Header Ads

Resenha – Anne de Green Gables





Conheci Anne pela série da Netflix Anne wiht An E, até então, não sabia da existência do livro e muito menos da autora. Logo, a série que me deixou emocionada, feliz e até chorosa ao final, também veio com o brinde, o fato de ser uma adaptação. E tanto a série quanto o livro, alimentaram um desejo que já é forte para mim, a adoção. Não que eu romantize o processo, mas estou certa do que quero.

Em Anne de Green Gables, de Lucy Maud Montgomery (1874-1942), Editora Autêntica, os irmãos Marilla e Matthew têm uma surpresa quando decidem adotar um menino e em seu lugar chega uma menina tagarela de onze anos, Anne Shirley.

Lucy Maud Montgomery, imagem retirada da internet

Apesar de perspicaz e otimista, Anne não teve uma infância fácil, além de ter ficado órfã, passou por humilhações e precisava trabalhar nas casas por onde passava. Nem mesmo quando foi para o orfanato sua vida melhorou, porém, o grande trunfo da menina, é sua capacidade de acreditar que tudo daria certo, que sempre pode melhorar.



Apesar do otimismo frente às desavenças da vida, Anne também é teimosa e insistente quando quer algo, demonstrando personalidade forte e é essa mescla de temperamento e sentimentos que a faz entrar em muitas aventuras e confusões, mas também é o que torna a menina cada vez mais pertencente não só a família que a adotou, mas a própria comunidade de Avonlea.

Existem tantas Annes diferentes dentro de mim. Às vezes, acho que é por isso que sou uma pessoa tão problemática. Se houvesse apenas uma Anne, seria tão mais confortável, mas aí eu não seria tão interessante.

Não posso afirmar que todos irão amar a obra e muito menos a adaptação, mas como disse no início, para mim serviu, emocionou e dei muitas risadas. Talvez, se, neste momento de isolamento, você estiver procurando algo que eleve seu espírito e traga vitalidade e amorosidade, Anne e sua natureza criativa possam te ajudar, recomendo o livro e a série.

17 comentários:

  1. Oiiieee

    Eu quero muito conferir a adaptação primeiro, vi muita gente se dizendo cativada pela estória e pelos personagens. O livro por enquanto ainda não me chama a atenção,por ser série extensa, mas quem sabe futuramente caso eu goste da série acabe também conferindo os livros.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Lilian.

    Eu ainda assisti a série e nem li o livro, mas estou com muita vontade. Tenho lido cada resenha e crítica interessante. Vou aproveitar esse período
    que estou em casa para assistir,espero me emocionar também. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Não conheço uma pessoa que tenha assistido a série ou lido os livros e que não se apaixonou pela história. Quero muito conhecer em breve! Eu também não sabia da existência dos livros antes, mas algumas pessoas me recomendaram e estou pensando em ler pelo menos o primeiro antes de assistir a série. Pelo que vi da sua resenha, tive mais certeza ainda de que irei me emocionar. Parece ser uma leitura muito sensível e cativante, e como adoção é um tema que me toca muito, sei que irei amar mais ainda.
    Adorei a resenha e conhecer sua opinião sobre a obra.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até conheci pessoas que não gostaram da série, mas eu não consigo entender como, gente hahahahahahaha

      Excluir
  4. Ainda não assisti a série, mas lembro de ter visto alguma matéria ou divulgação do lançamento desse livro. A Anne me lembra um pouco a Pollyanna do clássico de Eleanor H. Porter. Vou confessar que as vezes me bate um receio de conhecer mais a personagem, pois não sou muito fã da Pollyanna. Acho que vou me aventurar pelo livro da resenha antes de partir para a série.

    ResponderExcluir
  5. Aaah lembro do teu entusiasmos falando sobre a série. Fiquei de assistir e até agora nada, mlr.
    Queria ter comprado o livro na bienal ano passado, até vi num estande mas já tava sem grana. 😂😂

    Não duvido que seja uma opção para esses tempos sombrios de quarentena.

    Küss 😘

    ResponderExcluir
  6. Vejo vários comentários positivos sobre a série e o livro. Mas ainda não li, nem assisti... rs Acho que ainda durante o isolamento eu mudo essa situação, ainda mais pelos pensamentos bem á frente do tempo dela, que são maravilhosos. S2
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  7. Eu achei que não ia me apaixonar, mas confesso que fiquei surpresa de como funcionou pra mim também. Também acho que não funciona com todos, mas nós fomos abençoadas de funcionar.
    Eu ri muito e amo essa edição da Autêntica, fiz um comparativo das edições, e a tradução da Guimarães foi a melhor! ♥

    ResponderExcluir
  8. Essa é uma série que me dá até vergonha de falar que eu nunca vi. Ela está na minha lista já tem tanto tempo. Eu também não conhecia o livro antes da série lançar, mas toda vez que meio algo sobre o livro ou a série são comentários bons. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  9. Olá, até agora só assisti a série no momento. Mas pretendo ler os livros em breve. Ansiosa por essa leitura. Anne é uma personagem que me identifico muito. Quero fazer a comparação da série com os livros.

    ResponderExcluir
  10. Eu nunca li os livos, e nem assisti a série. Mas, sei que algo que chama muito a atenção e estão sempre comentando a respeito de Anne, é esse poder de acreditar no lado bom das coisas, né? Creio que deve ser uma obra muito emocionante, visto que crianças que sofrem desde a tenra idade machuca muito meu coração de mãe. Travei em Oliver Twist que até hoje, anos após começar, consegui terminar a obra de Dickens.
    Bom, adorei seu texto. Muito legal saber como conheceu essa ruivinha famosa e saber um pouco mais sobre a história.
    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Eu, apesar de não ter tido contato com o seriado, gostei muito da leitura da obra, achei a personagem Anne como você descreveu teimosa e insistente. No fim, também fiquei muito emocionado, tanto com a guinada que a personagem Marilla teve quanto por conta do Matthew 💔 . Algumas pessoas falaram que na série é diferente, mas ainda não conferir. Estou curioso!

    ResponderExcluir
  12. Eu já conhecia o clássico Anne de Green Gables antes da
    série da Netflix A"
    Anne with An E" existir, então achei bem bacana a proposta da série em apresentar ao público essa obra maravilhosa e tão especial. Achei muito legal esse seu desejo já decidido de adoção. Eu nunca teria filhos do meu ventre, por uma escolha pessoal minha, que só se fortalece conforme amadureço. Mas, se fosse para ter um por meio de adoção, eu pensaria no assunto em um futuro distante, talvez. Porém, só quando minha carreira e minhas realizações profissionais ou pessoais de independência tanto financeira quanto emocional estiverem mais estáveis. Porque eu, o que eu quero e a minha carreira, sempre veem em primeiro lugar pra mim e na minha vida.
    Afinal, é uma responsabilidade a mais e tanto e precisa de tempo, que é algo que eu não tenho pra outra pessoa, no momento. Enfim, as edições de Anne de Green Gables são maravilhosas.

    ResponderExcluir
  13. Ai eu queria muito ler Anne de green gables logo. Eu sempre acabo enrolando para conhecer os livros por algum motivo. Seu post me deixou nostálgico pq lendo sua resenha eu automaticamente lembrei do último episódio da terceira temporada e estou segurando o choro hahaha. Parabéns pelo post ❤️

    ResponderExcluir
  14. Oie, tudo bem? Ainda não tive oportunidade de ler os livros mas já terminei de assistir todas as temporadas da série no Netflix. Fiquei encantada com a fotografia, com os personagens e claro com as locações. A atriz que interpreta a Anne é muito talentosa, impossível não querer ser sua amiga e conversar o dia inteiro. É muito carismática. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma