Resenha - Toda Poesia de Augusto dos Anjos




06 maio 2016



Augusto dos anjos, com estudo crítico de Ferreira Gullar

Quando recebi Toda a Poesia de Augusto dos Anjos, 320 páginas, pela parceria com o Grupo Editorial Record, tive duas emoções distintas.
A primeira, a alegria de ter em mãos a antologia de Augusto dos Anjos, um de meus autores favoritos. A segunda, o pavor de resenhar tamanha grandiosidade, tarefa para a qual eu certamente não estou qualificada.
Pensei em jogar aqui uma poesia qualquer do livro, e deixá-los compreender por vocês mesmos o nível de coisa com a qual se está lidando.
Achei indigno.
Augusto dos Anjos é visceral, pungente e magistral. Além do que posso descrever, muito além da minha pouca habilidade gramatical e ainda mais rasa semântica.
Mas eu sou muito boa em sentir. Sinto com a empatia de um mutante que ao tocar alguém lhe sente as dores.
E Augusto é a pura dor da existência, de ser, de ter de estar, de permanecer. E se há poesia em algum lugar, este lugar é a dor.
As dores da alma que afligiam Augusto dos Anjos lhe iluminam a poesia. A melancolia e descrença na humanidade pontuam sua poesia.
Tendo publicado em vida apenas o livro “Eu”, incompreendido e sem reconhecimento durante a vida, hoje é um dos expoentes de nossa poesia, e a antologia apresenta muitos textos nunca publicados do poeta.
A nova edição é belíssima, mas como sempre aponto, acho que merecia uma capa dura. É daquelas obras que vai sem dúvida andar para cima e para baixo com o dono, entrar e sair da estante, e merecia proteção mais reforçada.
No mais, deixo aqui um dos poemas de Augusto dos Anjos, considerado por quem entende, pertencente à sua fase mais forte e bem desenvolvida.

PSICOLOGIA DE UM VENCIDO

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
 Sofro, desde a epigênese da infância,
 A influência má dos signos do zodíaco.
 Profundissimamente hipocondríaco,
 Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.
 Já o verme — este operário das ruínas —
 Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,
Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!






13 comentários:

  1. Olá,

    Eu não conhecia o autor e não sou muito ligada a poesia, apesar de estar querendo mudar isso. Fiquei muito interessada no livro, parece ser tão lindo e tocante. Estou querendo investir em poesias e acho que esse vai ser o primeiro livro que vou adquirir. E sua resenha ficou excelente, eu não sei se conseguiria escrever uma palavra se fosse o meu caso haha. Fico feliz que sua leitura tenha sido proveitosa.

    Abraços
    colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Eu não sou uma pessoa ligada a poesia e nem conhecia o autor, mas achei bem interessante o livro e ele seria ideal para presentar um amigo que adora.

    ResponderExcluir
  3. Oii!
    Não conhecia o autor, porque na verdade não gosto muito de poesia. Mas só por essa poesia podemos ver o quão lindo deve ser o livro!

    Vitória, www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, eu já li alguma coisa do autor, embora não me recorde exatamente o que, interessante a obra para quem quer conhecer melhor os escritos de um autor tão marcante para a literatura.

    ResponderExcluir
  5. Oi Amanda
    Sua resenha ficou otima.
    Eu nunca li nada de Augusto dos Anjos, mas pelo que vi é realmente muito bom. Eu não sou tão boa com as palavras hehe mas espero quem sabe compreender um pouco dos sentimentos que ele nos passa. Vou procurar ler.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu não sou muito leitora de poesia, mas tenho amigos que gostam e que iriam se apaixonar por essa leitura.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie
    minha amiag está muito nessa vibe de ler poesia e ela iria amar a obra, então vou indicar o livro e a resenha, espero que ela curta

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá Amanda gosto muito de poesia e não conheço ainda esse autor, mas a poesia que li gostei bastante. Dica anotada.bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá, gosto de poesias, mas ainda não conhecia essa obra. Fiquei curiosa pela leitura e já anotei a dica!

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu nunca li nada de Augusto dos Anjos, pois tenho que confessar que não sou muito apreciadora de poesias. Admiro que gosta e bato palmas, mas, infelizmente não tenho a sensibilidade pra encontrar poesia na poesia... se é que me entende. Feliz que tenha gostado e mais ainda que tenha transmitido essa emoção para seu público.
    Parabéns
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  11. Oiii
    Que livro lindo! Não sou o muito fã de poesia, mas deve ser um ótimo livro para quem hosta.Assim como você
    Bjus

    ResponderExcluir
  12. Olá! Que lindeza de poesia você escolheu! Adoro poesias dessa forma, tão fortes, dramáticas e viscerais... Vou me arriscar a ler algo desse autor clássico, que sempre adio devido ao medo de sua complexidade.
    Valeu a sugestão!
    Beijos!

    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi Amanda, tudo bem?
    Recentemente eu estava estudando Augusto dos Anjos e achei ela um autor bem interessante, mas como não leio poemas, deixo a dica passar.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma