Al Capone, de Eduardo Galeano




20 janeiro 2017



1929
   Chicago  

Al Capone

Dez mil estudantes gritam o nome de Al Capone, no campo de esportes da Northwestern University. O popular Capone cumprimenta a multidão com as duas mãos. Doze guarda-costas o escoltam. Na saída, o espera um Cadillac blindado. Capone exibe uma rosa na lapela e um diamante na gravata, mas debaixo leva um colete de aço e seu coração bate contra uma pistola 45.
Ele é um ídolo. Ninguém dá tanto lucro às funerárias, às floriculturas e às costureiras que fazem cerzidos invisíveis na roupa esburacada a tiros; e paga generosos salários aos policiais, juízes, legisladores e prefeitos que trabalham para ele. Exemplar pai de família, Capone detesta a saia curta e a maquiagem, e acredita que lugar da mulher é na cozinha. Patriota fervoroso, sobre sua escrivaninha ostenta retratos de George Washington e Abraham Lincoln. Profissional de grande prestígio, não há quem ofereça melhor serviço para romper greves, espancar operários e enviar rebeldes ao outro mundo. Ele está sempre alerta contra a ameaça vermelha.

(Galeano, Eduardo, 1940 – Memória do fogo 3: O século do vento / Eduardo Galeano; tradução Eric Nepomuceno. – Porto Alegre – L&PM, 1998. p.378. pág. 118 e 119)

45 comentários:

  1. Galeano sempre certeiro!
    Acho curioso, para dizer o mínimo, como figuras como Al Capone podem ser admirados. E existem tantos como ele hoje em dia, né?! Que pregam virtudes e cometem atrocidades.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  2. Olá .
    Hoje dia ainda tem muitas pessoas que fazem estas atrocidades do que os Al capone fazia .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior, não falta quem admire pessoas como ele e se digam seguidores.

      Excluir
    2. Olá ^^
      Acho interessante essa escrita, essa maneira de descrever um mafioso. Não gosto da maneira deles de pensar, mas acho interessante sangue estampado em filmes e livros, é uma realidade alternativa. Na vida real, abomino assassinatos, mas no mundo fictício é compreensível para mim desde que tenha todo uma justificativa elaborada pq na vida real ninguém é assassinato a toa (exceto em assaltos malsucedidos).
      Mafiosos existem para proteger os seus territórios, é interessante analisarmos eles pq na vida real tal atos acontecem e até na criação dos países houve.
      Gostei do texto. ^^
      Bjs

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olá! No primeiro paragrafo texto até parece ser um ídolo do Rock. Mas depois vemos do que realmente se trata. Infelizmene tem muita gente que adora pessoas como Al Capone. Beijos'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Dayane, na íntegra, o texto não é sobre Al Capone, mas, sim, o fenômeno e as pessoas que se denominam fãs, seguidores, numa baita histeria coletiva. Trazendo para nosso contexto, é o mesmo dos doentes seguidores de Bolsonaro, joão Dória, Rede Globo, etc.
      Obrigada pelo comentário ^^

      Excluir
  5. Não me lembro direito, mas acho que O poderoso Chefão é baseado na história de Al Capone... Nunca li nada a respeito dele em específico, porém já ouvi falar a respeito e, pelo que percebi, ele foi uma figura bem execrável... Fiquei curiosa com o livro, dica anotada!

    ResponderExcluir
  6. Caramba, que texto forte, é tão marcante que nos deixa até sem palavras. Só consigo refletir!

    www.memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Lilian, que trecho marcante do livro você compartilhou conosco, eu fiquei com a música do Raul ecoando na minha cabeça...
    E muita vontade de fazer a leitura.
    Beijoos

    ResponderExcluir
  8. Al Capone é sem dúvida uma temática que me fascina! O texto está muito bem explicito 😉

    ResponderExcluir
  9. Texto interessante.
    Visão interessante.

    Ana
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. impossível não lembrar do 'povo de bem' que exalta figuras como bolsomerda na figura de Capone... crítica excelente,como Galeano sabia bem fazer...

    ResponderExcluir
  11. É impressionante como tem pessoas que são idolatradas, mesmo sendo figuras repugnantes... Deve ser interessante saber mais sobre ele.

    ResponderExcluir
  12. Acho que foi um dos textos mais interessantes que li essa semana! E triste saber que figuras assim ainda são, atualmente, idolatradas por muitas pessoas :(

    blog da carla vieira

    ResponderExcluir
  13. Oi Lilian, acredita que no início eu pensei que seria algum homônimo do Capone? Depois que fui ver que era o "original" mesmo. Engraçado com uma figura sinistra como ele consegue ainda ser admirada pelas atrocidades que comete...
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Argh, que horror.
    Confesso que não sei muito sobre Al Capone mas só de ler esse trecho já tenho certeza que não gosto dele.
    O pior é que com certeza existe gente que admira, assim como há tantas outras escórias sendo admiradas por aí...

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  15. Nunca li nada sobre All capone, mas não tem como não conhece-lo certo? É uma boa reflexão sobre o fanatismo exagerado principalmente nos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bem?
    Pior que tem vários al capones no mundo atual e várias pessoas que aplaudem seus comportamentos ridículos, fala sério :(
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  17. Oiee Lilian ^^
    Logo a Netflix acaba fazendo uma série sobre a vida do Al Capone também, se ainda não fez...haha' fizeram do Pablo Escobar e do El Chapo, então nunca se sabe, né? Eu fico assustada quando vejo pessoas idolatrando esse tipo de gente (já não bastando as loucuras que um certo novo presidente já começou a fazer, e os igualmente loucos que o apoiam).
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  18. Olá!!

    Eu não conhecia o texto e fiquei assustada, li nos comentários que é um trecho que fala sobre fanatismo e tipo, vivemos isso hoje... Chega a ser engraçado a forma como o ser humano consegue admirar e se inspirar em pessoas ruins...

    Gostei!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem?
    Não consigo entender como alguém consegue admira-lo, fala sério!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. sob o risco de ser apedrejada mas falo: adorei o texto. Galeano arrasou! eu particularmente amo histórias assim, estilo Victor Corleone ( The Godfather). quando assisto, não paro para pensar nas coisas horríveis que eles fizeram e nem olho a vida deles da perspectiva dos outros; eu paro para conhecer a visão deles. e acho fascinante a forma que o escritor conseguiu fazer isso nos chamando atenção. gostei bastante.

    ResponderExcluir
  21. Oi, Lilian!

    Engraçado como funciona o ser humano, né? Tanto nos livros quanto nos filmes, é curioso como, muitas vezes, os bandidos da história têm uma noção maior de honra, lealdade e família, do que as outras pessoas que se dizem de bem, né?
    E mais curioso ainda é que esse tipo de pessoa inspira muito mais do que pacificadores e afins.

    Adorei o trecho!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Se só uma parte do livro já impressiona, imagina o restante do seu conteúdo, quando comecei a ler, pareceu se tratar de outro que talvez tivesse o mesmo nome, mas não se tratava do único.
    Eu anotei o nome do livro, parece ser forte, mas acho que vale a pena.

    Beijos

    Viviana <3

    ResponderExcluir
  23. Olá, Lilian!

    Seu blog é um cantinho a parte, sempre trazendo coisas diferentes para incentivar a reflexão e o dialogo.
    Sobre o texto acima não tenho muito a dizer, me senti um pouco perdida, esse tipo de leitura deve ser apreciada e não lido as presas.

    By Patty (Viagens de Papel)

    ResponderExcluir
  24. Olá,
    Texto bem marcante e nos mostra um pouco sobre o tirano.
    É difícil acreditar que muitos idolatram pessoas assim!!!

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Oi, interessante o post, e o quanto as pessoas deixam-se levar pelo outro, mas também há o fator argumentativo aí, por exemplo, hitler. Acho que ele é um grande exemplo do quanto o discurso aliena.

    http;//porredelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Ahhhh que amorzinho de postagem, fiquei apaixonada mesmo e estou feliz de poder ficar acompanhando esses textos sempre por aqui, este é um texto realmente envolvente, curto e forte.
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  27. Olá! Infelizmente muita gente ainda pensa como Al Capone até hoje, em 2017! Aff! E fico impressionada em como essas pessoas conseguiam/conseguem essa multidão de fãs. O jeito é continuarmos lutando contra esse tipo de comportamento né? Fazer o que?
    Beijos!
    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. É interessante perceber que, após anos e anos, muda-se apenas a figura, pois o povo continua a idolatrar vários e vários "Al Capones" por ai...

    http://vicioseliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. É uma ficção ou uma biografia livre baseada na história do Capone? Não entendi o trecho.

    ResponderExcluir
  30. OOi, Lilian!
    Ou minha memória está péssima, ou nunca ui mesmo sobre o Al Capone. Parece até que está falando de certos políticos de hoje em dia. Sabe de quem estou falando, não é?? Que assim como ele, possui vários fãs, que o acham o cara - ou o MITO.

    ResponderExcluir
  31. Isso me assusta. Nós sabemos que tipo de atrocidade esses fãs podem fazer por apoiar e seguir as ideias de uma pessoa como Al Campone...

    Beijos e até logo! ;)

    ResponderExcluir
  32. Olá!

    Que medo! Mas ele não é muito diferente de algumas personalidades que vemos hoje, com os mesmos pensamentos... Não é meu tipo de leitura, mas pretendo dar uma pesquisada sobre ele.

    ResponderExcluir
  33. Olá Lilian, tudo bem?

    Boardwalk Empire é uma boa série para conhecer o mundo da máfia, o início da mesma nos EUA, além do mais mostra Capone novinho ele de fato era temido e violento, por outro tinha esses conceitos sobre e família, sobre a mulher, talvez algo considerado normal para os padrões e sociedade da sua época, esses valores sobre a família!

    Seria leviano da minha parte o quão certo ou errado estava Al Capone, Escobar e qualquer outra figura histórica, acho que deve analisar de forma profunda atos e condutas, o quanto fez em prol ou não para o meio em que habitava, é claro que uma coisa não excluí a outra, mas talvez seja através dos prós feitos para populações carentes, que Escobar foi em parte amado. É muito complicado, não defendo as atrocidades de Hitler, mas após subir ao poder por meio de golpes e ameaças, ele por exemplo resgatou parte do orgulho do alemão, assim como Napoleão o fez para os franceses e quem diz ou mostra isso não sou eu, mas a história!
    Bjuss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi?
      Imagina se eu não tivesse estudado história, hein...

      Excluir
  34. Olá, adorei o texto, certamente Al Capone, embora do outro lado da lei, fora um ícone do seu tempo. Abraços

    ResponderExcluir
  35. O que não falta hoje em dia é idolatria a pessoas que não deveriam ser cultuadas, né? Al Capone é só um exemplo dos muitos que existem por aí, infelizmente. Espero que um dia as pessoas abram os olhos.
    Gostei do texto, beijos!!

    ResponderExcluir
  36. Oi, tudo bem?
    Quando vejo algo de Al Capone já lembro logo da música do Raul.
    Gostei deste trecho que você compartilhou.
    Bjs

    ResponderExcluir
  37. Que loucura era a vida desse homem né. Sei pouco sobre ele, mas tenho vontade de conhecer mais a história do maior gangster que já existiu!
    Bjus

    ResponderExcluir
  38. Olá, tudo bem? Confesso que sou bem relapsa com tudo que o Al Capone fez, mas seu nome não me é estranho. Gostei do texto!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  39. Gostei muito do texto, mostra claramente como algumas pessoas são cegas a quem segue e idolatra,isso aconteceu antes e continua até hoje, vemos pessoas grandes praticando atrocidades e pessoas apoiando cegamente

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma