Resenha – Pai e filho, filho e pai




18 abril 2017



Pai e filho, filho e pai, de Moacyr Scliar, L&PM Editora, 104 páginas, traz vinte e cinco contos escritos entre a década de 90 e o início deste século. Como o livro faz parte da coleção Pocket da editora, é uma leitura rápida, dado o tamanho, quantidade de páginas e teor dos textos.

O humor é uma marca constante durante a leitura, apesar de alguns contos causar certo impacto, ou, até mesmo, incômodo. Como no caso do conto Sonho, primeiro do livro e onde o autor já deixa claro que não espere por um final feliz. Ana é viúva e sonha que o filho se forme em medicina. Disposta a tudo, manda o filho para o Rio de Janeiro. O jovem, que nunca entrou na universidade, manda cartas todos os dias para mãe relatando minuciosamente como é o curso. O desfecho é impactante...

No conto Paixões orais, um adolescente relata suas ‘aventuras’ amorosas, ele é muito jovem e possui uma facilidade grande de se apaixonar por qualquer mulher que passe em sua frente.

“Não lembro exatamente quando aconteceu, mas foi numa idade em que tinha muitas espinhas no rosto e muitas cáries nos dentes. Um tempo em que eu amava e sofria, sofria e amava. Amava qualquer mulher que surgisse diante de mim, incluindo professoras, vizinhas, atrizes de tevê e até uma jovem freira que um dia apareceu em nossa rua fazendo uma campanha de caridade. E sofria dores de paixão frustrada.”

Apesar de o leitor acompanhar a aflição do jovem por paixões não correspondidas, o tom cômico torna a leitura fluida. Ele sofre de dores de dente constantes e a mãe o encaminha para dentista e, obviamente, o menino se apaixona pela profissional que não faz a mínima ideia das fantasias platônicas do garoto.

“O que seria do mundo sem fantasias?”

E, quase nas últimas páginas, conhecemos o conto que intitula o livro, Pai e filho, filho e pai. Que relata a história de um jovem, que aos 14 anos, torna-se pai e decide cuidar do filho, a criança, ou neste caso, as crianças cressem, visto que o pai também é uma criança, e tornam-se amigos inseparáveis, de modo que mais parecem irmãos. A velhice chega para os dois e novas surpresas os aguardam...

O humor de Scliar não é mero entretenimento, é provocativo, transcende o divertimento, mostra erros, loucuras, afetividades, tragédias, mazelas sem parecer sensacionalista ou massivo.  Para quem nunca leu nada do autor, esse livro é uma ótima maneira de começar.


Moacyr Scliar nasceu na capital gaúcha, era um imortal da ABL e faleceu em 2011, premiado no Brasil e no exterior, publicou mais de setenta livros, que variam entre crônicas, contos, ensaios, romances e literatura infanto-juvenil.

24 comentários:

  1. Oi Lilian, não li nada do autor ainda, e acredito que este livro de contos seria um bom começo. Me parece que ele mostra de uma forma propria esta relação entre pai e filho, e não apenas mostrando o lado bom da relação.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Lilian, tudo bem?

    Eu infelizmente nunca li os livros do Moacyr Scliar, aliás não conhecia esse também. Preciso ler mais livros de autores nacionais, principalmente os clássicos. Achei interessante a proposta do livro, bem legal abordar a relação entre pai e filho, bem como adotar o tom de humor na escrita, que não é apenas de entretenimento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Parece ser uma leitura bem gostosinha de fazer! Quero muito! Amei a dica parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Oii Lilian!
    Gosto muito de histórias que traz seja lá costumes ou o modo de cada no tempo mais antigo, humor é sempre bom né, risos soltos fazem-se com que a leitura se torne mais agradável, eu não conhecia a obra, parece ser realmente muito boa. Adorei o quote que escolheu para fazer parte da sua resenha, quotes são sempre bem vindos, nos deixa com olhos cheios para conhecer a história. Sua resenha está ótima.
    Abraços;**
    http://FebredeLivro

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bem?
    Ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita de Moacyr Scliar, mas gostei bastante da tua resenha. Infelizmente, não leio contos, então, acho que não leria, mas o fato de serem impactantes me deixa bem curiosa. Interessante abordar a relação entre pai e filho, isso não é algo muito comum, pelo menos não para mim.

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem? Menina, eu adoro suas resenhas! Você descreve de forma bem clara e bem direta.
    Nunca li um livro desse autor, mas pela descrição me fez lembrar das obras de Luis Fernando Veríssimo.
    Inclusive adoro leituras impactantes com um tom de humor irônico. Dica anotada!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Apesar de não ter lido nada dele, sei o quanto o nome dele é conhecido na literatura nacional. Adoro esses livros de crônicas... Tendo oportuidade, lerei sim. Beijos

    Nara Dias
    Viagens de Papel

    ResponderExcluir
  8. Olá, já tinha ouvido falar desse livro e acho que até anotei a indicação.Muito legal você trazê-lo ao nosso conhecimento, pois é sempre bom conhecer novos autores. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto bastante de livros de contos e pelos seus comentários sobre esse livro eu já fiquei interessada, achei que a maioria dos contos fosse mais para o lado emocionante mas gostei de saber que tem bastante humor também.

    ResponderExcluir
  10. adoro Moacyr. Ele é um dos queridinhos que tenho na estante...a meta de vida é ler tudo que ele publicou kkkkkkkk
    esse titulo ainda nao foi lido, espero ter a chance de ler, a escrita dele é deliciosa, e eu amo contos <3

    bjs, Lili...

    ResponderExcluir
  11. Eu to precisando de livros fortes desse jeito. Ainda não tive a oportunidade de conhecer as obras de Moacyr, mas eu quero muito! Ainda mais depois desse post. Você retratou perfeitamente a mensagem dele.
    Bj

    ResponderExcluir
  12. Olá Lilian, tudo bem?
    Eu tive a oportunidade de ler uma obra do Moacyr Scliar na época do vestibular. No entanto, não li outros livros do autor e não conhecia esse da sua resenha.
    Apesar de ter achado a proposta do livro bem legal, não sou muito de ler contos. Então, ainda não sei se vou ler.
    No entanto, sua resenha despertou minha curiosidade e vou deixar a dica anotada.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Ai que livro mais lindinho menina, fiquei bastante interessada principalmente por ser do Moacyr, com toda certeza seria uma ótima pedida e fico feliz de encontrar a resenha por aqui.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Ainda não conhecia esse autor, mas me interessei muito pelo conto que dá nome ao livro. A ideia de um pai jovem que cresce com o filho parece bem criativa, fiquei curioso :D


    Atenciosamente,

    Tiago Valente
    http://avidalida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Desconhecia essa obra do Moacyr e adorei saber um pouco mais sobre ela.
    Mesmo com muito humor, o autor ainda consegue de certa forma abrir algumas feridas e nos incomodar com temas abordados.
    Confesso que o que mais gostei de saber é do texto que intitula a obra, parece ser muito agradável de ler e quero saber o que o futuro ainda irá apresentar a essas duas crianças que crescem juntas.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  16. Oi,
    Apesar de não curtir muito contos, fiquei com muita vontade de ler essa coletânea por causa dos temas tratados.
    Obrigado pela dica.
    Oi Priscilla,
    Também comecei a ler com as histórias em quadrinho da Turma da Mônica. Maurício de Souza é um gênio!! Merece todo o sucesso e muito mais. Apesar disso, ainda não possuo nenhum título da coleção Graphic MSP. Preciso ganhar mais... rsrs
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  17. Olá! Ainda não conhecia mas parece ser bem interessante. Muito bom sua resenha e que bom compartilhar. Tendo oportunidade, estarei conferindo também. bjooooooo

    ResponderExcluir
  18. Scliar é sempre uma leitura ambígua: você ri, mas é um riso melancólico. Gosto bastante dos escritos dele. Esse eu ainda não li, mas te recomendo A mulher que escreveu a Bíblia - é MUITO divertido.

    ;*

    ResponderExcluir
  19. Oi!
    Já ouvi falar muito sobre esse autor mas nunca li nada dele e fiquei encantada com as sensações que você disse que são despertadas durante a leitura, além de curiosa pra saber o desfecho dos contos citados e o que mais há nesse livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Oi Lilian!
    Nunca li nada do autor, mas como adoro contos com certeza vou anotar sua dica. Inclusive no próximo encontro do Clube de leitura do qual participo, o tema são contos... quem sabe já não leva algum do Moacyr hein???!!!
    Bjuuu

    ResponderExcluir
  21. Oi Lilian, sua linda, tudo bem?
    Eu não tenho o costume de ler livros de contos. Mas das histórias que citou, eu gostei muito da que leva o título do livro. Uma criança de 14 anos sendo pai é uma realidade que para mim ainda choca. Criança deveria ser criança. Mas achei lindo o relacionamento entre eles e o fato de se tornarem amigos inseparáveis e ficarem juntos até a velhice. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o Moacyr, o livro é uma graça, mas não o leria.
    Bjs

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Não conhecia ainda a obra, mas fiquei bem interessada na leitura por causa desse estilo de humor que não é mero entretenimento e sim provocativo, acredito que iria me identificar muito com a obra.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Oie
    eu ainda não li nada do autor mas tenho curiosidade e esse parece ser uma boa opção para se começar, gosto muito de contos então quem sabe eu não arrisque

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

Fanpage

Seguidores

Compre aqui

Compre aqui
Livro Mulheres que não sabem chorar

Link Me

Curta também:

Parcerias

De olho

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Google+ Followers

Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, homossexualidade, violência sexual e alcoolismo. A escritora mantém um blog literário e está sempre bem informada sobre questões sociais que acontecem em nosso país. É defensora da tese de que todos são diferentes e merecem ser tratados com equidade. Ela adora escrever sobre temas que incomodam e diz não ter medo do preconceito. Trabalha no movimento social e acredita que a educação é capaz de trazer mudanças significativas ao país.

Siga-nos por e-mail

Copyright © 2015 • Poesia na alma