Ausência - Carlos Drummond de Andrade




31 outubro 2013

pela expressividade



Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

6 comentários:

  1. Maravilhoso! Não tem como não gostar de algum texto do Carlos Drummond!

    ResponderExcluir
  2. Ausência e falta... Como Drummond consegue falar bem de tantos sentimentos. Muito bom!

    ResponderExcluir
  3. Um otimo poema transmite muito sentimento

    ResponderExcluir
  4. Muito legal esses poemas de drumond

    ResponderExcluir
  5. Acho incrivel a maneira de usar as palavras...amo poemas dele

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma