 29 práticas, dentre elas, a Constelação Familiar que pode ser utilizada na Atenção Básica e primária de Saúde para cuidar da saúde emocional. Além disso, A Constelação Familiar é de baixo custo.

“As Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) contribuem para a ampliação das ofertas de cuidados em saúde, para a racionalização das ações de saúde, estimulando alternativas inovadoras e socialmente contributivas ao desenvolvimento sustentável de comunidades; motiva as ações referentes à participação social, incentivando o envolvimento responsável e continuado dos usuários, gestores e trabalhadores nas diferentes instâncias de efetivação das políticas de saúde, além de proporcionar maior resolutividade dos serviços de saúde” (BRASIL, 2015).


No livro Ho´Oponopono e As Constelações Familiares, Grupo Editorial Pensamento, o autor, Ulrich E. Duprée, revela aos leitores, por meio de exercícios e exemplos práticos a importância do Ho´Oponopono e da Constelação Familiar. Segundo o autor, numa linguagem simples, nós enfrentamos os desafios da vida “não isoladamente, mas no contexto de suas circunstâncias”. O Ministério da Saúde, em glossário temático

A Constelação Familiar é um método psicoterapêutico de abordagem sistêmica, energética e fenomenológica, que busca reconhecer a origem dos problemas e/ou alterações trazidas pelo usuário. Bem como o que está encoberto nas relações familiares para, por meio do conhecimento das formas que atuam no inconsciente familiar e das leis do relacionamento humano, encontrar a ordem o pertencimento e o equilíbrio, criando condições para que a pessoa reoriente o seu movimento em direção a cura e ao crescimento. (BRASIL, 2018)

Duprée contextualiza e simplifica esse conceito, explicando e exemplificando passo a passo como funciona na prática com percepções, efeitos e causas. Segundo ele, a Constelação sistêmica “é o termo usado para descrever o método que consiste em escolher pessoas dentre um grupo reunido, posicioná-las em um espaço e alinhá-las como representantes de membros ou partes de um sistema”, de modo a visualizar o sistema do inconsciente familiar de quem é constelado, assim, identificando as forças e prováveis razões de dificuldades, fazendo com que o constelado veja ‘de fora’ seu lugar na vida, assumindo o controle de sua própria existência.

A constelação pode liberar a energia bloqueada, como quando se entope um cano. Pode produzir intuições grandiosas e lhe dar a coragem que você precisa para resolver seus problemas. (DUPRÉE, p. 24)

A ação sinergética por meio da interação harmoniosa, resulta na otimização de um sistema, afetando direta ou indiretamente todos os envolvidos nesse ecossistema. A partir dessa harmonia, o autor afirma que é possível restabelecer uma ordem cósmica e madura nos relacionamentos. O Ho´Oponopono, nesse sentido, tem o mesmo objetivo da Constelação Familiar sistêmica, “curar os relacionamentos e ajudar as pessoas a desenvolver e despertar seu potencial”.

Ho´Oponopono é um dos conhecimentos da Kahuna, a antiga tradição xamânica do Havaí, e consiste num método de resolução de problemas pessoais e conflitos interpessoais. O objetivo (...) é curar os relacionamentos em muitos níveis: (1) com você mesmo, (2) com as outras pessoas, (3) com o ambiente (a natureza e (4) com a origem de todas as coisas.

Como dito anteriormente, o livro é detalhado e com alguns exercícios, mas não torna o leitor um terapeuta especializado no assunto, é importante procurar um profissional da área e construir sua Constelação. A forma como a obra foi escrita possibilita um conhecimento mais consciente, diria até celular, da temática, quase ensaiando uma experiência vivencial, isso porque estimula a sede pelo autoconhecimento.


Há alguns anos, recorri às Práticas Integrativas para problemas de ordem fisiológicos e emocionais. Todos os terapeutas que procurei, me receitaram o Ho´Oponopono. Infelizmente, ainda não fiz minha Constelação Familiar, entretanto, uma pessoa de meu ciclo pessoal o fez e é impressionante como reverbera em minha própria vida. Nosso relacionamento é mais suave, a experiência dessa pessoa resultou no entendimento do machismo de forma mais orgânica e menos teórica e a desconstrução deste, o machismo, é um resultado constante pautado no perdão ancestral.


Fonte:
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília, 2015

8 comentários:

  1. conheço as constelações mas o hooponopono eu conhecia como outro metodo e não interligado a sistêmica. curioso.. procurarei sobre.

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Não conhecia o livro, estou anotando a dica pois fiquei curiosa em aprender mais sobre Ho´Oponopono e as constelação familiar. Parabéns pela resenha, dica anotada, obrigado, bjs!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu fiquei interessada no Ho´Oponopono quando vi um lançamento da Sextante. Pelo visto esse é um tema e uma prática muito comum e que gera impacto positivo naqueles que praticam e ao redor.
    Ainda pretendo ler e já vou anotar essa dica para conhecer mais sobre a constelações e sua interligação com o Ho´Oponopono.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia essa obra, e não me interessei muito em fazer a leitura. Não sou chegada em livros de não ficção. Mas, adorei sua resenha, e confesso que achei interessante isso de constelação familiar.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Não tinha conhecimento desse livro ainda, mas parece ser uma obra que só tem a acrescentar na vida do leitor, então fiquei bem curiosa para ler. Adorei a dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei seu post escrita bem detalhada e direta, o livro tem uma temática bem diferente do que costumo ler, achei bem interessante o conteúdo abordado.

    ResponderExcluir
  7. Eu não conhecia o termo Práticas Integrativas ainda, mas ele faz muito mais sentido do que alternativas. Há alguns meses venho escutando muito falar sobre o Ho´Oponopono e achei bem interessante, gostei do livro, quero ler.

    ResponderExcluir
  8. Oiii

    Não conhecia o livro e nem nada sobre o assunto, achei interessante principalmente por ter alguns exercicios, bem interativo e pelo visto muito recomendado.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma