Resenha – Vermelho Amargo




22 dezembro 2017



Vermelho Amargo, de Bartolomeu Campos de Queirós, 74 páginas, Global Editora, é uma história autobiográfica que traz a comovente experiência de uma criança que perdeu a mãe e como isso afetou sua vida adulta. “Havia na cidade a madrasta, a faca, o tomate e o fantasma. A mãe morta ressuscitava das louças, das flores, dos armários, das cadeiras, das panelas, das manchas dos retratos retirados das paredes, das gargantas das galinhas.”

Bartolomeu mescla ficção e sua própria vida criando uma sequência onírica sobre o parto da dor pela perda e o sentimento de não ser amado pela mãe que culmina no desamparo e melancolia. “Preencher um dia é demasiadamente penoso, se não me ocupo de mentiras.”. A consciência da morte e o convívio com a madrasta faz com que o luto se arraste por anos, o símbolo disso que se tornou o amargor da vida: o tomate.  

A criança, então órfã de mãe, cinco irmãos e pai, assiste o ritual diário da madrasta meticulosamente cortar o tomate e dividir entre todos da casa e conforme a vida vai seguindo seu destino e os irmãos começam a sair de casa, as fatias de tomate se alargam.

Oito. A madrasta retalhava um tomate em fatias, assim finas, capaz de envenenar a todos. Era possível entrever o arroz branco do outro lado do tomate, tamanha a sua transparência. Com a saudade evaporando pelos olhos, eu insistia em justificar a economia que administrava seus gestos. Afiando a faca no cimento frio da pia, ela cortava o tomate vermelho, sanguíneo, maduro, como se degolasse cada um de nós.”

Bem como o vermelho do tomate é o vermelho da vida, sangue. Sangue que não pulsa mais em sua mãe, mas pulsa na madrasta, tão fria e seca quanto a lâmina de uma faca afiada. E a ideia dessa nova mulher ocupando o lugar da mãe e cortando aquele fruto, torna-se um mantra exótico, repugnante e uma ferida aberta como representação da mãe que vive apenas na saudade e lembrança.  

Sem o colo da mãe eu me fartava em falta de amor. O medo de permanecer desamado fazia de mim o mais inquieto dos enredos.”

Vermelho Amargo é um livro curto e de grande sensibilidade, pois o impacto da finitude é tratada de maneira poética e singular, a morte pela dor de uma criança torna-se beleza na voz de Bartolomeu Campos de Queirós.

27 comentários:

  1. Estou gostando das indicações que estou pegando por aqui <3
    Sem dúvidas irei dar uma chance para esta leitura.

    ResponderExcluir
  2. Pelo visto são 74 páginas bem intensas. Uma perda deste tamanho, ainda mais quando criança, não tem como não afetar a vida da pessoa.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Oie Lilian! Mulher deve ser um livro pra fazer chorar não é? Li tua resenha e fiquei tocada, imaginar a dor da criança de crescer sem o amparo da mãe e pior, sofrendo com uma madrasta é bem triste.

    ResponderExcluir
  4. Oiii

    Às vezes uma história consegue ser realmente intensa sem precisar de uma quantidade grande de páginas e pelo que vejo é o caso desse livro. Ótima indicação.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, você usou o adjetivo que procurava, intenso. Fiquei mortificada com essa leitura, um mês para conseguir dizer algo no mínimo digno da obra 💙💙💙💙 Obrigada por passar por aqui

      Excluir
  5. Nossa, pareceu ser daqueles livros que não dá para ler e somente ler, parece ser muito intenso pelas palavras que citou. Não é o tipo de leitura que busco agora mas fiquei realmente instigada pela leitura.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Parece ser uma leitura (apesar de poucas páginas) tão profundo e de um assunto tão emotivo e individual que a impressão é termos lido 1000 págs. Vou procurar para ler!

    ResponderExcluir
  7. Que bom saber que mesmo em poucas páginas, a história se desenvolve de uma maneira intensa. Acho que deve ser uma obra que causa um impacto no leitor.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  8. Oii
    Nossa, parece ser um livro bem intenso, apesar de ser curtinho. Imagino que a perda da mãe deve ser horrível pra qualquer um, ainda mais quando criança. Adorei sua resenha.
    Bjos, Bya! 💋

    ResponderExcluir
  9. Tenho vontade de ler esse livro, mas ao mesmo tempo sinto que será uma leitura muito forte e triste e fico adiando...

    ;*

    ResponderExcluir
  10. Olá, ainda não conhecia esse livro. Nem consigo imaginar como deve ser para uma criança sofrer com a dor de perder a mãe. Fiquei curiosa para ler.

    ResponderExcluir
  11. curto muito biografias, esse eu ainda não li, apesar de ter muita curiosidade de ler ele.
    vou colocar aqui na listinha e vou ler ano que vem

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Que obra mais envolvente. A intensidade que deve impactar o leitor com essas poucas páginas deve ser absurda.
    Temas assim me atraí muito para leitura. Gosto de poder sentir o drama e as emoções que essas histórias imprimem.
    Certamente é uma obra para se adquirir.
    Dica anotada!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem? Nossa, parece ser uma leitura bem intensa... Não conhecia ainda, mas fiquei bem curiosa pra ler a obra. Ótima resenha!

    Beijos,
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem Lilian?
    Vermelho Amargo parece ser uma leitura envolvente e intensa, impactante. Adorei a sua resenha e fiquei na vontade de ler essa obra que parece ser maravilhosa. Dica anotada!
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Gosto desta mistura de ficção com autobiografia, isso torna a história ainda mais envolvente.A resenha já transmite um pouco da sensibilidade que mencionou ter o livro, que aliás eu não conhecia, mas como de costume, o seu blog sempre nos trás novidades que foge do que estamos muita das vezes saturados de ver no mundo literário, gosto muito disso. Parabéns.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Oi
    Menina do céu, eu não conhecia esse livro, mas to apaixonada, parece ser muito profundo e comovente! Quero ler certamente!
    Bjaum

    ResponderExcluir
  17. Esse livro parece ser incrível, muito intenso!!!
    A resenha ficou muito boa.
    Beijos

    https://blog-myselfhere.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Olá!

    Que livro lindo, não o conhecia, mas fiquei tocada pela dor da criança. A perda da mãe é algo insubstituível.

    ResponderExcluir
  19. Nossa, que livro heim. Me parece um livro bem profundo. Adorei o modo como descreveu, especialmente o uso de algumas palavras. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  20. Oi, tudo bom?
    Apesar de ser um livro com poucas páginas, pelos seus comentários tem ensinamentos bem intensos! Eu adoro tudo o que essa editora publica e confesso que já me apaixonei por ele justamente por conta da capa, simples, mas bem chamativa! O enredo é do estilo que gosto, com um pouco de ficção e isso faz com que eu curta bastante a leitura! Em breve leio! <33

    Abraços,
    www.residiu.tk

    ResponderExcluir
  21. Eu acho que é um livro que eu teria uma certa dificuldade pra ler, mas não deixa de ser algo que eu fiquei bastante interessada. Eu gosto livros sensíveis.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Oii, tudo bem?
    Eu confesso que não estou exatamente acostumada a ler livros desse gênero, mas esse me chamou a atenção, acredito que poderia gostar da leitura.

    ResponderExcluir
  23. Há um tempo vejo esse livro circulando e sempre fiquei curiosa pra conhecer. O que mais me chama atenção é essa sensibilidade, tô precisando de leituras assim.

    ResponderExcluir
  24. Olá,
    Já li uma autobiografia com ficção, e nossa eu curti bastante, o que nem esperava já que nem gosto de biografias. Este parece seguir um pouco da mesma linha, talvez eu me perdesse um pouco na parte poética, mesmo assim parece um bom livro.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  25. Olá!
    Gosto quando o autor é objetivo e pelo que li, é um livro bem intenso embora com poucas páginas. Gostei de saber suas impressões sobre a obra e acho que darei uma chance também.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  26. Oi tudo bem? Não gosto muito de ler autobiografias mas essa faria questão de ler me parece um livro bastante interso.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma