Header Ads

Sou a mulher que se mata por amor

 



Sou a mulher que se mata por amor a ti

e a mulher por amor de quem se morre

Sou o rapaz que há como uma água turva

na mulher por quem se morre

o bucal húmido do telefone onde ela expia

pensamentos violentos como plumas

Sou a pluma que lhe abre os lençóis

a lasca de madeira sobre a mesa

a lâmina à espera

que a nudez dê frutos

Sou aquilo que fere o rapaz

e a roupa que o tapa

Sou o brilho da janela onde a mulher

se balança

 

(Andreia C. Faria, in Flúor, Edição Textura, 2013)

 

Sobre a autora: Andreia C. Faria nasceu no Porto, em 1984. Publicou em 2008 o seu primeiro livro de poemas, De haver relento (Cosmorama Edições). Seguiram-se Flúor (Textura Edições, 2013), Um pouco acima do lugar onde melhor se escuta o coração (Edições Artefacto, 2015) e Tão Bela Como Qualquer Rapaz (Língua Morta, 2017), que norma o Prémio SPA 2017 para Melhor Livro de Poesia.


6 comentários:

  1. gostei do título da poesia, de certa forma me identifiquei de algum jeito. com ela por inteiro e principalmente o se matar por amor.

    ResponderExcluir
  2. Poema lindo e com significado profundo! Não conhecia a autora, vou procurar mais de sua obra!
    Bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  3. Que belo poema! Ainda não conhecia a autora, mas é intensa! Quero conhecê-la mais!

    ResponderExcluir
  4. Que poema lindo! Não conhecia o trabalho da autora ainda, mas achei o poema intenso e ao mesmo tempo muito sensível. Amei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Poesia não precisa fazer sentido literal e sim tratar de sentimento. Eu gostei muito do que encontrei dentro de mim lendo esse poema.

    Beijos
    Leitura Terapia

    ResponderExcluir
  6. Que perfeicao.. poesia lusitana, né? Amei os títulos de suas publicações

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma