Header Ads

que sei eu da tua pele e das tuas pernas / karin boye

By imagem Maria La Sangre




Como posso dizer se a tua voz é bonita.
O único que sei é que ela me trespassa,
me faz estremecer feito uma folha aflita
depois me desfaz e então me devassa.

Que sei eu da tua pele e das tuas pernas.
Comove-me só o fato de que sejam tuas
e eu não terei repouso nem a paz eterna
enquanto elas não forem minhas, nuas.

(Poema de Karin Boye, traduzido do sueco por Luciano Dutra)


5 comentários:

  1. Olá!! :)

    Eu confesso que gostei de ler o poema. Tem um ritmo muito peculiar mas encaixa-se totalmente na tematica e no tom que creio terem sido os pretendidos!

    Gostei!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  2. Este é um belo poema. Eu não conhecia ainda, nem o autor, mas interessante trazer algo estrangeiro que não tem tanto destaque no Brasil ainda.
    Silviane, blog Memento MoriParticipe do Top Comentarista de Outubro

    ResponderExcluir
  3. Adorei o poema, não conhecia, eu leio muito pouco texto do gênero mais gosto bastante de acompanhar por aqui!

    ResponderExcluir
  4. Eita, que poema maravilhoso! Eu sou fascinada por poesias, elas têm um dom de nos trazer mensagens que tocam a alma e muitas vezes falam aquilo que precisamos ouvir/ler/sentir.

    ResponderExcluir
  5. Muito caliente o poema hehehehe.
    Gostei da montagem e das rimas.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma