Resenha – O Poeta da Madrugada




26 maio 2015

A primeira vez que vi Alceu, era criança. Minha escutatória  correu serena em seu ritmo de pássaro do Sertão. Eu não me perdi, tão pouco, me senti sozinha. Mais que me encontrei, construí uma infância num compasso sublime da voz de um dos maiores nomes da música. Já era tarde, experimentei sua arte, senti o gosto do vento... asas nasceram no meu espírito.


O Poeta da Madrugada - Um dos mais expressivos representantes da música popular brasileira, Alceu Valença faz agora sua estreia como autor em O Poeta da Madrugada, simultaneamente lançado no Brasil e em Portugal.
A publicação reuni poemas escritos desde 1969 até os dias de hoje, além de letras de músicas como Cambalhotas e Sino de Ouro.


Mais de vinte anos passados, conheço O Poeta da Madrugada, de Alceu Valença, Chiado Editora, 106 páginas. E cada poema atravessou sussurrando em minhas memórias, trazendo um ‘eu’ que jamais deveria ter esquecido. Mas não era tarde, a força da arte do poeta deixou em mim a semente, que por anos fora regada inconscientemente. Hoje, as asas que nasceram há mais de vinte anos, me fazem voar. Era um sinal das brumas leves, pois a voz do anjo nunca saiu do meu quintal.



Ele nem sabe quem sou, mas somos amigos desde minha meninice... (Menina ainda sou?) talvez, ele nunca saiba, mas eu escuto os teus sinais. Se é uma sina, eu não sei, mas ‘Que Saudade D'ocê’.
Depois de viajar em cada palavra do autor, que já ficou óbvio que sou admiradora de seu trabalho, simplesmente não sabia o que dizer. Não há o que dizer. E é esse o grande segredo, tem que ser sensorial. Eu me ofereci em cada poema, fui de gata selvagem a moça bonita; uma onça pinta, mulher desinibida. Eu fui ‘La Belle De Jour’, viajei, numa tarde azul de todas as semanas. Por fim, chorei diante de tanta perfeição, pois a poesia me comove. Minha alma foi ritmada pelo mais belo Maracatu e girou feito Ciranda, eu rodava minha saia e Lia de Itamaracá estava em meu batom vermelho. Vozes do mais belo e apaixonado se fizeram em meu batom vermelho...


Meus lençóis estão impregnados com o cheiro do selvagem e o poeta me arrasou de dentro para fora, já não tinha o controle, envolta em mistérios, foi sexo... dialogamos por horas, eu e a poesia felina, que a certa altura, sequer conhecia a quem pertencia: se era poeta, natureza, poesia, diálogo ou Lilian. Se eu pudesse fazer uma resenha, eu faria; se eu pudesse fazer um artigo e dialogar com a Teoria Literária, eu faria. Afinal, Alceu Valença é merecedor, mas a grande questão aqui não é poeta, mas a poesia que devora.


Peço desculpas por ter feito meu relógio caminhar lento, por ter me permitido cada palavra no cosmo da madrugada!

Eu não sabia o que dizer, então, disse o que senti!      

21 comentários:

  1. Oi, Lílian! Que coisa mais linda sua resenha. Ficou incrível. Impossível ficar imune a ela, que transmitiu tanto sentimento e falou tão bem da sua relação com o autor. Fiquei muito curiosa para conhecer mais dessas poesias, que tanto mexeram contigo. Beijos e obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir
  2. Resenha mais que perfeita, dá pra sentir o lirismo nos trechos que vc postou, e o quanto a leitura te deixou emocionada. Gostaria de poder sentir a mesma sensação e espero que possa ler a obra logo ^^

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu não conhecia esse livro, mas sua resenha me deixou curiosa quanto ao livro. Espero poder ler em breve. Adorei sua resenha.

    Beijos
    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
  4. Olha eu não conhecia esse livro, mas eu sou das poucas leitoras que lê poesia, embora quando era mais nova adorava ficar procurando pela internet algumas coisas para colocar em cartinhas para namorados (risos) Achava lindo sabe?
    Mas hoje em dia eu não vejo mais. Eu estou precisando ler algo assim.
    Eu gostei das imagens que você colocou de alguns poemas e achei fofo.

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-anna-e-o-beijo-frances.html

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lilian!
    Adoro os livros da editora, com certeza leria o livro. :)
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Que bela resenha. Poética forma de apresentar sua opinião e convidar o leitor mais sensível a embarcar nas páginas desse livro. Infelizmente, não sou uma apreciadora da poesia. Gosto de lê-la, é verdade, mas confesso que não compro obras do gênero. Quem sabe um dia?

    Sucesso ao autor!

    Beijos, flor!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oláá
    Parece ser uma leitura muito legal, gostei da sua resenha, a capa é bem legal.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. adorei o texto, meu noivo ama tocar alceu no violão e cantar, cresci escutando, pois meus pais amavam e eu também, bjus

    ResponderExcluir
  9. Suas resenhas são sempre maravilhosas Lilian! Acho que não sou uma pessoa sensível o suficiente, pois nunca consegui me encantar por poesia como você. Mas acho lindo quando as pessoas são tocadas por ela. Atualmente estou tentando me envolver mais com livros do gênero. Vejamos o que vai dar.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Lilian!
    Mais um texto maravilhoso de sua autoria. <3
    Devo confessar que não conhecia o cantor, tampouco seu livro :( mas suas palavras me deixaram bem curiosa, é nítido o quanto admira esse senhor haha
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  11. Oi
    Nossa que resenha mais poética e linda s2
    Amei!!
    Eu ainda não conhecia o livro, mas leria com certeza pois adoro poesias. Parabéns pela resenha linda que soube expressar tão bem seus sentimentos.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Ain que lindo.
    Deve ser maravilhoso.
    Amo livros que fazem eu me sentir como os personagens.
    Sentir isso com poesias deve ser forte.
    Adorei o post.
    ;**

    www.saladadelivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi oi!
    Alceu é mesmo um ícone e isso ninguém pode negar!
    Apesar de gostar muito dele, não gosto de poesias e tenho dificuldade em ler um livro repleto delas, mas fiquei curiosa para saber como é me sentir um personagem se tratando de poesias, então, anotei a dica.
    Quem sabe eu não leia futuramente..... Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oii tudo bem?
    Não vou mentir, não conhecia o autor, já ouvi falar mais não dei muito interesse, só que depois de ler essa resenha toda poética eu me arrependi de não ter dado atenção a ele, quero muitooo ler esse livro!!

    Beijos!!
    http://lendocomobiel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Confesso que ha pouco tempo tenho adentrado esse mundo da arte, fico a margem só bisbilhotando algumas pessoas haha
    Pasmem: eu não conheço este moço que com tanta paixão se pôs a escrever. Infelizmente.
    Mas, isso há de mudar. Adorei saber um pouco mais sobre, realmente!
    Quem sabe assim eu não pare de ser uma mera expectadora rs

    http://ocasulodasletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi Lilian, tudo bem?
    Não conheço o trabalho do Alceu, mas imagino o quão importante esse livro é para os fãs.
    Ficou linda tua resenha, acho que consegui captar o que você sentiu com a leitura.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  17. Adorei a "resenha"/seus sentimentos! Ben diferente o modo como escreveu sua resenha, gostei do que o livro representou para você, o livro não faz meu estilo, mas fiquei curioso, em!!

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Gosto muito de poesia, então, entendo o que quis dizer. É muito bom ter experiências como a que você teve nas leituras que fazemos. Não conhecia o autor e nem a obra... Vou procurar saber mais.

    ResponderExcluir
  19. Oi Lilian, tudo bom?
    Primeiro eu tenho que dizer que eu amo vir comentar no seu blog. Você sempre publica coisas tão interessantes e novas pra mim que é legal de vir aqui e ler sobre autores e poetas nacionais que eu não conheço a história. E mesmo não sendo uma fã de poesia, eu acho o conteúdo que você publica muito interessante.

    laoliphant.com.br

    ResponderExcluir
  20. Que resenha linda! Cheia de sentimentos verdadeiros, de emoção e admiração. Me peguei cheia de vontade de ler o livro, agora que sei o que ele carrega e a quantidade de coisas lindas que pode nos fazer sentir! Alceu é uma figura admirável, adoro seu trabalho.
    Beijos!
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Oiee, tudo bem? não conhecia este livro, o mesmo é bem diferente mas não conseguiu chamar minha atenção, a capa não me agradou e o estilo do livro tbem não me deixou curioso kkk, mesmo assim valeu pela dica, Abraços.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma