Header Ads

Eu era espaço vazio / Stela do Patrocínio #PoesiaRotaMundo

 



eu era gases puro, ar, espaço vazio, tempo

 

eu era ar, espaço vazio, tempo

 

e gazes puro, assim, ó, espaço vazio, ó

 

eu não tinha formação

 

não tinha formatura

 

não tinha onde fazer cabeça

 

fazer braço, fazer corpo

 

fazer orelha, fazer nariz

 

fazer céu da boca, fazer falatório

 

fazer músculo, fazer dente

 

eu não tinha onde fazer nada dessas coisas

 

fazer cabeça, pensar em alguma coisa

 

ser útil, inteligente, ser raciocínio

 

não tinha onde tirar nada disso

 

eu era espaço vazio puro.

 

(DO PATROCÍNIO, Stella; MOSÉ, Viviane. Reino dos bichos e dos animais é o meu nome. Rio de Janeiro: Azougue Editorial. 2001)

 

Sobre a autora:

Stela do Patrocínio nasceu em 9 de janeiro de 1941 (Brasil). Interna desde 1962 da Colônia Psiquiátrica Juliano Moreira (a mesma instituição onde Arthur Bispo do Rosário foi internado) , impressionou a artista plástica Neli Gutmacher e seu grupo de alunos, que gravaram as conversas que constam no livro Reino dos bichos e dos animais é o meu nome (2001, Azougue Editorial).  Faleceu em 1997, na mesma Colônia onde passou vinte e cinco anos. 

Filha de Manoel do Patrocínio e Zilda Francisca do Patrocínio, Stella trabalhava como doméstica na juventude. Aos 21 anos, morava em Botafogo e, em agosto de 1962, quando pretendia tomar um ônibus para chegar à Central do Brasil, foi parada por uma viatura de polícia, na Rua Voluntários da Pátria. Segundo ela, a polícia a levou ao pronto socorro mais próximo, perto da praia de Botafogo. Dali, foi encaminhada ao Centro Psiquiátrico Pedro II, localizado no Engenho de Dentro, dando entrada na instituição em 15 de agosto. Desse modo, passou a ser involuntariamente um "sujeito psiquiatrizado", recebendo o diagnóstico de esquizofrenia.

 

***

 

Poesia selecionada para o projeto RotaMundo em parceria com o blog Na Literatura Selvagem que neste mês terá poetas dos países: Argentina, Chile e Brasil.


5 comentários:

  1. Excelente poesia selecionada para o projeto Rota Mundo nessa ótima parceria com o blog Na Literatura Selvagem. Achei interessante a proposta. Gostei de conferir. Porque foi uma super novidade pra mim. Muito bom explorar novos trabalhos literários assim. Curti saber mais informações da autora também.

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho muito interesse em obras e artistas oriundos da institucionalização. Fiz uma pós em Saúde Mental, onde meu TCC foi sobre Nise da Silveira, psiquiatra importante em muitos aspectos, entre eles, a arteterapia.
    Amei esse texto!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Que interessante a poesia, achei legal todo o conceito de construção que se propõe.

    ResponderExcluir
  4. Olá. Muito triste a história dela, e, infelizmente, é a história de milhares de brasileiros. Era prática comum nessa época a retirada dos "indesejáveis" das ruas e nos anos seguintes se aprofundou a perseguição, com a instalação da ditadura civil-militar em 1964 muitos opositores do regime foram taxado de loucos e encarcerados também. O mais assustador é que hoje isso ainda acontece. Se diminuiu de forma geral, ainda é pratica com a população em situação de rua e dependentes químicos. Uma lástima. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Muito triste o que aconteceu com ela é tantos outros internados a força...
    A poesia tá linda. Não li nasa dela, apesar de conhecer seu nome...

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma