Header Ads

Resenha – O Resgate do lado Sombrio do Feminino Universal





O Livro de Lilith – O Resgate do lado Sombrio do Feminino Universal, de Barbara Black Koltuv, Editora Cultrix, traz um modelo de transgressão feminina relegado à sombra por anos e pensado pelo viés machista e judaico-cristão. As origens de Lilith ficaram obscurecidas na história e no entendimento popular, compreender sua história é também dar passos para compreender a sociedade.

Este livro, uma antologia psicológica, é uma tentativa de contar sua história, de evocar sua presença na consciência e de investigar seu significado na psique moderna.

Há várias histórias em que o ônus da culpa é impelido a mulher, a exemplo de Eva, responsável pelo pecado original, no caso de Lilith, responsável pelo sofrimento do homem ‘enquanto sexo oposto’. A questão é: quem nos conta essas ‘verdades’ e como essa 'verdade' pode marginalizar e matar a mulher?

As mulheres também vivenciam sua sexualidade Lilith como vivificante, estimulante e natural. Esse é o tipo de sexualidade que elas sentem alguns dias antes da menstruarão, quando os hormônios femininos cessaram seu fluxo e os hormônios masculinos encontram-se no auge de sua intensidade. É um estado de ser pulsante, vibrante, primitivo e indescritível.

Lilith é a força da lua em equilíbrio com o sol, representação de Deus. É um ser que traz toda potência sexual seguindo o ciclo das quatro fases da lua. Em cada fase, ela tem uma etapa da sexualidade a ser vivenciada e explorada. Entretanto, o machismo judaico-cristão serve como ferramenta, ou arma, para um Deus uno, um Deus que se mantém sozinho no trono. Isso, por sua vez, causa o exílio da Deusa para sombra colocando todo o arquétipo animas da humanidade também na marginalidade.

As forças da sexualidade, do nascimento, da vida e da morte, do mágico ciclo da vida eram, originalmente, governadas pela Deusa. Com o advento do patriarcado, o poder de vida e morte tornou-se uma prerrogativa do Deus masculino, enquanto a sexualidade e a mágica foram separadas da procriação e da maternidade. Neste sentido, Deus é Uno, ao passo que a Deusa tornou-se duas.

A ausência de Lilith acomete a humanidade a doenças relacionais, causando conflitos e repressão com a sexualidade, dificultando a criatividade e liberdade de expressão. Gerando, dessa forma, um desejo de destruição das pessoas livres que ainda mantêm sua Lilith viva, atuante e poderosa.

A princípio, Adão se relacionava sexualmente com Lilith e com os animais e tinha uma sexualidade natural e instintiva, mas essa inconsciente urobórica era uma afronta a Deus, que fez com que Adão sacrificasse seus instintos e perdesse o contato com a anima Lilith e seus modos lunares.



O homem, que é a imagem e semelhança de Deus, é sacrificado pelo próprio Deus (ego) afastando-o da divindade (numinoso). Rompendo com os instintos e se desvinculando da Natureza. Abandonando sua Lilith, o homem, numa tentativa desesperada de se manter no divino e tendo seus instintos tolhidos, se põe diante da natureza como ser superior, visto que a natureza força a volta aos seus instintos.

Toda a mitologia a respeito de Lilith é repleta de imagens de humilhação, diminuição, fuga e desolação, sucedidas por uma profunda raiva e vingança, na pele de uma mulher sedutora e assassina de crianças.

Essa mitologia deturpada e humilhante, sempre alimentada por homens, é desconstruída por Barbara Black que traz a importância de a mulher moderna voltar a se relacionar com a Lilith,  nos lembrando que não somos escravas. As qualidades da Deusa Lilith é a consciência lunar (jovem, mulher e a velha); o domínio do próprio corpo e sexualidade; o conhecimento profético interior e a integração com o todo. Imagine quando sua Lilith e sua Eva unirem-se em casamento... “Desse modo, é impossível conhecer a mulher ou ser uma mulher sem o encontro de Lilith com Eva.”

22 comentários:

  1. Essa imagem de Lilith é do John Collier, 1892, quando começaram a romantiza a imagem de Lilith na Europa. Ela é a representação da rebeldia.

    ResponderExcluir
  2. Sempre me interessei pela historia da Lilith.
    Já dei de cara com várias adaptações que usam a imagem dele, mas sempre de forma pessimista. Achei interessante e despertou meu interesse pela leitura


    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Oi.
    Nunca tinha ouvido falar desse livro é achei a historia bem interessante. Conheço muito pouco sobre Lilith, então vou tentar ler essa história futuramente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Gosto de livros assim que desmistificam a imagem de mulheres impostas por homem, em grande maioria machistas que insistem em "pintá-las" como uma versão demoníaca e fruto dos pecados do homem, como se a mulher corrompesse o sexo oposto e vivesse para tal ato. Havia lido sobre o título desse livro em algum lugar por aí, mas não havia parado para saber um pouco mais sobre. Gostei e já quero adquiri-la para incrementar ainda mais minhas pesquisas.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    O livro parece ter toda uma pesquisa sobre o assunto, o que deixa tudo mais interessante. Creio que desde a relação da mitologia com os acontecimentos no mundo Lilith deve ter sua participação relacionada.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  6. Hey, Lilian!

    Adoro mitologia e nunca havia ouvido/visto falar sobre esse livro. Eu com certeza adoraria lê-lo e ver Lilith como é descrita nele.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que excelente indicação! Achei muito interessante a obra, não a conhecia ainda e fiquei muito curiosa com a leitura, parece ser um livro que abre os olhos do leitor.

    ResponderExcluir
  8. Oi Lilian, achei a obra interessante mas muito complexa para mim, não sei se estou preparada para esta leitura, sou mais uma narrativa bem basiquinha mesmo.
    Parabéns pela resenha e obrigada por trazer ao meu conhecimento este livro incrível.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem?
    Eu já li um livro sobre ela uma vez e fiquei muito incomodada pois puxaram para o lado do sexo de uma forma bem pesada que não tinha nada a ver com amor. Por isso não gosto muito dessa mitologia. Mesmo que o foco e a interpretação aqui seja bem diferente, já estou com trauma, risos... Mas para quem nunca ouviu falar sobre ela, essa pode ser uma ótima oportunidade.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá! A indicação não me chamou atenção. Por mais que eu goste de obras com temas voltados a conscientização feminina e o feminismo, esse tipo de obra que mexe também com religião é algo que não curto, por isso, passo a dica. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, religião e espiritualidade são coisas distintas. Entretanto, conhecemos os fatos da história de Lilith pelo viés de várias religiões enquanto instituições.

      Excluir
  11. Acho a história de Lilith um belo de um mistério e ver esse livro me deixa animada, ainda mais com seu questionamento sobre a marginalização das mulheres. Fico feliz em saber que toda essa mitologia errônea é lançada por terra pelas mãos da autora. Vou anotar essa dica, quero conferir.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    É sempre válido falarmos sobre o resgate da importância da mulher na sociedade. Mas confesso que esse argumento de Lilith não me agrada muito, está fora da minha crença religiosa.
    Bjs.
    Pri.
    http://nastuaspaginas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas achei a proposta muito interessante. É impressionante ver como, ao longo da história, foram sendo construídos mitos que sempre marginalizavam e culpabilizavam as mulheres. Aliás, é um problema recorrente em várias religiões: mitos que foram distorcidos e recontados de forma a colocar as mulheres em uma posição inferior aos homens.
    Adorei a dica e, apesar de ser uma leitura que foge muito do meu estilo, fiquei bastante interessada na temática e vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. olá
    Resenha muito bem escrita e o tema do livro com certeza é algo para parar e pensar. Interessante como a autora analisa a mitologia de Lilith e como sempre distorceram a imagem da mulher. Nao ser se leria o livro nesse mmento, mas me interessei ao ler sua resenha.
    Até mais!

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Eu não conhecia esse livro e com certeza vou ler. Já li alguns livros sobre a Deusa e por conta dessas leituras fui desconstruindo a ideia que me foi passada a juventude toda desde de ser ela uma demônio até ser invenção dA PRÓPRIA HUMANIDADE RS

    ResponderExcluir
  16. Olá, já vi muitas histórias onde Lilith servia como base pra algum personagem, mas sempre com conotações negativas, por isso me pareceu muito interessante essa obra que com certeza nos traz uma recontextualização de toda essa questão.

    ResponderExcluir
  17. Li pouca coisa a respeito de Lilith, e o que li achei interessante, por isso este livro acabou me interessando.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  18. Estou aplaudindo sua resenha e esse livro de pé. Eu acho um absurdo todas as histórias escritas por homens sobre Lilith e fiquei muito feliz por uma autora ter descaracterizado isso.
    Claro que vou anotar a dica e não tenho dúvidas que vou amar esse livro.
    Amei sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Olá, não conhecia o livro mas gostei bastante da proposta. É interessante a autora abordar lilith de uma forma positiva e fiquei bastante interessada em fazer essa leitura! Obrigada pela dica! A resenha esta incrivel ❤

    Beijos,
    Conta-se um Livro

    ResponderExcluir
  20. Uau, que livro interessante!Eu já tinha lido em alguns livros a menção de Lilith, mas não sabia muito sobre a sua história. Fiquei curiosa para conhecer essa obra e o modo da autora abordar a história dessa personagem na mitologia. Dica anotada, com certeza. Bjss!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma