Resenha – O vento da noite




10 outubro 2016



Emily Brontë, mais conhecia por Morro dos ventos uivantes, seu único romance, também deixa sua marca na poesia. Ellis Bell, pseudônimo masculino de Emily, traz, no livro O vento da Noite, 150 páginas, Grupo editorial Record, uma poesia romântica e sombria. Os aspectos de seus textos variam entre uma forte construção da identidade ao discurso libertário e provocador.

Sinopse - Único livro no país que reúne exclusivamente a poesia de Emily Brontë, autora de O morro dos ventos uivante, este volume traz 33 poemas da escritora inglesa.Publicado no Brasil originalmente em 1944, como parte da primorosa Coleção Rubáiyát, da editora José Olympio, “O Vento da Noite”, traduzido por Lúcio Cardoso, retorna em edição bilíngue pela Civilização Brasileira.É uma bela oportunidade de reviver o encontro entre dois grandes nomes na literatura e de observar as especificidades que permeiam os processos de criação do autor e do tradutor – uma relação marcada pela sensibilidade, intimidade, escuta e delicadeza.A edição é organizada e apresentada por Ésio Macedo Ribeiro, organizador dos Diários, de Lúcio Cardoso. A prestigiada tradutora Denise Bottman assina o texto de orelha.”

A poesia está para mim como um estado de espírito. Ou seja, leio de acordo com emoções e vivências do momento. De uns tempos pra cá, tenho me apegado em demasia a poesia de protesto e a poesia marginal em todas as suas variantes conceituais. Emily Jane Brontë não seria bem o que entraria em minha lista de leitura no momento, porém, a possibilidade de mais uma vez apreciar seus textos não pode ser excluída. Seria no mínimo leviano de minha parte não ceder a mim a oportunidade de me presentear com a obra da autora. O resultado foi melhor do que esperado, além de nostálgico, me trouxe algo que havia esquecido em alguma calçada da vida, esperança.

“(...) Força misteriosa,
Ó Poder!
Em ti coloco minha esperança,
E sempre permanecerei fiel à minha esperança!”

Por sua complexidade e a forma visceral que adentra no ‘Eu’, sua força é o desejo de um eu libertário. Um eu envolto em rotinas sem o constrangimento da influência social. Sua produção mescla com aquilo que causa paz de espírito, conciliando a arte de viver com a arte de criar.  

“Dentro de mim deverão viver até que eu tenha esquecido
Minha entidade presente.
Oh! Quando virá o tempo, quando terão fim
Estes combates no meu coração...
E o tempo do repouso, o fim do sofrimento!”

A poesia de Brontë é lenta e silenciosa, vai adentrando e conferindo ao leitor identidade com um dia a dia que aprisiona. Mas, ela chega lenta e sorrateira para conferir acalento dos desamores da vida. E que engano cometi nos últimos dias, afinal, o que é ler poesia nos dias de hoje senão um ato transgressor.   


Emily Brontë morreu aos trinta anos de tuberculose, deixou ao mundo uma obra única e incômoda. Hoje, é considerada uma das grandes autoras clássicas da literatura mundial.  

33 comentários:

  1. Oiii linda, como vai?
    Mennina confesso que fiquei bastante interessada em realizar a leitura dessa obra, por mais que eu ainda não tenha lido nada de sua autoria, com a palavra escrita poesia já me deixou louquinha aqui.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Tudo bem?
    Não sabia que a Emily Bronte escreveu poesias! Fiquei encantada agora. Li Morro dos ventos uivantes e confesso que não me agradou muito, achei um livro super denso e mórbido demais, quanto ao livro de poesias fiquei curiosa para ler! Dica anotada! Parabéns pelo post! Bj

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Confesso que sou fã da Emily mesmo antes de ter que dessecar a historia dela nas aulas de literatura da universidade. Lio morro dos ventos uivantes a muito tempo e realmente adoro a obra. Não tinha lido os poemas dela ainda, mas vou procurar esse livro e ler o quanto antes. Obrigada pela dica. Sucesso! Bjs
    http://www.facesemlivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Acredita que eu tenho o Morro dos ventos uivantes, mas não o li ainda? E nem sabia deste livro de poesias dela. Em relação a sua resenha, acho que baixou uma Bronte em você, ficou maravilha!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rindo até 2500 com 'cho que baixou uma Bronte em você'

      Excluir
    2. Mas é verdade! Foi um resenha poética está que você fez. Achei muito bonita suas palavra :)

      Excluir
  5. Oi. Você tem razão a Emili deixou ao mundo uma obra única, porém incomoda. Li o morro dos ventos uivantes e achei uma obra fenomenal, mas com certeza não é uma leitura fácil. Acho que a mesma coisa é com a obra de poesias dela. É uma obra para se ler com a mente aberta, com certeza não é uma leitura fácil, mas incomodamente bela. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Lilian,

    Eu gosto muito desse livro, em especial pela forma da escrita da Emily que conseguiu me conquistar e fazer refletir com sua simplicidade. Sua resenha está maravilhosa e inspiradora.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  7. Eu amo poesia e poemas, eles são sem dúvida a alma descrita em palavras, eu li a muito tempo O morro dos ventos uivantes, e não foi uma leitura fácil na época. O vento da noite ainda não conhecia, mas sendo Emily Brontë vai me surpreender pelo jeito peculiar de demostrar seus sentimentos. Bjkas

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Infelizmente ainda não li nada da Emily Brontë, mas não é por falta de interesse, tenho muita vontade de conhecer a escrita dela. Fiquei surpresa em saber sobre esse livro, pois não tinha conhecimento sobre. Fiquei encantada com os trechos que você citou e logo me vi interessada em realizar a leitura. Pela sua resenha é perceptível como o livro é denso e vale a pena ser lido. Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi,
    Apesar da sua ótima resenha, não curto muito ler poesias, então vou deixar passar a dica.
    Beijos,
    André, do Garotos Perdidos
    www.garotosperdidos.com

    ResponderExcluir
  10. A autora deixou uma grande contribuição pro mundo da literatura... deixa só eu chegar por ai que vou ler esses poemas...até hoje, só li O morro dos ventos uivantes, certamente um de meus 5 livros preferidos... <3
    adorei a resenha, Lili. Tão poética e visceral quanto Bronte...
    bjs ^^

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Amei essa resenha, ainda não conhecia a escritora.
    Vou ler esse com certeza.
    Beijocas.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
  12. Olá =) Eu conhecia apena o livro "Morro dos ventos uivantes" desta autora, esse livro apesar de tanto tempo faz sucesso até hoje. Eu nunca li nenhum livro dela. O vento da noite parece ser bem bonito, mas não faz parte da leitura que eu esou acostumada. E bom ler coisas novas, talvez eu ainda leio ele. Beijos'

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Se os poemas são da mesma autora de "Morro dos ventos uivantes", devem ser muito bons! Interessante saber que nesse livro de poesia, ela usa um pseudônimo masculino. Ótima sugestão de leitura! Bjos.

    ResponderExcluir
  14. Olá! Nossa eu conhecia o livro mas nunca imaginei que ela tinha um poesia. Confesso que não sou chegada a uma poesia, mas fiquei curiosa. Adorei o post <3
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Amo a escrita da Emily Brontë, quero muito ler esse livro e pelos seus comentários essa vontade aumentou cada vez mais..
    Art of life and books

    ResponderExcluir
  16. Eu estou pra ler o Morro dos Ventos Uivantes já faz um tempo, mas sempre acabo adiando. Quanto a poesia, não é um dos meus gêneros favoritos, gosto de poucos autores e vou lendo esporadicamente, nunca um livro inteiro de uma vez.
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Ótima resenha.
    Eu já li O Morro dos Ventos uivantes e gostei muito da escrita da autora, porém não sou muito de ler poesia, não tenho costume.
    Talvez até dê uma chance para o livro se tiver oportunidade, quem sabe.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá, Lilian! Não conhecia este livro e fiquei feliz com a sua resenha! Gostei de saber do estilo poético da autora e também de saber que suas linhas trazem esse sentimento de esperança. Sua visão sobre a poesia é muito parecida com a minha... E sim, ler/escrever poesia é um ato transgressor. <3 Parabéns pela resenha!

    Bjs,
    Yohana Sanfer
    http://www.papelpalavracoracao.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oooi, Liliaaan!
    Sou daquelas que conhece Morro dos ventos uivantes por conta da saga Crepúsculo, mas confesso que nem mesmo o li. Mas até tenho vontade...
    Amei a resenha, não conhecia essa obra da autora mas já estou aqui me remoendo de curiosidade em relação a escrita dela.
    E que resenha, Hem?! Até nelas consegue ser poética. <3 <3

    ResponderExcluir
  20. Já vi várias resenhas desse livro e ainda não tive a chance de lê-lo, mas vejo cada resenha positiva que tenho que conferir. Me tornei fã da autora quando li O Morro dos Ventos Uivantes e quero saber como ela se sai na poesia.

    ResponderExcluir
  21. Estou há algum tempo começando a saber apreciar a poesia. É um processo devagar, pois não tinha nenhuma familiaridade antes. Gostei da indicação e dos "quotes". Ótimo post.

    Abraço;

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  22. Oie
    ainda não conhecia esse livro da autora, somente O morro dos ventos uivantes que tenho muita vontade de conhecer mas estou esperando o momento certo

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Adorei a resenha, amo a Emilly, mas sendo sincera não sou uma pessoa muito de poesia. Leio, gosto, mas quando estou num humor muito especifico. Adorei a forma que escreveu.

    ResponderExcluir
  24. Oi Lilian, tudo bem?
    Nunca li Morro dos Ventos Uivantes. Sempre que ouço o nome me lembro de Crepúsculo. hahaha
    Confesso que o livro não me interessou pois sou meio topeira no quesito poesia...Achei os quotes lindos, mas não tenho muita sensibilidade para compreendê-los. Acho que é um trauma da escola, quando eu era obrigada a interpretar poesias trovadoristas e entendia tudo errado. =/
    Me parece um ótimo livro para quem curte o gênero.
    Beijos
    Blog Relicário de Papel
    www.relicariodepapel.wordpress.com

    ResponderExcluir
  25. Oi Lilian
    Não conhecia essa obra ainda e fiquei muito interessada em ler, pois amei "O Morro dos Ventos Uivantes" e também gosto bastante de poesia... sendo assim juntamos a fome com a vontade de comer, certo?!
    KKkkkkkkkkkkkkkkkk obrigada pela dica!!!
    Bjosss

    ResponderExcluir
  26. Oie, tudo bem? Não sabia desse pseudônimo dela, uma pena que tenha morrido tão cedo. De qualquer forma, não me interessei, vou passar a dica dessa vez.

    ResponderExcluir
  27. Acredita que não consegui ler O Morro dos Ventos Uivantes?
    Não consegui ficar presa durante a leitura. E por conta disso pouco sei da autora, já que nunca me interessei em buscar mais informações sobre ela, e consequentemente não sabia do pseudônimo rs
    MAs não sou uma fã de poesia, por isso vou deixar a dica passar dessa vez.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  28. Olá!

    Eu sou aquelas pessoas que precisam criar vergonha na cara e começar ler livros desse gênero ainda. Não conhecia, mas pretendo começar a ler ele.

    ResponderExcluir
  29. Ola, tudo bem?
    Ainda não li Morro dos Ventos Uivantes, admito que não tenho muita curiosidade em ler. Não conheço a autora e como você mesma disse ela deixou uma única obra, talvez seja por isto que não procure tanto. Acho legal quando autores usam pseudônimos para escrever, pq quando já conhecemos o autor e descobrimos isto, acho que vemos o livro com outros olhos.
    Gostei muito do seu post!
    Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

    ResponderExcluir
  30. pode ser uma pergunta burra mas o que é uma poesia marginal?

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma