Resenha - Não conte a ninguém




29 março 2012

Título Original: Tell No One
Autor: Harlan Coben
Editora: Sextante
Ano: 2009
Páginas: 251

David Beck é surpreendido quando começa a receber mensagens secretas e a investigação da morte de sua esposa volta à tona. Há oito anos enquanto comemoravam o aniversário do primeiro beijo, eles sofreram um ataque que acabou com a morte de Elizabeth por um serial killer.

Agora a polícia investiga dois corpos que foram encontrados nas proximidades do local do crime, ressurgindo novas perguntas. Beck se torna o principal suspeito do assassinato da esposa e precisa correr contra o tempo para provar sua inocência.

Como muitos dos romances policiais esse não fica atrás com uma cadeia de acontecimentos que farão o leitor permanecer vidrado nas páginas.

Coben é conhecido na França como “o mestre das noites em claro”. Quem sou eu para discordar dos franceses. Ele consegue realmente prender o leitor até a última página em cima de uma narrativa de fácil compreensão. Todos somos surpreendidos, chegando a perder o fôlego.

Não conte a ninguém foi o livro mais aclamado de 2001, indicado para diversos prêmios, entre eles Edgar, Anthony, Macavity, Nero e Barry. Em 2006 foi adaptado para o cinema numa produção francesa vencedora de quatro Cesars (o Oscar francês), inclusive de melhor ator e diretor.

Avaliação final: 4 estrelas.

Sobre o autor:

Harlan Coben é autor de mais de 15 livros e vencedor de diversos prêmios — sendo o único escritor a ganhar o Shamus, o Anthony e o Edgar Allan Poe, a trinca de ases da literatura policial. Seus últimos lançamentos chegaram ao topo dos principais veículos de comunicação do mundo, como The New York Times, The London Times, entre outros.

R.S.Merces


Promoção:  

 Até 30/03/2012 o blog Poesia na Alma com parceria apresenta a promoção "Não conte a ninguém". Participe e ganhe esse livro:

Link da promoção

0 comentários:

Postar um comentário

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma