Resenha – Os Imortais de Meluha




25 maio 2015


Tudo é energia. E Os Imortais de Meluha, Trilogia Shiva I, de Amish, Editora nVersos, 391 páginas, traz componentes que atuam em perfeita harmonia, capaz de nos conectar com o melhor da literatura em sua natureza instintiva.  O movimento narrativo criado pelo autor, resultou numa dança perfeita que simboliza o poder de Shiva.
                                                                                             
‘Os Imortais de Meluha - Os Imortais de MELUHA, primeiro volume da Trilogia SHIVA, é mais um lançamento da nVersos Editora e marca o início da história de Shiva, um homem que viveu cerca de 4.000 anos atrás, cujas aventuras eram tão grandiosas que as pessoas começaram a pensar nele como um Deus. A terra de Meluha, criada por um dos maiores monarcas, Lorde Rama, é um império cercado de perigos e ameaças, como a extinção do rio Saraswati reverenciado pelo povo, e que agora está lentamente secando. Eles também enfrentam ataques terroristas devastadores vindos do leste, a terra dos Chandravanshis. Para complicar ainda mais as coisas, estes parecem ter se aliado aos Nagas, uma linhagem de verdadeiros guerreiros que vivem à parte da sociedade em razão de suas deformidades físicas. A única esperança para os Suryavanshis é uma antiga lenda: Quando o mal atinge proporções épicas, quando tudo parece perdido, quando parece que os teus inimigos triunfaram, um herói vai emergir. Shiva é um rústico imigrante tibetano ou realmente esse herói? E afinal, ele quer ser esse herói? Desenhado de repente ao seu destino, por dever, bem como pelo amor, vai Shiva levar a vingança Suryavanshi e destruir o mal? Este é o primeiro volume da trilogia sobre Shiva, o homem simples cujo carma o transformou em o Deus dos Deuses.’


Shiva há anos tentava manter seu povo vivo, lutando contra tribos inimigas. Até que uma oportunidade surge e ele conduz sua tribo para Meluha, a cidade perfeita. A mescla de história, mitologia, filosofia e ficção, é um reflexo nítido do resgate de uma cultura rica. Em Meluha, Shiva e sua tribo precisam tomar o somras, um composto de mistura misteriosa, mas que mostrará a Shiva a Garganta azul. E nesse momento, o teor histórico do livro ganha vida, a medicina ayurvédica e a reconstrução de uma civilização mais antiga são materializadas em cada palavra contida na obra.
Após passar por um período de purificação, ele e seu povo estão prontos para interagir com aquela nova civilização, porém com um especial interesse do Meluhanos em Shiva, o homem da garganta azul, ou o salvador. Ele é o Neelkanth que salvaria a nação conforme os desígnios da profecia. A esperança tomou conta de todo o reino, mas Shiva ainda não compreendia o que sucedia e o motivo de sua garganta azul, não acreditava na profecia.
O que o mantém na cidade, além da proteção ao seu povo, é a princesa Sati. E os seus encontros com a princesa conduzem a narrativa à simbologia do dualismo do Universo, que faz Shiva emanar a energia vital por meio da dança, em movimentos sincronizados que expressa o equilíbrio entre razão e emoção.

                                                                                                        
– Pense assim: o meu povo acredita que tudo no mundo, plantas, animais, objetos, nossos corpos, tudo carrega e transmite shakti, energia, e o maior receptáculo de todos é a própria Mãe Terra, o chão onde pisamos. 
– O que isso tem a ver com a sua dança?
– Tudo o que fazemos requer energia e precisamos retirá-la do mundo à nossa volta, das pessoas, dos objetos, da própria Mãe Terra, e precisamos pedi-la com respeito.

No momento em que Shiva conhece mais do povo de Meluha, entende que aquela comunidade não é tão perfeita como aparenta, encontra injustiças e problemas que necessitam ser revistos, mas não é só isso, a cidade possui grandes inimigos. E apesar de Meluha não ser tão perfeita, ele compreende em seu coração que aquele povo precisa de ajuda. Nagas são terroristas que matam em uma constância assustadora e que leva Shiva a liderar uma cruel e sangrenta batalha. Mas, por trás da crueldade de uma guerra, existem verdades capazes de abalar almas humanas. Essa verdade cruel é o ponto culminante para que Shiva compreenda quem ele verdadeiramente é e tente proteger Sati, sua amada.


Proteger Sati não significa um clichê romântico da cultura Ocidental. Proteger Sati, significa proteger a própria existência de Shiva. Se você quer compreender mais, sugiro que leia sobre Mitologia Indiana e se deleite com essa grandiosa obra.
Não seria digno de minha parte comparar a narrativa a qualquer outra já existente, logo direi o porquê de esse ser o melhor livro lido, este ano, para essa humilde leitora: a capa foi a primeira aparição, lógico, do livro. Não há um casal de cultura eurocêntrica a compondo, não há um homem com padrões de beleza estabelecidas; não é um Deus branquificado; é um homem negro e de dreads. Ou fator importante, o autor. A história não é escrita pelo ponto de vista Ocidental, muito pelo contrário, dá voz a um homem Indiano. Terceiro, o livro não discorre sobre a cultura Ocidental; não é um enlatado norte-americano. E para melhorar o que já estava bom, a presença de Sati e a forma como Shiva precisa compreendê-la para materializar seu amor. Por fim, e não menos importante, a narrativa é envolta na própria magia de Shiva. Significa que o texto oscila entre caos e cosmo, fala de austeridade e de tradições que a Europa tentou destruir.  
Como é uma trilogia, já estou com o segundo volume e sedenta de vontade de apreciar. O livro vai virar filme. Não gosto de cinemas, mas por Os Imortais de Meluha, não seria um sacrifício. Por fim, parabéns a Editora nVersos pela seleção do livro e por trazer ao Brasil obra tão significativa. 


26 comentários:

  1. Ahhhhhh!!! Vai virar filme???? Aí sim!!!!
    Eu não digo que vou ler, pq eu ando com tanta preguiça de série, e tô sendo obrigada a ler algumas, hauhauhauahu. Mas se vai virar filme, eu vou assistir, com certeza, pq vc me deixou super curiosa com a história!

    ResponderExcluir
  2. A sua resenha foi esclarecedora..... Não seria o tipo de livro que eu leria neste momento, mesmo porque sairia da minha zona de conforto, rs , porém se vai virar filme.... Já fiquei mais empolgada para assistir,
    Bjus

    ResponderExcluir
  3. poxa, não seria um livro que pegaria fácil na livraria, mas por vc ter falado tão bem dele, me agucei com a história. Assim que tiver chance, vou dar uma lida, se eu curtir o primeiro, corro atrás dos outros livros... espero que façam uma adaptação bacana dele no cinema. Interessante ver a perspectiva indiana sem a 'intromissão' ocidental na narrativa :)

    ResponderExcluir
  4. Não sabia que ia virar filme. Tenho interesse no livro, ainda mais porquê tenho acompanhado ótimas resenhas dele.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  5. Olá, não conhecia o livro e sinceramente não me agradou, mesmo sendo tão complexo e cheio de mistérios, acho que o gênero não me instiga! mas com certeza vai agradar muita gente.
    http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não conhecia essa trilogia, mas não faz muito meu estilo.
    Pela sua empolgação na resenha, dá para ver que você não vê a hora do próximo.
    A capa é bonita!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  7. Caramba, se eu comecei essa resenha já pensando em como ia te dizer que a história não me agrada, terminei agora o completo oposto: Estou MUITO curiosa! Além de todos os pontos que você citou, sobre não ser eurocentrado e tudo o mais, me interessa saber se a história tem base nos mitos originais. Será?
    Um abraço,
    www.literasutra.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, é a primeira resenha que leio do livro, já tinha ficado curiosa pela capa diferente, mas pela sua resenha, parece trazer uma história bem interessante e diferente do que eu tenho lido.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oii!

    Não conhecia esse livro, mas a capa é bem bonita o que me deixou bastante interessada no livro ^^

    Beijos, Kamila
    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  10. Ola lindona a capa em si já chama atenção, quando vi o lançamento já fiquei interessada, amo Mitologias e todo livro com menção a elas já me cativa. Gostei muito de sua resenhas e os pontos de destaque. Vou ler com certeza. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro ainda, mas achei incrível sua resenha. Com certeza esse vai ser um filme que eu vou querer muito ver! Espero que não demore muito para ser lançado né?
    Beijos
    Carol
    www.sobrevicioselivros.com

    ResponderExcluir
  12. Nunca li nem assisti nada sobre a mitologia indiana, eu acho muito interessante. Mas gostaria de aprender mais, sobre a cultura, pessoalmente sabe? Visitando lugares, fotografando, conversando ou até mesmo assistindo. Admito que tenho preguiça de ler :(
    Mas parece uma história bem legal!

    ResponderExcluir
  13. Oi Lili!

    Que livro hein?!
    Adoro mitologia! Deixa a leitura tão aventureira! *----*
    A capa é maravilhosa e fiquei super contente em saber sobre o filme!
    Mozão vai querer ver comigo! ^^

    Beijokinhassss!

    ResponderExcluir
  14. Uau, acho suuper interessante a cultura indiana, tenho até um amigo que se chama Shiva (hahhaa) sério, ele veio fazer intercambio por meio de uma organização para qual eu trabalhava, então apesar do meu ingles podre e do sotaque suuuper estranho dele conseguimos conversar, então conheci um pouco mais da cultura indiana!
    Adorei a resenha, com toda certeza vou procurar o livro para ler *-*
    www.muchdreamer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oláá
    Sua resenha está ótima, já tinha ouvido falar do livro outras vezes mas realmente não me chama atenção, não é meu tipo favorito de história.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    A história desse livro parece ser bem interessante, principalmente para quem curte fantasia e mitologia!
    Nunca li nada sobre mitologia indiana, mas tenho interesse em conhecer mais sobre o assunto! Não sei se quero ler esse livro por agora, mas o filme quero ver com toda a certeza!

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  17. Gostei da ideia do livro. Porém, como a moça ali em cima disse num outro comentário, ando com preguiça de séries rsrs me julgue!
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  18. Oi Lilian, tudo bem?
    Esta é minha leitura atual, e o livro é fantástico, assim como ficou sua resenha.
    Desde que li a saga do Tigre, fiquei bem encantada com a mitologia indiana, e esse livro veio para me deixar mais fascinada ainda.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  19. É a primeira resenha que leio desse livro. Não o conhecia
    mas eu não achei que faz muito meu gênero de leitura, por isso vou deixar pra próxima.
    Quem sabe eu me interesso por outros que você vim a resenhar aqui.
    Achei legal a trama, mas nada assim que me fizesse interesse de ler

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-anna-e-o-beijo-frances.html

    ResponderExcluir
  20. Estou louca por esse livro! Infelizmente, ele é muito caro e no momento não estou podendo investir nessa leitura. Mas pretendo fazê-lo assim que for possível, porque achei incrível que uma trilogia como essa venha valorizar a cultura indiana e tornar seus mitos próximos do leitor! Eu gostei demais da sua crítica… Saber que passou pelo seu crivo apenas aumenta minhas boas expectativas.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Já li sobre esse livro antes. A capa dele é simplesmente linda. Gosto dessas historias fantásticas, sempre tive uma quedinha por historias envolvendo deuses, especialmente gregos, nórdicos e hindus. É um carma e tanto tornar-se o Deus dos Deuses ( Kratos, só que não). Muito interessantes a questão que você pontuou de não ser um deus branquificado. Cada dia mais tenho vistos homens padronizados em capas de livros.

    ResponderExcluir
  22. Oiee ^^
    Fiquei curiosa para conhecer esse Deus não branquificado. Já tinha visto a capa do livro em alguns blogs, mas não tinha lido a sinopse, então não fazia a menor ideia do que se tratava *-* fiquei bastante animada para ler, pude ver que você gostou (e pelo jeito, vai devorar o segundo volume) então já anotei na listinha :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. A dor livros envolvendo mitologi, sou fascinada pelo assunto e a capa dele é uma máximo vi que voce gosto, acho que esse tipo de leitura muito boa e tomara que você ame o segundo volume http://bibliotecadesajeitada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  24. Oola,
    Me interessei muito pelo livro principalmente por combater tantos clichês logo de cara! Vou procurar mais sobre ele e ler porque gostei mesmo.
    Vivi
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  25. Oi Lilian, sua linda, tudo bem?
    Nossa, esse livro parece ser bem forte, e muito bem escrito e envolvente, para você considerá-lo a melhor leitura do ano até agora. Não o conhecia, e me interessei muito por ele, por trazer mitologia, um dos meu assuntos preferidos desde os tempos da escola. E nunca li nada que abordasse a mitologia indiana. Não tem como não querer ler esse livro depois da sua resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Olá Lilian,

    Como é bom sempre estar em blogs como o seu, sempre trazendo novidades de qualidade, não conhecia esse livro, mas lendo a sua resenha fiquei até sem fôlego, nem preciso falar que vai para a minha lista de desejados, ótima dica....abraço.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma