Resenha - Cenas Londrinas




09 agosto 2017





Cenas Londrinas, de Virgínia Woolf, Editora José Olympo – com seis crônicas, produzidas entre 1931 e 1932, descobertas na biblioteca da Universidade de Sussex – é o registro de uma cidade moderna, orgânica e burlesca.  

Onde Shakespeare e Jonson defrontaram-se outrora e conversaram abertamente, um milhão de pessoas comuns embarafustam e correm, sacolejam nos ônibus, mergulham no metrô. Parecem numerosas demais, insignificantes demais, muito semelhantes entre si para terem um nome, uma personalidade e uma vida só sua.”

A cidade composta de múltiplos sentidos, a vida comercial, o vai e vem dos viajantes nas docas de East Side, a sujeira, os trabalhadores braçais, as roupas das mulheres da classe média, a casa da fofoqueira, etc. Imagens que vão se completando e formando um todo discrepante e harmonioso.

Não construímos para nossos descendentes, que podem viver nas nuvens ou na terra, mas para nós mesmos e nossas necessidades. Derrubamos e reconstruímos enquanto esperamos ser derrubados e reconstruídos. É um impulso provocador da criação e da fertilidade. A descoberta é estimulada e a invenção fica em alerta.”

Na rotina da vida moderna, cheiros, sons e pessoas passam despercebidas.  Virgínia descreve uma cidade que só pode ser vista por quem viveu aquela época, não existe mais, seus personagens caricatos já morreram, a cidade de ontem não é a mesma cidade de hoje, assim como colocou o filósofo Heráclito “É impossível entrar no mesmo rio duas vezes”. É impossível viver essa Londres duas vezes “Embora Londres ainda exista, jamais será de novo a mesma cidade”. Então a autora imortaliza-a em palavras, fazendo um retrato falado de uma época que não fica no ostracismo.

20 comentários:

  1. Olá!! Gostei da mensagem que foi transmitida, não se pode beber a mesma água mais de uma vez, da mesma forma que não podemos reviver os momentos que já passaram. Temos que aproveitar e compreender cada minuto.
    Amei.
    Beijocas.

    www.meumundosecreto.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Eu quero tanto ler algo da Virginia, pretendo fazer isso muito em breve! É uma autora que com certeza escreve de maneira única, Cenas Londrinas, dever ser incrível e muito bem detalhado! <3

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi tudo bem?
    Não conhecia o livro mas fiquei bem curiosa quanto a leitura afinal eu amo Londres mesmo que eu ainda não tenha conhecido.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo Cuba e ainda não conheço. É assim mesmo no amor ♥♥♥♥♥♥

      Excluir
  4. Olá, Lilian!
    O livro parece muito interessante retratando o passado de uma grande cidade!! Tinha até a casa da fofoqueira? Fiquei curiosa para ler essas crônicas!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Que livro interessante Lilian, é como se voltássemos a um lugar distante no passado que hoje gostaríamos de conhecer, em relação a casa das fofoqueiras, achei bem engraçado.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Achei o livro muito interessante, mas eu acho que não realizaria a leitura, pelo menos não no momento. Eu gostei da resenha, bem direta.

    ResponderExcluir
  7. Olha, lendo a resenha assim, o livro parece ser muito legal, mas até agora não tive boas experiências com os romances Virgínia Woolf, achei todos muito chatos e não consegui mesmo me identificar com as personagens e suas questões existenciais... =/

    ResponderExcluir
  8. Oiii!

    Eu não conhecia muito da autora, só pelo nome... Mas gostei de conhecer sua opinião sobre o livro. Espero um dia ler para tirar minhas próprias conclusões.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. oie, nunca li nada da autora, mas tenho muita vontade, e gostei do que você partilhou do livro, parece algo que faz com que nos identifiquemos, com que de certa maneira visualizemos os personagens.

    ResponderExcluir
  10. Olá!!! Com certeza uma leitura marcante e que faz refletir.
    Vou anotar a indicação e espero ter a oportunidade de ler também.
    bjooooooo

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Nunca li nada dessa autora, mas, já li muitos comentários positivos e sei que muitos gostam de suas obras. Essa obra não é muito do meu interesse, porém, às vezes os livros nos surpreende né.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem? Nossa adorei a sua resenha. Não li nada ainda da Virginia mas me senti transpassada por suas palavras. São crônicas, o que gosto por ser leitura rápida, que vão trazer algo que talvez nunca viva. Com certeza me interessa. Dica anotadíssima. Adorei mesmo <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Que ideia linda! De fato, o que vemos hoje não se repetirá. Seja em Londres, São Paulo ou Berlim. Somos personagens de um quadro que está sendo pintado e não poderá ser revisitado. Pensar assim faz a gente valorizar cada detalhe do nosso cotidiano.
    Amei a resenha, como sempre.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luana, lindo é teu comentário, obrigada por passar por aqui.

      Excluir
  14. Oie
    como sempre uma bela resenha de uma obra super diferente e inovadora, adorei e estou ultra mega curioda, dica anotada[

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Vi um documentário que mostra um pouco disso as inquietações das cidades, chama baraca, lendo tua resenha só lembrei dele.

    ResponderExcluir
  16. Olá, Lilian! Tudo bem?
    Eu não estou me lembrando desse livro da Virgia, adorei a sua resenha e gostei da foto. Eu gosto de crônicas, vou pesquisar mais sobre esse livro, achei interessante retratar o passado da cidade.
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Oiee
    Eu já vi esse livro em algum lugar, mas lendo sua resenha não me recordei da história, acho que não cheguei a ler sobre. E achei totalmente diferente, pois olhando para a capa eu imaginava outra história.
    Bjs

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. esse deve ser outra leitura foda. preciso desse livro pra ontem... não li tanto de Woolf como gostaria...

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma