Resenha – Metamorfose




02 janeiro 2017


'Apenas se deveriam ler os livros que nos
picam e que nos mordem.
Se o livro que lemos não nos desperta como
um murro no crânio, para que lê-lo?'
(Franz Kafka)

Metamorfose, de Franz Kafka, editora Brasiliense, traz como personagem central Gregor Samsa, que, ao se tornar um inseto repulsivo da noite para o dia, inicialmente, sua angústia gira em torno de resolver os problemas do dia a dia, levantar da cama, justificar a ausência no trabalho, etc.

“Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar”

Mas, conforme o tempo vai passando e dada sua nova condição, com inabilidade de comunicação humana, novos problemas surgem, pois, além do repúdio de sua família a um ser tão estranho, apesar de saberem que a barata ainda é Gregor Samsa, expatriado no sigilo, Gregor começa a se perceber naquele ambiente que até pouco tempo lhe era confiável e seguro.



Tudo é estranho. Tudo é novo. A metamorfose torna estranha a Gregor sua própria família e o ambiente que costumava ser sua casa, e sua família o vê como um ser asqueroso, também repudiando o diferente. Até então, Samsa era o filho mais velho de típica família classe média alta e lhe cabia o ônus de sustentar a todos. Os negócios do pai, que ruíram em falência, fazem com que mãe, irmã e pai tornem-se dependentes do trabalho de caixeiro-viajante do jovem.

Enquanto Gregor trabalhava dia após dia, fazendo tudo tal qual almeja a sociedade classe média alta, seguindo um rumo desenhado e definido sobre a existência do homem, recebe a confiança e atenção da família. Mas, enquanto ‘coisa’, Gregor passou a condição de inseto que pensa como humano e que com o tempo, todos vão dando um jeito de esquecê-lo.

“viu-se perante a certeza de que não poderia continuar a suportar tudo aquilo por muito tempo. Tiravam-lhe tudo do quarto, privavam-no de tudo o que lhe agradava: a cômoda onde guardava a serra de recorte e as outras ferramentas tinha sido retirada, e agora tentavam remover a secretária, que quase parecia colada ao chão, na qual fizera todos os trabalhos de casa quando frequentara a escola comercial”

Mas não só ele passa por uma metamorfose, enquanto a dele é asquerosa e sombria, os membros de sua família vão se libertando da dependência, começam a trabalhar e seguem suas vidas. Desse ponto, nasce a morte como único refúgio.


Franz Kafka, autor de originalidade atemporal, deixa como legado uma crítica ao homem moderno banalizado, idiotizado pelo excesso de trabalho.

37 comentários:

  1. Terei que ser sincera: não li seu post ate o final. Isso pq eu tenho PAVOR de baratas e a a imagem me espantou rsrs... A barata na capa desse livro tb faz isso cmg, infelizmente :/
    Vou fugir dessa dica, mas deve ser um livro incrível rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Letícia, pra ser honesta, também padeço desse mal e sempre tive dificuldade com esse livro, além do pânico a barata, ligado a questões emocionais, também tenho uma alergia terrível, mas, enfim, essa foi uma leitura soco no crânio e na psique.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?

    Eu já li essa obra, inclusive foi resenhada na Saga Literaria, gostei do livro apesar das dificuldades que tive para ler, é uma obra reflexiva, profunda. O leitor precisa de paciência e força de vontade para ler a Metamorfose, pois não é uma obra fácil!

    Adorei Lilian!
    Bjuss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yvnes, concordo com você, apesar de um livro curto, o leitor precisa ter um bom embasamento para conseguir fazer uma leitura crítica, além de ter que contar com uma boa bagagem literária, o conhecimento d emundo conta bastante nessa hora.

      Excluir
  3. Olá, já li esse livro porém numa época não adequada. Somente agora refletindo sobre que pude entender o real significado deste livro. É preciso pensar para entender o que Kafka criticava.

    www.ocasulodasletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Lilian, eu tentei ler esse livro na adolescência, mas não rolou, achei chato. Claro, eu não tinha bagagem para tanto. Por isso não consegui chagar ao final. Acho que agora é um bom momento para voltar. Sua resenha me animou.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu reli por meu pânico a baratas e fiquei muito feliz com o resultado de uma leitura mais madura e compenetrada, an adolescência eu também teria certa dificuldade.

      Excluir
  5. Sempre tive curiosidade de ler este clássico, mas nunca tive a oportunidade! Gosto muito do enredo e da forma como Kafka faz a crítica, bom, um homem que se transforma em um inseto é algo inreal na realidade, mas muito real na crítica. Gostei da resenha :)

    Aliás, voltei ><

    Abraços e até!

    http://lendoferozmente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu li esse livro tem pelo menos uns cinco anos, mas me lembro que achei a leitura dele torturante de tão parada.
    Entendo a visão de que ele se torunou algo asqueroso - como por ex um pedofilo - e isso fez ccom que ele se visse como uma barata - ou é ssim q eu vejo neah hahaha, mas cara. Muito chato ler.

    bj

    ResponderExcluir
  7. Oi Lilian, li este livro a pedido de um professor de Filosofia nos tempos de escola. Lembro um pouco sobre o debate ocorrido na aula após a leitura. Não acho que na época meu amadurecimento era o suficiente para o livro, mas o debate que o professor promoveu, acabou enriquecendo mais a leitura. Na época a transformação para barata me incomodou muito, o bicho nojento este.... kkkk
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho bacana quando fazemos leituras densas com um bom mediador.

      Excluir
  8. Nossa, esse é um livro que tenho vergonha de ainda não ter lido!!
    Pelo que pude perceber ele marca bem essa questão dos relacionamentos em sociedade.
    Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  9. Olá Lilian,

    Já havia visto esse livro antes, mas não sabia que o enredo era tão crítico e ao mesmo tempo tão profundo. Os aspectos apresentados na história, parecem nos fazer refletir, se não nos identificar com a metamorfose do protagonista. Já tinha interesse de ler esse livro antes, agora sei que preciso fazer isso o mais rápido possível.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, viviane, realmente, senti profunda identificação.
      Quando ler, diz o que achou

      Excluir
  10. OOi Lilian!

    Uma vez foi passado na escola, se eu não me engano, na 7ª série, pra os alunos lerem. Porém, acabei nem lendo. até tentei, mas não ia... Agora, acho que isso foi somente pelo motivo de ter sido obrigada a ler. kkkk Tenho vontade de tentar novamente.
    Beijoos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Catrine. como professora de Literatura, talvez não usasse esse livro numa turma de 8º ano, mas, lógico, depende muito da turma. Mas, no geral, não usaria.

      Excluir
  11. Olá Lilian, tudo bem?

    Tenho este livro em casa, mas infelizmente ainda não consegui lê-lo, devido ao número alto de obras recebidas de parceria e atrasadas, rs.

    Lembro que ele foi dado aos professores da rede pública de ensino há alguns anos atrás, como forma de incentivar à reflexão. Uma atitude extremamente bacana. E espero conseguir acompanhar mais sobre ele ainda neste ano.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, ele também estava no meu projeto de releitura e nunca conseguia chegar nele. Nas últimas noites dei a louca e li numa respirada só.

      Excluir
  12. Oi
    Já li esse livro e gostei muito. Gosto muito dos livros do Kafka.
    Bju

    ResponderExcluir
  13. Eita, eu nunca tinha ouvido falar do livro e me surpreendi com esse enredo pra lá de diferente. Nunca imaginei algo assim e fiquei curiosa. A trama deve conter muitas críticas e por mais que pareça algo bizarro, tenho a impressão de que a leitura deve ser bem interessante a cheia de metáforas também. Pelo que entendi da sua resenha, ele acordar como uma barata pode ser uma metáfora para pessoas que façam algo asqueroso ou imperdoável, ao ponto de se sentirem como lixo, não sei se é realmente a ideia do livro mas fiquei com essa impressão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia, fundamental. Bom, o livro rompe com o conceito cristão, é uma crítica social mesmo. Ele simplesmente acorda como barata.

      Excluir
  14. Olá,
    Li a obra a um bom tempo atrás e confesso que não me agradou muito. Acho que faltava um pouco de maturidade minha para entender a mensagem que o autor queria passar com essa transformação que todos os personagens da trama passam.
    Lendo agora sua resenha percebi que deveria tentar ler novamente e me aprofundar nas críticas feitas.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi! Tudo bem?
    Conheço o livro e acho a obra genial! Uma obra, que apesar da idade, ainda é contemporânea! Mais pessoas deveriam ler A Metamorfose!Parabéns pela leitura e pela resenha! Bj

    ResponderExcluir
  16. Lilian, eu já tentei ler essa obra quando mais nova, mas achei o enredo um pouco asqueroso e acabei desistindo.
    Com certeza ele é um choque um tapa na gente.
    A história é incrível apesar de causar certa repulsa.
    Espero conseguir lê-la um dia.

    ResponderExcluir
  17. Não lembro de ter me deparado com esse livro alguma vez, só tenho certeza que não o li. Enquanto lia a resenha fiquei pensando na família do protagonista. Precisaram da asquerosa metamorfose do filho para se libertar da dependência!! Se isso não tivesse acontecido, continuariam dependentes do rapaz. E pelo que entendi, a metamorfose serviu para ele ver que a família só se importava com ele, enquanto era conveniente para ela. No momento que deixou de ajudá-la tornou-se insignificante, perdeu seu valor. Dica anotada!!

    ResponderExcluir
  18. Eu tenho arrepios com esse livro. Foi o que marcou a minha aula de literatura no colégio. Acho que é um livro fundamental para qualquer leitor. A forma como esse enredo se desenvolve é incrível.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá,
    Eu li novamente este livro, há alguns anos atras e acho incrível a diferença que faz você ler a mesma coisa em diferentes fases da vida.
    Eu entendi completamente diferente, peguei pontos que não tinha percebido, e como você falou com certeza é atemporal.

    http://euinsisto.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Achei a obra interessante, mas fiquei muito agoniada pelas imagens principalmente. Cruzes eu tenho pavor delas, de sair gritando e correndo. Mas como disse, achei interessante a obra, parabéns.

    Abraços

    ResponderExcluir
  21. Olá Lilian! Faz muito tempo que li esse livro, já havia quase me esquecido do enredo, mas ainda lembro a estranheza que ele me despertou, assim como o outro livro de Kafka (O Processo) que precisei ler para a faculdade.

    http://umreinomuitodistante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Que gastura da capa, deu até arrepio. Não sei se conseguiria ler, pelo menos não no momento. O livro tem cara de ser tipo incrível, mas na hora certa. Se não, estraga a leitura
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  23. Oie
    que interessante, essa é uma leitura que vou anotar para fazer daqui uns anos quando tiver mais paciência e conseguir entender melhor haha bela resenha

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?
    Que aflição! Não tenho medo de baratas, mas muito nojo!
    Não sei se teria psicológico para ler a obra apesar de ser bem interessante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. Olá!
    Sua resenha ficou perfeita! Tenho muita vontade de ler esse livro mas tem uma coisa que me impede, infelizmente: tenho pavor de baratas. Não conseguiria ler nem se tentasse, o que é uma pena, porque tenho muita curiosidade com esse título.
    Beijos.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

Fanpage

Seguidores

Compre aqui

Compre aqui
Livro Mulheres que não sabem chorar

Link Me

Curta também:

Parcerias

De olho

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Google+ Followers

Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, homossexualidade, violência sexual e alcoolismo. A escritora mantém um blog literário e está sempre bem informada sobre questões sociais que acontecem em nosso país. É defensora da tese de que todos são diferentes e merecem ser tratados com equidade. Ela adora escrever sobre temas que incomodam e diz não ter medo do preconceito. Trabalha no movimento social e acredita que a educação é capaz de trazer mudanças significativas ao país.

Siga-nos por e-mail

Copyright © 2015 • Poesia na alma