O elástico Murilo Mendes – dez poemas para não perder de vista




16 agosto 2017



Murilo Monteiro Mendes (1901-1975), poeta brasileiro, um dos arautos da Geração de 1930 ou Segunda fase do Modernismo, era místico, inquieto, ousado, enigmático, social, surrealista, transitório, simbólico. Durante a passagem do cometa Halley, com nove anos, o poeta vive sua ‘epifania meteórica’: “O cometa me traz o anúncio de outros mundos/ e de noite eu não durmo/ atrapalhado com o mistério das coisas visíveis”.  

Em 1930, publica "Poemas", seu primeiro livro. E continuou escrevendo e publicando frenético e estimulando com sua ‘Poesia-liberdade’ outros autores, como João Cabral de Melo Neto, que declara: “a poesia de Murilo me foi sempre mestra, pela plasticidade e novidade da imagem. Sobretudo foi ela quem me ensinou a dar precedência à imagem sobre a mensagem, ao plástico sobre o discursivo”. Ele, que se eterniza em sua obra, é múltiplo. Rebelde. Logo, não é possível somente com os dez poemas selecionados compreender a elasticidade de sua poesia, mas, em prece, o evocamos para nos ajudar em tempos sombrios.



“É necessário morrer de tristeza e de nojo 
Por viver num mundo aparentemente abandonado por Deus, 
E ressuscitar pela força da prece, da poesia e do amor.”


ANGÚSTIA E REAÇÃO

Há noites intransponíveis,
Há dias em que para nosso movimento em Deus,
Há tardes em que qualquer vagabunda
Parece mais alta do que a própria musa.
Há instantes em que um avião
Nos parece mais belo que um mistério de fé,
Em que uma teoria política
Tem mais realidade que o Evangelho.
Em que Jesus foge de nós, foi para o Egito;
O tempo sobrepõe-se à ideia do eterno.
É necessário morrer de tristeza e de nojo
Por viver num mundo aparentemente abandonado por Deus,
E ressuscitar pela força da prece, da poesia e do amor.
É necessário multiplicar-se em dez, em cinco mil.
É necessário chicotear os que profanam as igrejas
É necessário caminhar sobre as ondas.


by imagem Такие же красивые, как и ты


“Não se trata de ser ou não ser, 
Trata-se de ser e não ser.”

 PÓS-POEMA

O anteontem - não do tempo mas de mim -
Sorri sem jeito
E fica nos arredores do que vai acontecer

Como menino que pela primeira vez põe calça comprida.
Não se trata de ilusão, queixa ou lamento,
Trata-se de substituir o lado pelo centro.
O que é da pedra também pode ser do ar.
O que é da caveira pertence ao corpo:
Não se trata de ser ou não ser,
Trata-se de ser e não ser.



By imagem -  SeSe22122532


“Ó alma que não conhece todas as suas possibilidades, 
o mundo ainda é pequeno pra te encher. 
Abala as colunas da realidade, 
desperta os ritmos que estão dormindo.”


O HOMEM, A LUTA E A ETERNIDADE

Adivinho nos planos da consciência
dois arcanjos lutando com esferas e pensamentos
mundo de planetas em fogo
vertigem
desequilíbrio de forças,
matéria em convulsão ardendo pra se definir.
Ó alma que não conhece todas as suas possibilidades,
o mundo ainda é pequeno pra te encher.
Abala as colunas da realidade,
desperta os ritmos que estão dormindo.
À guerra! Olha os arcanjos se esfacelando!
Um dia a morte devolverá meu corpo,
minha cabeça devolverá meus pensamentos ruins
meus olhos verão a luz da perfeição
e não haverá mais tempo.


“A gente não pode dormir 
com os oradores e os pernilongos.”

CANÇÃO DO EXÍLIO

Minha terra tem macieiras da Califórnia
onde cantam gaturamos de Veneza.
Os poetas da minha terra
são pretos que vivem em torres de ametista,
os sargentos do exército são monistas, cubistas,
os filósofos são polacos vendendo a prestações.
A gente não pode dormir
com os oradores e os pernilongos.
Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.
Eu morro sufocado
em terra estrangeira.
Nossas flores são mais bonitas
nossas frutas mais gostosas
mas custam cem mil réis a dúzia.
Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade
e ouvir um sabiá com certidão de idade!


“Ainda não estamos habituados com o mundo 
Nascer é muito comprido.”

REFLEXÃO N°.1

Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho
Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio
Nem ama duas vezes a mesma mulher.
Deus de onde tudo deriva
E a circulação e o movimento infinito.
Ainda não estamos habituados com o mundo
Nascer é muito comprido.




“Que há limites para a poesia 
Que não há sorrisos nas crianças”

O UTOPISTA

Ele acredita que o chão é duro
Que todos os homens estão presos
Que há limites para a poesia
Que não há sorrisos nas crianças
Nem amor nas mulheres
Que só de pão vive o homem
Que não há um outro mundo.



“não posso amar ninguém porque sou o amor”

CANTIGA DE MALAZARTE

Eu sou o olhar que penetra nas camadas do mundo,
ando debaixo da pele e sacudo os sonhos.
Não desprezo nada que tenha visto,
todas as coisas se gravam pra sempre na minha cachola.
Toco nas flores, nas almas, nos sons, nos movimentos,
destelho as casas penduradas na terra,
tiro os cheiros dos corpos das meninas sonhando.
Desloco as consciências,
a rua estala com os meus passos,
e ando nos quatro cantos da vida.
Consolo o herói vagabundo, glorifico o soldado vencido,
não posso amar ninguém porque sou o amor,
tenho me surpreendido a cumprimentar os gatos
e a pedir desculpas ao mendigo.
Sou o espírito que assiste à Criação
e que bole em todas as almas que encontra.
Múltiplo, desarticulado, longe como o diabo.
Nada me fixa nos caminhos do mundo.




“Eu sou tu, sou membro do teu corpo e adubo da tua alma.”

SOMOS TODOS POETAS

Assisto em mim a um desdobrar de planos.
as mãos veem, os olhos ouvem, o cérebro se move,
A luz desce das origens através dos tempos
E caminha desde já
Na frente dos meus sucessores.
Companheiro,
Eu sou tu, sou membro do teu corpo e adubo da tua alma.
Sou todos e sou um,
Sou responsável pela lepra do leproso e pela órbita vazia do cego,
Pelos gritos isolados que não entraram no coro.
Sou responsável pelas auroras que não se levantam
E pela angústia que cresce dia a dia.


“Os sentidos em alarme gritam:
O demônio tem mais poder que Deus.”

O EXILADO

Meu corpo está cansado de suportar a máquina do mundo.
Os sentidos em alarme gritam:
O demônio tem mais poder que Deus.
Preciso vomitar a vida em sangue
Com tudo o que amaldiçoei e o que amei.
Passam ao largo os navios celestes
E os lírios do campo têm veneno.
Nem Job na sua desgraça
Estava despido como eu.
Eu vi a criança negar a graça divina
Vi o meu retrato de condenado em todos os tempos
E a multidão me apontando como o falso profeta.
Espero a tempestade de fogo
Mais do que um sinal de vida.




“Qual a forma do poeta? Qual seu rito?
Qual sua arquitetura?”

MEDITAÇÃO DE AGRIGENTO

Quem nos domara a força vã,
quem nos sufocara o instinto
Para permanecermos
Em conformidade à linha do céu,
A estas colunas perenes,
Ao oculto mar lá embaixo.
Quem nos transformara em folha
Ou no súbito lagarto
Que se esgueira sob tuas pedras,
Templo F, sereno templo F,
Arquitetura de reserva e paz.
Transformar-se ou não, eis o problema.
Durar na zona limite da memória,
Nos limbos da vontade,
Ou submeter a pedra, cumprir o ofício rude,
Aprender do lavrador e do soldado.
Qual a forma do poeta? Qual seu rito?
Qual sua arquitetura?
Mudo, entre capitéis e cactos
Subsiste o oráculo.
A manhã doura a pedra e vagos nomes,
Agrigento me contempla, e vou-me.



22 comentários:

  1. Adorei o post! Ainda não conhecia esse poeta ilustre, mas o Angústia e Reação mexeu profundamente comigo, conversou comigo. Obrigada por sempre trazer esse tipo de informações para cá.

