Resenha - O cotidiano e a história




28 setembro 2016



Alguns meses atrás, solicitei o título O cotidiano e a história para resenhar. Não imaginei que levaria tanto tempo para absorver leitura tão densa... Fazia tempo que não me deparava com linguagem acadêmica e foi uma maneira de voltar aos velhos tempos de faculdade...

O livro trata sobre diversas questões acerca do cotidiano na sociedade, a ética no meio social e faz uma verdadeira análise do individualismo que permeia as relações humanas. Natural de Budapeste, Heller foi aluna de Georg Lukács, de quem se tornou assistente e faz referência a alguns de seus estudos ao longo da obra... É integrante da Escola de Budapeste, grupo de pensadores que "dirige-se contra o historicismo subjetivista e versões estruturalistas da filosofia de práxis."

Considero uma obra difícil, voltada mesmo para leitores do meio histórico-acadêmico-social. Karl Marx é citado em boa parte do texto, servindo de base para a estrutura do mesmo. O capítulo inicial aborda a estrutura da vida cotidiana e seus aspectos no social e individual. Heller afirma que a vida cotidiana não é somente heterogênea, mas também hierárquica. Tal hierarquia vai se modificando de acordo com as estruturas econômicas e sociais de sua época.

"O homem nasce já inserido em sua cotidianidade. O amadurecimento do homem significa, em qualquer sociedade, que o indivíduo adquire todas as habilidades imprescindíveis para a vida cotidiana da sociedade (camada social) em questão. É adulto quem é capaz de viver por si mesmo a sua cotidianidade."

A aceitação do indivíduo no meio social se dá através das ações mecânicas realizadas sobre a alcunha do cotidiano. Das necessidades humanas voltadas para o "Eu", surgem afetos e paixões. Outro ponto importante que acho válido ressaltar é seu pensamento crítico sobre a alienação, em que o homem acaba devorado pelos papéis que desempenha na sociedade, cumprindo de maneira adequada cada um deles... Há um caráter de representação ordenando que o cotidiano se transforme numa ação moral e política...

Heller ainda aborda preconceitos na sociedade, em que o pensamento implica no comportamento do indivíduo. Há uma espécie de dicotomia no preconceito. Por vezes, trata-se de um juízo provisório que se afirma como verdade até o momento em que o homem se vê frente a frente com perspectivas até então ignoradas. Estão presentes ainda na obra considerações sobre o indivíduo e a comunidade em que vive, os papéis sociais vivenciados no cotidiano e a ética no marxismo, onde ela se faz presente.

"A ética tem seu lugar na concepção de Marx. Procuraremos precisar ainda, em breves traços, qual é esse lugar e o que é que o caracteriza."


Em suma, O cotidiano e a história é um livro de linguagem complexa para leigos, mas que pode levantar questões pertinentes sobre o tema apresentado. É, certamente, uma leitura enriquecedora...


24 comentários:

  1. Nossa imagino o quanto deve ter sido tenso para você esse livro não é mesmo. Achei interessante o conteúdo apontado, mas deixarei a dica passar, quem sabe na próxima.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Hey, Maria!
    Realmente esse parece ser um daqueles livros que acrescentam e muito ao intelecto. O que faz deles também, uma leitura um tanto devagar, mas vale a pena! Sua resenha ficou perfeita!!
    Mil beijokas :* entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Fico muito feliz que seja uma leitura enriquecedora, mas acredito que realmente não seja uma leitura para leigos mas sim para pessoas do meio acadêmico que estudam o tema que parece ser bem denso.
    É interessante saber que ele trata sobre o cotidiano e da aceitação do indivíduo na sociedade.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiii Maria, tudo bem?
    Menina eu fiquei bastante interessada em realizar a leitura desse livro, quem sabe pode ser meio dificil para mim durante a leitura, mas irei tentar mesmo assim.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Val, sua resenha ficou maravilhosa, mas o livro, ao meu ver, por trazer um excelente conteúdo, poderia ter uma linguagem acessível. Já falamos sobre isso, sinto falta de livros, escrito por historiadores, que tragam uma linguagem para o público geral.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Apesar de ser uma leitura difícil, acredito que tenha sido muito enriquecedora.
    Não é o tipo de leitura que me agrada, principalmente por ser leiga. Mas acredito que para quem gosta deve ser ótima.
    E parabéns, pela dificuldade da obra, sua resenha ficou ótima!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Ótima resenha. Eu também fazia tempo que não lia nada tão denso como o livro que também solicitei para resenha, trata-se do livro "A História do Rosto" uma analogia sobre as expressões entre o séc 16 e 18. O livro é curto mas ainda não consegui terminar a resenha.
    Sua resenha ficou dez! Tomara que eu consiga me expressar tão quanto você.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Maria, não é de admirar que você tenha demorado mais para ler, este tipo de leitura, mais acadêmica são mais demoradas mesmo. Não ando lendo nada deste gênero ultimamente, deixei estas leituras "mais cabeça" de lado, mas fico feliz que tenha gostado.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Oie Maria, tudo bem? Olha, faz tempo também que eu não leio nada com uma linguagem mais acadêmica e pesada, acho que vou estranhar bastante o dia em que isso acontecer. Apesar de o livro me parecer interessante, não é algo que eu queira ler no momento.

    ResponderExcluir
  10. Uau! Nunca me aventurei a ler livros teóricos mesmo de História, Sociologia e Filosofia, mas só de saber que essa autora estudou com um dos teóricos que mais li ao longo de minha formação acadêmica, já meu deixou curiosa para conhecer o trabalho dela. Obrigada pela dica!
    Bjss

    ResponderExcluir
  11. OOI!
    Ótima resenha Val!
    Confesso que não é um livro que eu leria por vontade própria, a menos que estivesse muito disposta a sair da zona de conforto. Ainda tenho problemas quando se trata de escritas mais "pesadas/densas". Mas por parecer um livro bem enriquecedor... Quem sabe um dia!

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  12. Alas, não sei se seria um livro que eu leria... ultimamente tenho apostado em leituras leves e de vocabulário fácil, tudo pra descansar a cabeça da correria que a vida vem exigindo. Esse livro parece ser o oposto daquilo que tenho procurado hahaha PORÉM, isso não muda o fato de que parece ser uma leitura muito interessante e que merece, sim, atenção. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  13. Ultimamente estou procurando por livros assim, enriquecedores, e que te faz refletir sobre algo, mesmo que com uma linguagem mais acadêmica. Sua resenha está ótima.
    Beijos

    blog-myselfhere.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oii,

    Bem interessante esse livro. E entendo quando diz que foi difícil de absorver.
    Quem sabe um dia eu leia.

    beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Realmente parece uma leitura bem difícil, bem voltada para o meio acadêmico mesmo. Achei bem interessante, mas provavelmente não entenderia metade da obra.
    Beijos.
    https://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  16. Olá, primeiramente parabéns pela resenha, ficou perfeita! Um livro com uma linguagem acadêmica não é só complexo de ler, mas também resenhar, e você conseguiu nos mostrar todo o contexto da história, nos deixando ávidos para conhecer mais sobre a grandiosidade dessa obra.Vou procurar ler assim que possível.

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem?

    De forma geral, me dou muito bem com textos acadêmicos. Não faço Sociologia, ou Ciências Sociais, mas os textos que leio no ambiente da comunicação não me parecem nada difíceis (embora tenha certeza de que sou uma das únicas da turma a dizer isso hahaha). Então, eu encararia bastante bem esse livro. Não o conhecia e gostei da resenha, pois me interesso muito pela parte social de forma geral.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Olá, gostei da resenha, mas confesso que esse tipo de leitura não é uma das minhas preferidas, acho que eu acabaria confusa e no momento preciso de leituras mais descontraídas.

    Abraços

    ResponderExcluir
  19. já me lasquei porque sou Leiga kkkkk não ia entender nada =/

    ResponderExcluir
  20. Valéria, não sou de ler livros com uma pegada tão histórica, mas com certeza deve ser mesmo uma leitura enriquecedora e que nos faz levantar questionamentos.
    Gostei.

    ResponderExcluir
  21. Parece ser uma leitura bem densa, mas muito proveitosa. Já tem algum tempo que não leio nada em uma linguagem acadêmica, mas o livro me interessou bastante.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  22. Tenho um pouco de dificuldade com esses livros "cult" se é que vc me entende. Eles acabam sendo densos demais pra mim e a possibilidade de me dar uma ressaca literária é imensa haha
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  23. Tenho apreciado essas leituras mais profundas, que trabalhem na aceitação do individuo. É uma forma de mostrar evolução nas leituras, e enriquecimento pessoal com conhecimentos a mais. Estaria disposta a trocar leituras rápidas por essa.

    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Apesar de ser uma leitura mais técnica, não se pode negar a importância do conteúdo. Achei bastante atrativo conhecer mais sobre o comportamento humano em frente à vários posicionamentos da sociedade.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma