Resenha - Primeiro e único




25 outubro 2015


Shea é uma mulher de 33 anos que vive numa cidade do Texas, é apaixonada por futebol americano e se encontra no velório da mãe de sua melhor amiga, Lucy. O viúvo é o treinador do time preferido de Shea e eles tem uma relação afetiva muito próxima, e procura dar apoio ao treinador nesse momento tão triste de sua vida, a perda da esposa para o câncer...


Shea namora um jogador que não tem muito a ver com ela, e não o ama. Tem um emprego bom, mas almeja algo que a faça sair da zona de conforto e mesmice em que se encontra, ela percebe que sua vida não tem emoção alguma, mas logo isso vai mudar... Apoiada pelo treinador Carr, ela logo consegue trabalho como jornalista esportiva num jornal famoso. Termina o namoro com Miller e logo se vê envolvida com o grande quarterback Ryan James, mas parece que o mar de rosas que esse relacionamento aparenta ser não é desprovido de alguns espinhos...

Ao longo da história, Shea vai conhecendo verdadeiramente as pessoas ao seu redor, e em determinado momento, ela precisa tomar certas atitudes que vão transformar a vida de muitas pessoas: a de sua família, amigos e principalmente a sua...

Bem, Primeiro e único é de autoria de Emily Giffin, e publicado pela Editora Novo Conceito. Tentei me desvencilhar do 'pré-conceito com relação à capa do livro, que não me trouxe atrativo algum, pra me focar na história. Mas a leitura não me agradou de forma alguma... Repleto de referências ao futebol americano, me senti confusa em vários trechos, quando os personagens interagiam e discorriam sobre o assunto. O futebol americano está impregnado em todo o livro, ao longo de suas 448 páginas, e em momento algum me senti cativada por Shea, Lucy, o treinador Clive ou qualquer outro personagem...

Outro ponto bem desfavorável em minha leitura foi a construção de arquétipos de como uma mulher deveria agir, pois Shea não deveria bancar a 'periguete' no primeiro encontro com Ryan, dar uma de difícil e afins, sugerindo que a mulher deva adotar certa postura 'reservada' para ser considerada uma namorada ideal ou coisa do tipo... Outro fator que notei na escrita de Giffin é de mulheres submissas e extremamente devotadas a seus parceiros, e isso está visível ao longo da leitura...

Logo um relacionamento proibido acontece, abalando a convivência de Shea com os demais personagens. E assim, a história se direciona rumo ao óbvio, trazendo um final tão clichê que me deu náuseas. Acredito que a autora poderia ter trabalhado melhor a obra sem se alongar com tantas descrições desnecessárias e que só pessoas familiarizadas com esses termos saberia identificar...


Sinto que minha [curta] relação com a autora chegou ao fim, pois não me sinto animada a encarar outro volume seu, depois de duas frustrações seguidas...


13 comentários:

  1. Olá, poxa 2 frustrações com a autora é dose hein! eu já tinha visto a sinopse desse livro no skoob e tinha me interessado bastante por ele, mas nunca parei para ler nenhuma resenha, a sua foi a primeira. Apser de a capa não ser muito convidativa pela sinopse eu esperava que fosse gostar dele, mas ao termnar de ler a sua resenha eu tenho minhas dúvidas, pelos comentários que você fez parece mesmo que teria uma decepção mas algumas coisas ainda me despertam o interesse, o enredo parece ser bom.

    ResponderExcluir
  2. Senti o mesmo que vc. Leitura bem sofrível.

    ResponderExcluir
  3. Oieee.
    Sabe, assim como você não gostei da capa do livro, é feia, e de fato eu quase não li, por causa da capa.
    Não tive uma simpatia pela história, achei ela um tanto quanto machista.
    Tente ler outros livros da autora. se me permite vou deixar uma dica Laços Inseparáveis, o único livro que gosto dela.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  4. Oi, flor.
    Acho que é muito triste quando lemos dois livros de um autor e ambos não nos agradam. Que pena. E justo uma autora avaliada positivamente por vários leitores. Enfim, li muitas resenhas negativas sobre esse livro. A sua é mais uma delas. Acho que pude entender melhor as fragilidades da história. Não me sinto animada para lê-la. :/

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Valéria, eu nunca li nada da autora e tenho até curiosidade, mas tenho certeza que não leria esse livro.
    Assim como para você nada nele me chama atenção.
    Prefiro evitá-lo.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  6. Olá, que pena que o livro não te agradou, eu li e gostei bastante dele, quem sabe você goste de outras obras da autora? Ei li Presentes da Vida e gostei muito, quem sabe outro livro funcione com você.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    É dificil encontrar alguém que não ame a Emily, e nós fazemos parte desse grupo de pessoas, haha. Eu ainda não li nada dela, e apesar dos ótimos comentários que vejo, sei que não irei gostar tanto assim de seus livros, afinal de contas, não faz meu estilo.

    Beijos
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oie, ainda não li nenhum livro da autora e confessos, não sinto nem interesse. E ao ler a sua resenha e ver sobre os estereótipos que ela aborda me deu menos vontade ainda. Enfim, parabéns pela resenha desse livro eu fico longe.

    Beijos, Mihh e o Mundo Literário

    ResponderExcluir
  9. Eu também acho feiíssima essa capa. Esse livro foi resenha lá no blog, pela Amanda, e ela gostou. Acho que é um livro para pessoas mais conservadores, pelo o que você citou na escrita. Não funcionaria para mim também. Odeio regras de primeiro encontro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu sou tão chata pra leitura que nem passaria perto dessa, nada contra quem gosta, mas não faz o meu estilo, ainda mais com tantos pontos que me deixam brava em livros.
    Não li nada da autora, mas acredito que não vá pegar nada dela tão cedo.
    Obrigada por alertar sobre o livro, menos uma leitura chata no ano.
    http://k-secretmagic.blogspot.com.br/
    Xoxo

    ResponderExcluir
  11. Olá Maria, eu li outro livro da autora e senti muitos dos pontos negativos que você citou nele também, o final dele foi tão obvio que nos primeiros capítulos já me peguei empurrando a leitura...

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  12. Oii, tudo bem?
    Não tenho vontade de ler esse livro, já li tantas resenhas dele e muitas negativas, não gostei em nada do enredo, então passo longe.

    Beijos

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

Fanpage

Seguidores

Compre aqui

Compre aqui
Livro Mulheres que não sabem chorar

Link Me

Curta também:

Parcerias

De olho

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Google+ Followers

Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, homossexualidade, violência sexual e alcoolismo. A escritora mantém um blog literário e está sempre bem informada sobre questões sociais que acontecem em nosso país. É defensora da tese de que todos são diferentes e merecem ser tratados com equidade. Ela adora escrever sobre temas que incomodam e diz não ter medo do preconceito. Trabalha no movimento social e acredita que a educação é capaz de trazer mudanças significativas ao país.

Siga-nos por e-mail

Copyright © 2015 • Poesia na alma