    ResponderExcluir
  2. Quantos poemas lindos menina, eu fiquei apaixonada diante de tanta história que tem a revelar e casos que aconteceram a anos atrás, ótima postagem.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto muito de poemas e achei esses bem intensos, eu não conhecia nenhum deles e adorei vê-los aqui no seu blog.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Apesar de não ler poemas há bastante tempo, eu adorei os poemas que você deixou aqui sobretudo a Reflexão Nº1. Claro que todos são reflexivos e nos remetem a várias vertentes de interpretação, mas nesse já a intensidade já aparece nas primeiras linhas.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Apenas no colegial eu estudei Murilo Mendes, mas nunca me aprofundei em suas obras. Parabéns pelo post, os poemas são admiráveis! Isso é para não subestimarmos a Literatura Brasileira e seus poetas!
    bjos
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Oi Lilian! Gostei dos poemas,principalmente de Somos Todos Poeta, O Exilado e Angústia e reação. Aliás, as imagens que você escolheu ficaram muito bem ao longo dos poemas.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  7. Lilian, não conhecia Murilo Mendes.
    Achei os poemas muito bonitos e tocantes, obrigada por apresentá-lo.

    ResponderExcluir
  8. Olá, creio que ainda não conhecia o autor, gostei muito de poder saber um pouco sobre ele e de poder ler alguns de seus escritos.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Que poemas lindos! Sou dessas que adora ler poemas, apesar de às vezes não entender absolutamente nada, hahaha. Adorei o post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Normal não entender Às vezes, aliás, ontem lia um artigo sobre isso, o tempo de entendimento do poema. ^^ Às vezes, tenho essa dificuldade com Borges.

      Excluir
  10. Lindos os poemas e angustiantes, parece haver uma contradição de sentimentos neles que aperreia o leitor rs

    ResponderExcluir
  11. Achei ótimo o que a Larissa falou: "às vezes não entende absolutamente nada". Ocorre comigo frequentemente. O mais incrível é que normalmente são os que mais me tocam, aqueles que não entendo de primeira. Hoje o que mais me tocou foi Angústia e reação.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nilda, querida, obrigada pela contribuição. às vezes, o que não entendo, fica ecoando junto com minha memória celular e surgindo significados ao longo de minha vida.

      Excluir
  12. Oie!
    Não conhecia o autor, mas amo conhecer um pouco mais sobre poesia, o autor é em enigmático e intenso.
    Obrigada por trazê-lo, gostei de conhecê-lo e dos poemas também.
    Parabéns pela postagem!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia! As poesias dele passam sempre um certo ar de raiva e descontentamento. Mesmo que nas entrelinhas, achei isso bem interessante.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  14. Olha, de todos os poemas selecionados só conhecia a referência à Canção do Exílio. Fiquei comovida e tocada, pois o eu lírico desnuda sua alma e denuncia as atrocidades do mundo a sua volta.
    “É necessário morrer de tristeza e de nojo
    Por viver num mundo aparentemente abandonado por Deus,
    E ressuscitar pela força da prece, da poesia e do amor.”
    É muito atual isso.
    Vou prestar mais atenção a esses poetas do Modernismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Grata por seu comentário. Disse exatamente o que penso.

      Excluir
  15. Olá! Nossa, gostei bastante de conhecer mais sobre ele. É bastante inspirador! Seus poemas são intensos, fortes, cheios de significados. Parabéns pelo post, beijos!

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bem Lilian?

    Esse é meu conterrâneo e fico com vergonha de falar que pouco li dos poemas desse grande mestre chamado Murilo Mendes, assim como pouco li sobre Rubem Fonseca, outro grande escritor aqui da cidade. Os poemas acima são inspiradores e adorei as imagens. Bela publicação!
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Olá,

    É engraçado o quanto um texto pequeno tem um grande impacto em nós, não é mesmo? Gostei muito dessa sua postagem, principalmente porque não leio muitos poemas.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Oie, gostei do post, não conhecia o livro, mesmo não lendo muitos poemas fiquei curiosa para ler esse.
    bjs

    ResponderExcluir
  19. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia essa autor e confesso que não costumo ler poemas, mas achei bem interessante a postagem, os poemas são bem impactantes, assim como as fotos.

    Beijos :*

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma