Header Ads

'Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor' com André Gorz





“Conheça todas as teorias, domine todas
as técnicas, mas ao tocar uma alma humana,
seja apenas outra alma humana.”
(Carl Jung)

Quando recebi o livro Carta a D. História de Um Amor, de André Gorz, Companhia das Letras, me senti desafiada. Não que ler o autor seja um tédio, entretanto, conhecer um pouco de seu trabalho e vê-lo despido de técnicas e teorias, apenas como um homem cheio de defeitos que ama outra pessoa, é, de certa forma, adentrar na intimidade do outro. Meu receio, nesse caso, é que minhas palavras se perdessem no tendencioso e num lugar alegórico que me dá certo poder de algo que não me pertence, que não vivenciei.



André Gorz foi um filósofo, sociólogo e jornalista, com publicações de livros na área de Teoria social e Política e grande crítico do Capitalismo. Viveu por mais de cinquenta anos com Dorine, sua companheira e grande amor. Carta a D. foi o último livro do autor em que revela a importância de Dorine em sua vida e o motivo de terem morrido de amor...

Quanto mais conhecia a relação de Gorz e Dorine, tinha certeza que não havia muito o que dizer que o próprio autor não diga melhor em suas palavras. Logo, separei alguns trechos da obra. É importante, entretanto, antes disso, salientar a escolha do título desta postagem, faz referência a música que, por coincidência, ouvi poucos minutos antes de ler a obra... Quem sabe isso quer dizer amor, de Paulo Moska.



“Você está para fazer oitenta e dois anos. Encolheu seis centímetros, não pesa mais do que quarenta e cinco quilos e continua bela, graciosa e desejável. Já faz cinquenta e oito anos que vivemos juntos, e eu amo você mais do que nunca. De novo, carrego no fundo de meu peito um vazio devorador que somente o calor do seu corpo contra o meu é capaz de preencher.”

“Preciso reconstruir a história do nosso amor para apreender todo o seu significado. Ela foi o que permitiu que nos tornássemos o que somos; um pelo outro, um para o outro.”

“Não tínhamos pressa. Eu despi o seu corpo com cautela. Descobri, miraculosa coincidência do real com o imaginário, a Vênus de Milo tornada carne.”


“A sua resposta era incontornável: ‘Se você se une a alguém para a vida inteira, os dois estão pondo em comum sua vida e deixarão de fazer o que divide ou contraria a união. A construção do casal é um projeto comum aos dois, e vocês nunca terminarão de confirma-lo, de adaptá-lo e de reorienta-lo em função das situações que forem mudando. Nós seremos o que fizermos juntos’. Era quase Sartre.”

“Era isso: você havia me dado a possibilidade de escapar de mim mesmo e de me instalar num outro lugar, do qual você me trouxera a notícia. Com você, eu podia deixar de férias a minha realidade. Você era complemento da irrealização do real (...).”

“Naquela época eu não lhe dizia as razões de meu humor sombrio. Sentiria vergonha de dizer. Eu admirava sua segurança, sua confiança no futuro, sua capacidade de captar os instantes de felicidade que se ofereciam.”


“Eu vigio a sua respiração, minha mão toca você. Nós desejaríamos não sobreviver um à morte do outro. Dissemo-nos sempre, por impossível que seja, que se tivéssemos uma segunda vida, iríamos querer passa-la juntos.”

4 comentários:

  1. Oiieee

    Senti uma pontinha de admiração por essa avalanche de sentimentos, que honra ser amada como ela foi, a intensidade e beleza das palavras do André tocam no coação da gente, e olha que são apenas os quotes que vc selecionou, imagino o livro. Gostei muito.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Uau,não conhecia esse livro ,mas fiquei bastante curiosa..
    Amo tudo que envolva romance,então não poderia ficar mais ansiosa pela leitura desse livro..
    Vou anotar sua dica e espero ler em breve..
    Achei os quotes super envolventes,fiquei encantada..
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amor extraordinário e fora do comum, pensar que os dois se mataram pela impossibilidade de um viver sem o outro.

    By M. Ceição

    ResponderExcluir
  4. Olá! Não conhecia o livro, mas por se tratar de uma história de amor tão intensa assim, já fiquei imensamente tentada a ler. Adorei os quotes destacados.

    Abraços

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma