Resenha - Jardim de Espelhos




28 outubro 2015

Jardim de Espelhos, escrito por Veridiana Maenaka e publicado pela Giz Editorial em 2014, tem 348 páginas e é um romance histórico 100% nacional.
Se há uma coisa que as minhas amigas sabem, é que eu sou uma grande entusiasta de romances históricos, talvez por isso que a Lilie tenha me convidado para resenha-lo e digo desde já que adorei a oportunidade.

Mesmo, até hoje, tendo lido muitos romances de época, salvo “Sinhá Moça” lido por mim há eras, não me recordo de ter lido nenhum outro que se passasse no Brasil, e o fato de Jardim de Espelhos ser ambientado aqui me aumentou ainda mais o interesse. Não canso de dizer o quanto me incomoda quando os autores nacionais preferem ambientar as suas histórias fora do Brasil e dar outra nacionalidade aos seus livros, salvo quando há uma grande razão para tanto, fora isso valorizemos o que é nosso!
O Livro chegou às minhas mãos já tem algum tempo, e devido a uma já passada ressaca literária demorei um pouco até pega-lo para a leitura, hoje após tê-lo lido, me arrependo de ter demorado tanto, mas, pensando bem, acredito que essa história chegou até mim no momento certo, pois estou numa fase que só consigo ler até o fim livros muito bons e Jardim de Espelhos é um desses.

A Narrativa começa nos mostrando a história da protagonista Cristina.
Digamos que ela não nasceu com a maior sorte do mundo. Filha de uma relação de dois jovens de família nobre fora do casamento, Cristina nasceu às escondidas numa cidade do interior, logo após o parto sua avó a entregou aos cuidados de Matilde, a empregada que às serviu durante a gravidez de sua filha, juntamente com uma boa quantia e uma carta de recomendação, para que ela pudesse conseguir um bom emprego em outra cidade.
Sendo assim, a empregada parte com a bebê e o marido vagabundo e se instala em Taubaté, onde consegue uma colocação como auxiliar de cozinha na casa de uma família influente da região. Matilde não tem nenhum instinto materno e acaba sempre tratando a menina muito friamente, e, sendo assim, o que ela recebe mais próximo de um carinho materno é a amizade de Dona Clarice a dona da casa, que também tem dois filhos: Guilherme o mais velho e André só alguns meses mais novo que Cristina.
Clarice não só permite, como incentiva que Cristina seja educada junto com seus filhos, o que acaba fazendo com que ela e André criem muitos laços, e acabem nutrindo uma grande paixão ao longo dos anos, apesar da diferença social. E é essa paixão que acaba colocando Cristina em desgraça após alguns anos. Onde após ver seus ideais de amor eterno serem frustrados, ela parte para São Paulo, onde após algumas desventuras recebe a ajuda de Olivia Durão e torna-se uma cortesã de Luxo.
Tempos depois ela reencontra André e esse encontro é capaz de reacender a chama da paixão infantil, assim como alimentar a obsessão de voltar a Fazenda Redenção, local onde foi criada, como parte da família. Porém, Cristina não é mais a mesma menina que um dia saiu de lá. Ela esconde muitos segredos em seu coração, e entre eles: Eduardo Marques, um misterioso e detestável jovem por quem ela nutre uma grande aversão, assim como uma atração maior ainda, desde o primeiro encontro.



Eu sinceramente peguei-me completamente apaixonada pela escrita da Veridiana Maenaka, por diversos motivos. Desde a construção dos personagens, que completamente humanizados fogem aos estereótipos clichés de mocinhos e mocinhas perfeitos, sem nenhum defeito e com pouca personalidade. Muito pelo contrário, os personagens de Jardim de Espelhos são complexamente estruturados e profundos, de modo que eu poderia passar horas aqui relatando para vocês como são um por um, mas prefiro me ater aos que mais me instigaram.
Cristina é uma protagonista bem diferente de todas que possamos imaginar, se há uma característica marcante nela desde o princípio do livro é a ambição, assim como a sua força e garra. Ela não se conforma em viver às margens da sociedade e não mede consequências para alcançar o lugar que ela acredita que merece. Não é submissa e não abaixa a cabeça diante de humilhações, defendendo-se sempre com unhas e dentes. Mesmo sendo ambiciosa, isso não a torna má, pelo contrário, ela é uma jovem generosa e de bom coração, que apanhou muito da vida e aprendeu a se proteger à sua maneira, e que mesmo assim, ainda fica à mercê da sua personalidade amorosa inúmeras vezes. Enquanto André, que no início do livro aparenta ser o dito príncipe encantado, ao longo da história vai perdendo as suas máscaras e mostra que é só mais um playboy de família rica, entusiasta de tudo o que é novidade. Vive falando de amor, mas nem de perto sabe o que é realmente amar. Um dos meus personagens favoritos na trama foi Eduardo, mas não vou discorrer muito sobre ele, pois ele é um dos personagens mais misteriosos na história e eu não quero roubar a vocês o prazer de descobri-lo pessoalmente. Só digo que ele mescla doçura e sacanagem numa medida adorável, é impossível não envolver-se com ele.
Outra razão pra eu ter me encantado com a trama da Veridiana foi a maneira que ela elaborou o enredo, onde nós assistimos ao degringolar de uma história de amor adulta, sem diálogos excessivamente românticos e/ou melosos, mas, sim, uma história onde os personagens vão amadurecendo à cada capítulo e ainda conferimos uma crítica social ao machismo da época que levou tantas garotas a prostituição, apenas por terem feito sexo antes do casamento, assim como levou tantas outras a entregarem seus bebês a desconhecidos, obrigadas pelos próprios pais em nome da honra da família, enquanto os homens saiam ilesos e sem nenhuma responsabilidade.
Em suma, Jardim de Espelhos é um livro que além de lindo é questionador.
Ele nos leva a refletir sobre as diferenças sociais históricas que até hoje se refletem em nosso contexto social e muitas vezes ainda são reproduzidas e ainda nos presenteia com uma bela história de vida, recheada de romance, emoção e sensualidade, onde uma mulher amadurece e pode conhecer pouco a pouco várias faces daquilo que é o amor.

A Escrita da autora é sublime. A Coesão e a coerência da narrativa são notáveis, correspondendo perfeitamente a época em que a história se desenrola, mas sem se mostrar enfadonha ou complexa em demasia. As cenas eróticas são sensuais na medida certa, de modo a acrescentar sensualidade na leitura, sem torna-la vulgar.  A edição do livro está maravilhosa, diagramação e capas lindíssimas, também não notei erros na revisão.

Recomendo a leitura à todos maiores de 15 anos pelo menos, devido às cenas eróticas, preparem-se para se apaixonar, pois eu fiquei extasiada, classifiquei como 5 estrelas e a autora ganhou, em mim, mais uma fã. Espero ter o prazer de ler outras obras dela.
Quando a gente gosta muito de um livro por mais que a gente fale sobre ele, nunca é o suficiente, apesar da resenha ter dado um belo textão, e essa é a maior prova de quanto o livro é bom, eu me reprimi bastante pra não dar spoiler. Espero que tenham gostado, deixem suas opiniões nos comentários, será um prazer lê-las. 
Beijos de Luz


9 comentários:

  1. Oie, primeiro quero falar que adorei a capa do livro.
    Assim como você, acho que os autores poderiam explorar mais o Brasil em suas histórias. Gostei de saber que um autor nacional escreveu um romance de época no Brasil ♥
    Gostei da sua resenha, certamente eu leria o livro, gosto de livros que existem protagonistas determinadas, com atitude. Se for em uma época passada é mais legal ainda.
    Parabéns pela resenha!


    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  2. Gosto bastante de romances de época e o Brasil tem uma ótima demanda de livros desse gênero, já que gosta seria lgl uma pesquisa *--*

    Adorei a resenha e é ótimo quando um livro nos encanta <3

    ResponderExcluir
  3. Gosto sempre de ler livros nacionais, embora eu não curta o gênero, vez ou outra dou umas chances e acabo me cedendo para ler, ainda não tive uma certa oportunidade para romances de Época. Possivelmente eu daria uma chance e o leria.
    Parabéns por sua resenha!

    Abraços.
    Frases, Trechos e Pensamentos

    ResponderExcluir
  4. Oi Kris, eu amei esse livro, Sua resenha me cativou a ir atrás dele, primeiro porque eu nunca li nenhum romance histórico e acho que seria interessante começar por esse, e segundo porque parece ter um romance intenso bem do jeitinho que eu gosto. Amei!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa fiquei boquiaberta com a história e o que você achou do livro.
    Parece ser uma leitura muito boa, gosto tanto dele se passar no Brasil como o fato dele trazer críticas ao machismo da época.
    Fiquei muito interessada em ler.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?

    Menina, faz tempo que não leio um romance de época, mas estou com bastante vontade de fazê-lo, e a sua resenha me deixou bastante curiosa, um romance de época com temáticas que de certo modo, em um outro âmbito - claro - mas ainda reflete nos dias de hoje. Entrou para a minha listinha de desejados, definitivamente!

    Beijo!
    Ana.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Gostei bastante da premissa do livro, achei a história interessante e faz bem o tipo de livro que gosto de ler!
    Fiquei bem curiosa para conhecer a Cristina! Adorei o fato de ela não se conforma com as coisas do jeito que são e de não abaixar a cabeça para o machismo da época.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  8. Gente, adorei cada palavra sua nessa resenha.
    Também admiro livros que se passam em solo brasileiro. A não ser quando o livro se trata de uma fantasia - meu gênero preferido - onde o autor cria seu próprio mundo, acho legal inserir um pouco de nossa cultura na criação. Fiquei ansiosa e curiosa para conhecer a história de Cristina. Parece ser uma leitura tocante muito interessante, enfim, uma ótima experiência. Espero poder ter a oportunidade de conhecer a obra em breve.

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir
  9. Oi! Tudo bem?

    Não sou fã de romances históricos, mas esse me chamou a atenção por ser 100% nacional. Gostei da forma como você desenvolveu a sua resenha, deixando até mesmo eu, uma leitora cética quanto a esse gênero, com muita vontade de lê-lo! Não curto muito cenas eróticas, mas tenho em mente que faz parte do conjunto da obra. rsrs

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma