Header Ads

Resenha – A Cabana do Pai Tomás




Escrito pela norte-americana Harriet B. Stowe, em junho de 1851 em formato de folhetim e em 1852 em formato de livro, A Cabana do Pai Tomás ganha versão capa dura pela editora Amarilys. Considerado um dos pivôs da Guerra Civil Americana e da abolição dos escravos no país, o livro chegou a ser um best-seller da época, vendendo milhares de exemplares.

“Um jurista muito humano uma vez disse: ‘O pior uso que se pode fazer de um homem é enforca-lo’. Mas não; há, sim, maneiras PIORES de se fazer uso de um homem!”

Pai Tomás, homem passivo e escravo cristão, é vendido pelo seu Senhor que se encontra imerso em dívidas. Com seu novo Senhor, fazendeiro da Louisiana, o escravo recebe o mesmo tratamento da casa antiga. Se afeiçoa a criança Evangeline que pede ao pai a alforria do escravo. Evangeline morre antes de ver seu sonho realizado e Tomás, enquanto ‘produto’, é vendido a outro proprietário. Este último, tornando a vida do velho escravo num inferno maior do que já ser escravo.   

“Para todos nós a vida passa dia após dia; e assim aconteceu com nosso amigo Tomás, até que dois nos se foram. Embora separado de todos aqueles que lhes eram queridos, e preocupados com o que estava por vir, ainda assim ele nunca se sentiu absoluta ou conscientemente infeliz (...).”

Tomás, diferente de muitos cristões que lhe impuseram essa religião, segue os ensinamentos bíblicos tal como Jesus Cristo instruiu. Sua passividade em alguns momentos lembra o princípio da não agressão, já que se recusa a ser violento com seus semelhantes culminando num castigo cruel. Ele realmente dá a cara a tapas e ama o próximo como a si mesmo, não se enxerga como um escravo do homem branco, mas como um servo do Criador.

Mas o livro não retrata somente a fé e passividade de Tomás, a escrava Elisa e sua família seguem rumo ao Canadá na tentativa de conseguir a liberdade e uma caça se inicia, ela consegue cruzar o rio e retardar a perseguição dos traficantes de escravos.


A Cabana do Pai Tomás causou fortes repercussões nos Estados Unidos, apesar de bem recebido pelos leitores, os estados sulistas, defensores da escravidão, tentaram conter a circulação do livro, inclusive queimando exemplares. Sendo que em 1857, um homem negro livre foi condenado a prisão por portar documentos antiescravistas, entre eles, o romance. Segundo a autora, sua obra despertava a consciência das pessoas para uma visão humanizada. Não é possível desvincular o entendimento da obra da Guerra Civil Americana. 

27 comentários:

  1. Amo livros assim, adorei. Parece ser uma história bem triste mas sei que vai dar uma grande reviravolta, estou ansiosa para ler esse brilhante livro ^^

    ResponderExcluir
  2. Essa temática sempre me deixa melancólica, acredito que seja por toda realidade contida nela. A cabana do pai Tomás é só mais um retrato do que foi e ainda é a dita diferença racial. Sem dúvida é uma leitura rica que quero fazer.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Lilian! Tudo bem?
    Eu adoro essa temática, apesar de forte e triste, é parte da história e como eu amo história, procuro ler romances que envolvam temas da história. A Cabana do pai Tomas é um grande livro, um livro revolucionário para a sua época, causou repercussão. Eu adorei a leitura, gostei da sua resenha, está de parabéns!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oii Lilian que dica ótima! Ainda mais que tenha uma realidade dos Estados Unidos e uma parte da história,coisa que eu amo demais e sempre me atrai.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Confesso que não conhecia esse livro, mas adorei ler sobre ele, entrou pra listinha de desejados, com certeza!
    Eu imagino o fuzuê que o livro deve ter causado, e que bom que causou mesmo, a sociedade precisa acordar, ainda hoje, para muitas coisas, imagina naquela época.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, dá para escrever uma história só com a história do livro. é uma coisa sensacional.

      Excluir
  6. Olá!

    A primeira vez que ouvi falar em "A cabana do Pai Tomás", foi na infância, quando minha mãe fazia comentários da polêmica da adaptação do livro para novela na Globo, em que escolheram um ator BRANCO para interpretar o protagonista.

    Ainda não tive a oportunidade de ler, mas está na lista. Obrigada pela lembrança!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, menina. Aliás, bem típico da mídia ser racista. mas como disse, ele livro gera outros livros de tanta repercussão, lembro-me de ter lido sobre isso num artigo.

      Excluir
  7. olá, temas assim me deixam muito triste, mas eu gosto de estórias que despertam algo em mim. Vou anotar a dica e pesquisar mais a respeito da obra, creio que seja muito gratificante lê-la.
    Obrigada pela dica.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Lilian, nossa, que ótica dica de leitura. Eu não conhecia (como eu ainda não conhecia???????) e agora eu quero muito ler, é uma obra que deveria ser mais divulgada, mais pessoas precisam ler. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  9. Hey, Lilian!

    Eu amo livros que tratem sobre a Guerra Civil ( ou qualquer outra guerra) e a segregação racial. Tenho vários livros sobre esses temas, mas esse ainda não, infelizmente. Está na minha lista de desejados e eu estou doida pra ler!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Humm essa não é uma leitura que me deixa confortável em fazer, principalmente porque deve trazer a tona o sofrimento desse povo que luta por seu espaço e não deveria ser assim. E me deixa bem triste em saber que ainda nos dias de hoje ainda tenha pessoas que acreditam que são melhores devido a cor de suas peles.
    Mas gostei de conhecer mais sobre suas impressões sobre essa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  11. Oie tudo bem?

    Não costumo ler livros sobre estes assuntos, queria muito conseguir, mas toda vez que eu tento acabo abandonando. Não consigo me apegar na leitura, por mais interessante que o livro seja.

    ResponderExcluir
  12. Achei muito interessante, principalmente por conta do peso histórico que esse livro tem e seu envolvimento na Guerra Civil. Fiquei bem curiosa.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  13. Esse é um tema que me interessa demais e saber sobre essas pequenas informações mostram como o racismo é algo sem motivos né? Prender alguem por estar portando um livro como esse? Que coisa mais sem nexo! Espero ler o livro em breve, essa edição é maravilhosa demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem motivo, o capitalismo. Não é sem nexo, é dinheiro.

      Excluir
  14. Oie Lilian! Eu gosto muito de ler livros do período escravocrata, porque é sempre uma visão bem realista desse período da nossa história. É de partir o coração sempre que eu leio, e esse me parece ser mais um desses. Gostei muito da dica!

    ResponderExcluir
  15. Já teve uma adaptação dessa história em uma novela? Me corrija se eu estiver errada pq eu sou uma das pessoas mais desligadas do mundo. Mas lendo sua resenham sinto que já vi em algum lugar rs.
    Mesmo assim eu adorei essa dica e mesmo sendo algo triste, uma história forte, me deixou curiosa.

    ResponderExcluir
  16. Oii
    Tudo bem?
    Apesar de não ter o costume de ler livros com essa temática (o que eu deveria mudar) eu fiquei bem chateada pelo fato dessa "proibição" da circulação do livro, em pleno séc. XVI e ainda nos deparamos com isso..

    Bjs

    https://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Já ouvi falar nesse livro, mas acho que uma resenha mesmo, eu nunca tinha lido. Essa foi a primeira vez. Gostei muito da sua resenha e do tema da narrativa. Tenho certeza que vou gostar. Já deixei anotadinho aqui.

    ResponderExcluir
  18. olá!
    É engraçado como hoje vemos esses livros como grandes lições e aprendizados, mas que existiram pessoas que proibiam a circulação desses livros por acreditar que eles denegriam uma coisa que era correta, sabe? Eu fiquei bem curiosa para fazer essa leitura e saber o que vou achar e que nível ele vai me marcar.
    Esse livro me lembrou muito Kindred, pois toca o leitor, sane?
    Dica anotada.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  19. Olá,

    Esse livro parece ser bem intrigante e vai mexer bastante com o leitor, pois abordar assuntos bem tensos. Não conhecia a obra ainda, mas, anotarei a dica, porque acho que irei curtir essa leitura.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Parece um livro bem bom, marcante e instigante, e é bem interessante conhecer a história dele e o que tentaram fazer para tirá-lo de circulação. Infelizmente isso ocorre muito quando se tenta conscientizar.

    ResponderExcluir
  21. Oii! Parece ser uma obra muito interessante e intensa, principalmente por mostrar a realidade da escravidão. A edição está belíssima e fiquei curiosa para conferir essa história. Bjss!

    ResponderExcluir
  22. Oi.
    Mesmo a obra sendo triste me pareceu bem interessante.
    Fiquei curiosa para conhecer os detalhes da história.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oie
    nossa, pelo que li do seu post parece ser uma obra muito forte e interessante, estou bem curiosa, gosto dessas coisas inspiradas na realidade pois nos faz ter um outro olhar para a coisa toda, parabéns pela resenha

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Olá, tudo bem? Livro polêmico na época, já quero ler! Ideias opostas de uma época, sempre são obras intensas e que nos despertam para uma realidade que as vezes nem imagina. Por si só, já deve ser uma ótima leitura. Dica anotadíssima!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma