Header Ads

25 contos de Machado de Assis





“Ler os clássicos não é um dever, é um direito.
É uma parcela do Patrimônio da Humanidade. ”
(Ana Maria Machado).


Nascido em 21 de junho de 1839, este ano, Machado de Assis comemoramos seus 180 anos e desde a publicação de seus primeiros contos, em 1870, já se passaram mais de cento e cinquenta anos e sua obra continua atual e necessária. Publicado recentemente pelo Grupo Editorial Autêntica, 25 contos de Machado de Assis, segundo Nádia Battella Gotlib, responsável pela seleção e organização dos contos:

(...) se os detalhes são construídos tendo por modelo a cidade e os habitantes do Rio de Janeiro do século XIX, ou os pequenos povoados da província, os comportamentos, posturas, conflitos, emoções, paixões, egoísmos e outros vícios são os nossos de cada dia: os da nossa sociedade, que ainda carrega a carga do patriarcado, do machismo, do escravismo disfarçado e da desigualdade entre gêneros

Alguns dos contos selecionados já são conhecidos por parte dos leitores, como A cartomante e a Missa do galo, outros, menos, como Curta história e O caso da vara, e isso confere ao leitor um olhar mais ampliado para além do autor romancista, bem como a maneira como o autor traz para seus contos uma participação proeminente de grupos marginalizados que não têm sua importância destacada em seus romances.



A exemplo disso, em O caso da Vara, conto publicado originalmente em 1891, Damião foge do Seminário que João Carneiro, seu padrinho, o levou, e pede a ajuda de Sinhá Rita, uma viúva. O rapaz simpatiza com Lucrécia, escrava da casa de Sinhá Rita, que não consegue finalizar uma de suas tarefas e acaba sendo acusada de vadiagem, como castigo, Lucrécia apanhará com uma vara. Damião, que prometera apadrinhar Lucrécia, é incumbido de entregar a vara a viúva.   

Sinhá Rita pegou de uma vara que estava ao pé da marquesa e ameaçou-a: Lucrécia, olha a vara!

Os mecanismos de opressão presentes no conto, determinam a vida de João Carneiro e Lucrécia, ambos aprisionados pelo desejo senhorial e paternalista. Apesar de livre, Damião é dependente do pai e de Sinhá Rita e Lucrécia é escrava. E pelo símbolo da vara, os laços de dependência são selados e fortificados entre gerações. Outro ponto destacado por Machado neste conto é o trabalho infantil, afinal, Lucrécia é uma criança (11 anos).

O reflexo da escravidão e dos mecanismos de opressão ainda são presentes no Brasil, apesar da ligação na história entre João Carneiro e Lucrécia, o futuro de João, por ser branco e rico, é tornar-se o opressor, assim como a madrinha e o pai, fortalecendo o sistema patriarcal, racista e escravocrata. Enquanto Lucrécia, “uma negrinha magricela, um frangalho de nada, com uma cicatriz na testa e uma queimadura na mão esquerda”, que tem no corpo marcas de violência, não tem quem a defenda, quem a apadrinhe. A casa de sinhá Rita, cuidado do jovem branco da dureza do pai e agredindo uma criança negra é o retrato do Brasil.

Não é possível tratar aqui de todos os contos ou trazer mais detalhes dada a riqueza cultural e social detalhada por Machado, entretanto, é notório que 25 contos de Machado de Assis, é um soco no estômago de nosso atual processo político.

6 comentários:

  1. Tenho aprendido muito sobre Machado De Assis, acho a forma de escrita dele fascinante, adorei saber sobre os contos!

    ResponderExcluir
  2. Que demais!!! Estou apaixonada por essa edição.
    No momento estou lendo uns contos de terror dele, no livro Medo Imortal da Darkside e estou amando

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Que bom saber da publicação da coletânea de contos. Recentemente li A cartomante, e quero ler mais contos do autor. Gostei de conhecer esse que destacou no post.

    ResponderExcluir
  4. Essa edição está maravilhosa!
    Já li vários contos de Machado de Assis - A Cartomante, mas faz muito tempo. Foi na época do ensino médio.

    Li outras obras dele e adorei saber um pouco mais sobre essa edição.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eu só li um conto do autor até o momento, que foi "Missa do galo", para a escola, e como achei bem interessante, pretendo ler outros. Achei essa edição bem interessante. Ótima dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Que edição mais linda! Este livro deve ser uma excelente leitura, li poucas coisas do Machado depois do período da escola, mas gosto muito dos escritos dele. Não conhecia a edição ainda e já quero

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma