Resenha – Bartleby, o escriturário




07 julho 2015

Em Bartleby, o escriturário – uma história em Wall Street, de Herman Melville, 89 páginas, L&PM Editora, encontraremos um narrador-personagem, que nos contempla com a história do homem que não fazia nada. 


‘Bartleby, o escriturário - Publicado anonimamente em 1853, Bartleby, o escriturário: uma história de Wall Street revela o estilo bem-humorado e por vezes sombrias de Herman Melville (1819-1891). Trata-se de uma história surpreendente pela simplicidade e aterradora pelo realismo. O narrador, um bem-sucedido advogado, contrata Bartleby para trabalhar como auxiliar de escritório. Ele se mostra um prestativo funcionário até que um dia, sem razão alguma, responde a um pedido de seu chefe com um desconcertante "Prefiro não fazer". Esse desacato, essa insubordinação ultrapassa a compreensão humana: é como se rompesse com a organização moral do mundo, desafiando verdades até então universais. ’ 

A história nos brinda em grandiosidade pela simplicidade. Bartleby é um homem excêntrico, que vai trabalhar no escritório de um advogado, o narrador, e para cada atividade que lhe é solicitada uma ação, ele prontamente responde: “Prefiro não fazer”.
Resposta que choca a todos, escandaliza, e nos leva a pensar qual a reação do advogado-patrão diante da recusa. Lógico, que de ímpeto todos encaminham o raciocínio para a possível demissão de Bartleby, mas suas constantes recusas levam o narrador-personagem, homem sem nome, a um desencadear de pensamentos racionais e generosos.
O que é de se esperar, visto que o narrador se idêntifica como um homem pacífico, ele também narra a convivência com seus outros funcionários, que oscilam entre bem e mal. Como se adaptou a cada um deles e suas peculiaridades. Bartleby, por sua vez, torna-se um grande desafio para aquele homem; sua transgressão social para tarefas simples e rotineiras.
A resistência às rotinas que Bartleby alimenta, pode levar o leitor a um processo de irritação; as intervenções do narrador em tentar resolver s situação sem muito alarde ou problemas, também pode conduzir o leitor a um pensamento mais racional e talvez até altruísta.  


É um livro curto e com uma gama de significados a serem explorados, uma história divertida que li em pouco menos de uma hora, meu intuito era relaxar das atividades rotineiras e estressantes do dia a dia e consegui. O desencadear do enredo é perfeito e nos deixa pensativos, que marca nossa jornada de leitor curioso.  Para saber mais sobre o autor, clique aqui.

16 comentários:

  1. É bem diferente do que estou acostumada a ler, mas até que deve ser uma boa leitura.
    Ainda mais porque você disse que a gente fica interessado na maneira como ele age, fazendo, quem sabe, a gente pensar mais racionalmente.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  2. deve ser uma leitura deliciosa e relaxante, e por ser curtinho, acho que facilita muito quando estamos num dia de corre-corre...
    quando ver por aí, vou comprar, ainda mais por ser da LPM <3

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    Não é um livro que eu estou acostumada a ler, mas se a gente fica só no que gosta de ler, não aprende não é? Acho que daria uma chance ao livro, até porque é curtinho e eu adoro personagens excêntricos.
    Beijos

    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  4. Parece ter um toque de humor, desse "prefiro no fazer". Me lembrou um bordão usado, não lembro por quem, personagem da Globo, "prefiro não comentar".
    Esse bordão da Globo deve ter inspiração desse livro. Acho que eu nunca tinha houvido falar desse livro. Me chamou atenção. Se eu tiver oportunidade, lerei com certeza.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar do livro mais o nome do autor já, achei super legal seu trecho pontilhado, deixa a gente com uma curiosidade impressionante com relação ao livro. Gostei.
    Blog Com Mãos de seda ✡✡ Fan Page do Blog✡✡Participem de nosso Grupo

    ResponderExcluir
  6. Oláá
    Nunca ouvi falar do livro ou autor mas parece ser bem interessante e histórico, não leria por agora por fugir bastante da minha zona de conforto, mas quem sabe mais para frente?

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá! Nunca tinha ouvido falar do livro e pela resenha parece ser um bom livro. A capa não me chamou atenção, então não é um livro que eu compraria pela capa. Gostei da resenha, mas esse eu terei de passar, pois tem muitos outros na lista rs

    Beijos
    Academia Literária-DF

    ResponderExcluir
  8. O livro despertou minha curiosidade, mas acho que não estou no melhor momento para ele e, talvez, não poderia aproveitar o que a obra tenha a oferecer. Talvez mais para frente volte nele e reveja meus conceitos! :)

    Infinitos Livros

    ResponderExcluir
  9. oi ^^ nunca tinha ouvido falar desse livro (tenho que confessar) e apesar de parecer uma boa leitura é bem diferente do que eu estou acostumada. sem contar que não me chamou muito atenção, por isso eu passo.
    porém se algum dia eu me deparar vou pensar se saio da minha zona de conforto ou não xp
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Nunca ouvi falar desse livro e também não conhecia o autor. Achei a premissa interessante, mas não seria um livro que eu leria no momento.
    Porém, se futuramente, calhar de vir essa leitura, a farei com prazer.
    Adorei a resenha!
    Beijo!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
  11. Oii!!
    Nossa, que doidera essa história.
    Fiquei aqui pensando o que aconteceria se eu falasse isso para o meu chefe kkkkkk
    Mas, mesmo achando que deve ser uma história bastante enraçada acho que não faz o meu estilo de leitura. Mas não sei, se algum dia tiver a oportunidade de ler, acho que não custa tentar.
    Adorei o post.
    ;**

    www.saladadelivros.com

    ResponderExcluir
  12. ADOREI conhecer esse livro. Nada sabia sobre ele, mas a proposta inusitada me agradou. Um homem que nunca quer fazer nada? Como lidar com isso sem perder a cabeça. Acho que o patrão é, sobretudo, um grande modelo de tolerância. Quero conhecer essa história!

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olaaa
    Nunca tinha ouvido falar no livro, mas a história parece ser bem louca e interessante então vou anotar a dica. Ótima resenha.

    Beijos
    Reality of Books

    ResponderExcluir
  14. Hey!

    Nunca tinha ouvido falar desse livro e fiquei com muita vontade de ler. Adorei o negócio de "Prefiro não fazer", imagino como o narrador tenta encarar essa faceta problemática, principalmente socialmente. Realmente muito interessante.

    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  15. Oi Lilian
    Não conhecia o livro nem o autor, mas eu gostei muito da sua resenha e do que disse sobre ele. Não é um livro que eu leria por agora, por sair muito do meu estilo, mas anotei a dica.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  16. Oii, tudo bem?
    Achei interessante a premissa do livro, e fiquei curiosa para saber qual o motivo de ele ter dito um "não". É bem curtinho mesmo, dá para ler bem rapidinho.

    Beijos da Jéss ♥
    Brilliant Diamond | Fan Page

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma