Poesias - R.S.Merces




20 fevereiro 2012


Eu não nasci...
O corpo repouso sobre a grama verde
implora à vida.
A janela do apartamento relembra
a fúria de quem mata.

A idade completa um círculo
sem raio e diâmetro.
Os poucos que a amam
esquecerão no escuro das memórias.

Tudo se esvai
e não existe mais nada
o que odiar.
A única lágrima sucinta
apaga-se da vida.

 


Se
Se o mundo não tivesse se apresentado a mim
Não teria amado;
Chorado;
Despertado.

Se o mundo não tivesse se apresentado a mim
Não saberia o caminhar;
Esperar;
Respirar.

Ser o mundo não tivesse se apresentado a mim
Não deixaria minha casa hoje cedo
e não morreria na esquina,
Decerto.



A moléstia

Enquanto a morte deita
à sombra,
O amor encara a besta
e sombra.

Na tarde fria em que
nossos corpos deitam
Só sobram as
sombras do leito.

A moléstia entranhada
em meu peito nos
separa no eterno limbo.


R.S.Merces

3 comentários:

  1. Sou uma apreciadora do teu blog Lilian , está maravilhoso!Parabéns.
    Falando dos poemas, gostei demais...Particularmente amo poesias!
    Novamente vocês estão de parabéns.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma