Resenha - Will & Will: um nome, um destino, John Green e David Levithan




03 novembro 2013


Livros adolescentes geralmente apresentam seu enredo em torno dos mesmos assuntos, a descoberta do primeiro amor, amizades perturbadas, personagens problematizados. Todos dignos de uma adaptação cinematográfica para ser exibida na “Sessão da Tarde”. Estamos sempre esperando as intrigas, as cenas românticas que lá para o meio da história sofre um desequilíbrio, onde o casal volta-se a momentos depressivos e, claro, os prováveis desfechos. Não podemos negar a forma de narrar de cada autor, fator determinante para você decidir se continua lendo ou assistindo tal enxurrada de aflorados hormônios.


“Will & Will: um nome, um destino” dos autores americanos John Green e David Levithan não foge tanto à regra. E sim, tem os seus diferenciais. O enredo apresenta dois personagens ligados por um nome, Will Grayson. Ambos levam consigo essas vogais e somente elas são iguais. Suas personalidades diferem a ponto do leitor não necessitar dos recursos gráficos dos autores para diferenciá-los. Um jogo de maestria das narrativas de Green e Levithan.

Will Grayson (o.w.g)

É amigo do garoto mais gay do colégio. Tiny Cooper é grande, imenso e como o próprio diria “fabuloso”. (Observa-se um provável estereótipo que muita engana o leitor). Grayson é tranquilo quanto à orientação sexual do amigo e anda sempre o aconselhando a tomar cuidado com as repentinas paixonites. Ele mantém uma opinião marrenta quanto a relacionamentos, até, claro, Jane aparecer em campo. Will vive contradições, marcadas por trilha sonora, estudos científicos e gayzices.


will grayson

o outro personagem dessa história é um garoto depressivo sob constante efeito de medicamentos tarja preto. will não tem muitos amigos na escola e os que tem, são uma garota, maura e dois nerds, derek e simon. assim, passa os seus dias contando os minutos para chegar em casa e conversar com o amigo virtual, issac. cria em torno desse relacionamento seu sustento para enfrentar as situações desagradáveis que o cerca. a mãe que vive chorando o abandono do marido, a falta de grana que obriga will a trabalhar os finais de semana na farmácia para manter os remédios em dia, maura, a escola, a mente...

O enredo gira, então, em torno desses dois personagens. Após a entrada de o.w.g para a Aliança Gay-Hétero, ele vê nascer sentimentos nunca antes imagináveis e precisa conviver com as mudanças na vida do amigo. Tiny Copper decide montar um musical Tiny Dancer, uma produção capaz de desestruturar essa antiga amizade.

will grayson enfrenta a expectativa para conhecer issac. o encontro se torna um divisor de águas em sua existência e aos poucos uma nova realidade se mostra possível.

Green e Levithan destacam por não limitar seus personagens a estereótipos tão frequentes quando se aborda o tema homossexualidade. Estereótipos esses que estão inseridos na nossa sociedade. will grayson, por exemplo, não gosta da madonna. (um simples exemplo para o leitor não recriminar a resenha por spoiler). A narrativa é preenchida de momentos hilários e divertidos. O que você faria se seu primeiro encontro fosse numa sex shop?                                
os autores destacam as vozes dos personagens por recursos gráficos. para diferenciar empregam a will grayson uma linguagem voltada para o meio virtual, o que caracteriza os relacionamentos que o garoto mantém. enfim, tudo é escrito com letras minúsculas e os diálogos são apresentados como as salas de bate-papo que estamos acostumados a frequentar. enfim, depois de uns quatro capítulos fica fácil reconhecer o will grayson e o Will Grayson (o.w.g = o outro will grayson).


avaliação final: 3 estrelas. 

Por R.s. Merces

6 comentários:

  1. OLá Lilian,


    Muitos falam bem desse livro, mas não me despertou interesse...parabéns pela resenha...abraços.


    devoradordeletras.blogspot.com.br



    ResponderExcluir
  2. olá, parabéns p or mais essa resenha, ela ficou incrivel, gostei muito , um tom muito interessante de um livro perfeito

    ResponderExcluir
  3. Eu leio várias resenhas sobre esse livro mas eu não tenho vontade de ler. Não pelo tema, já que sobre homossexualismo eu até leio bastante. Talvez pela capa...

    ResponderExcluir
  4. Adoro livros com temas polêmicos, acho que isso me chama bastante atenção.
    Tem um tempo que venho tentando comprar esse livro, mas o bolso não deixa =/

    ResponderExcluir
  5. um livro perferida, gosto muito dele .. me envolveu demais, e simplismente é perfeito

    ResponderExcluir
  6. Esse livro vem sendo comentado por muitas pessoas mesmo. Essa tema é bem atual e perfeito para ser tratado. Quero ler o quanto antes!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma