Resenha: A Longa Viagem de Prazer




30 julho 2015

Juan José Morosoli (1899-1957) é autor Uruguaio, clássico, que apesar do grande sucesso em seu país, ocupou poucos espaços nas estantes de livros nos países vizinhos. Em seu livro A longa viagem de prazer, 108 páginas, L&PM Editora, traduzido por Sergio Faraco, o leitor é convidado ao que de mais complexo a junção do realismo e singelo podem trazer.


‘A Longa Viagem de Prazer - "Viventes de um tempo morto, ou condenado a morrer, é o que poderíamos dizer dos seres morosolianos. Viventes: seres anônimos, sem outra credencial para apresentar senão a própria vida, essencialmente solitária, pois a solidão é a outra característica, o outro grande tema que ocupa a obra de Morosoli, intimamente relacionado não só com o da extinção, com o da marginalização histórica, mas também com algo muito mais especificamente uruguaio. Partindo de seus entes solitários, enraizados como plantas, de seus gaudérios sem destino, esses contos se projetam de sua base realista para um plano poético e simbólico que lhes outorga perenidade e relevância, convertendo-os numa ampla metáfora de nossos campos, nossos pueblos, nossos homens. É o deserto transferido aos homens, a solidão de nossa terra encarnando neles."

 
São nove contos curtos – O burro; Um gaúcho; Dois velhos; O companheiro; Solidão; O aniversário; A longa viagem de prazer; O viúvo; A viagem até o mar –, carregados de simbologia e que explicam bem o título. Deixo aqui um pequeno resumo sobre alguns dos contos, nada substancial, para não destrinchar a essência da obra.

O burro
Umpiérrez é um homem simples, solteiro e autêntico. Sua vida é pautada no bem-viver e não em convenções sociais. Nunca planeja, apenas vive. Certo dia, indagado por Anchordoqui sobre ter uma mulher e um bicho de estimação, ele responde: “Se é só pra ter, melhor não ter.”. Mas, o destino tem planos reservados...
 Um Gaúcho
Montes era prisioneiro das estradas, não conseguia se relacionar com as pessoas afetivamente, nem mesmo com os filhos que foi abandonando a sorte e cuidados das mães.
 Dois velhos
Dois velhos se encontram e começam um diálogo, onde somente o que é pertinente para estranhos é dito.
Llanes convida o velho que acaba de conhecer para tomar um birita, ouve uma recusa. Então, os dois travam um diálogo e Llanes descobre que aquele homem passa a vida esperando por nada. Llanes convida o homem para morar com ele e acabam se tornando amigos.
“ – Que lindo ser como você!

Llanes impacientou-se.

- Deixe de besteira. Diz isso logo pra mim que não sei ler.” 
O companheiro
Barrios e o Chileno não sabiam um do passado do outro, realidade que pouco importava para nascer uma relação de companheirismo. Que durou até o dia em que Barrios acordou e viu o Chileno bêbado pela estrada...
 Solidão
Domínguez tinha como única atividade, alimentar o seu velho cavalo. Um dia, precisou decidir entre pegar dinheiro emprestado com um sobrinho e vender o cavalo para servir de comida aos leões de um circo.

Esses foram alguns contos, que apreciei bastante, por sinal. A leitura flui tão bem, que quando percebi, estava envolta em toda simbologia de cada conto.

9 comentários:

  1. Bom dia,

    Não conhecia o livro e nem o autor, gostei muito dos contos citados e o título e a capa são ótimos, ótima dica....abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Lílian,
    Esse livro parece carregar contos com bastante significado . Costumo ler muitos livros dessa editora, então talvez esse pode ser uma das minhas próximas aquisições de leitura.

    Beijos,
    Miss Sorrisos Blog
    Twitter|Wattpad|Instagram


    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Não conhecia esse livro ainda, mas ele parece ser bem interessante. Porém, não é meu tipo de leitura, não sou chegada a contos =/
    Prato cheio para quem curte o gênero.
    Beijos!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro e gostei muito da ideia dele porque amo contos.
    Fiquei bem interessada na leitura e gostei do que você falou deles.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  5. Oiii gosto muito de ler contos porque me descansa e a maioria me traz ensinamentos bons.Nao conhecia o livro,curti muito.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá; ainda não conhecia o livro, fiquei bem interessada pela sinopse, gosto de obras de autores sul-americanos.

    ResponderExcluir
  7. Oie,
    Não conhecia o autor e como curto antologias esse chamou minha atenção. Dica anotada :)

    Beijos,
    Andy -http://www.starbooks.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oieee!
    Não sou muito chegada a contos, mas me interessei por dois que você citou: Um gaúcho e Dois velhos. acho que eu os leria com gosto e gostaria muito deles!
    Beijos

    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    Não conhecia o livro ainda, achei interessante esse primeiro conto que você apresentou, mas não me deu tanta vontade de ler o livro. Que bom que você gostou.

    Beijos da Jéss ♥
    Brilliant Diamond | Fan Page

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma