Header Ads

lilian farias / ficção

Le Baiser caché, Leonor Fini




Durante a noite
rumores de ficção atravessam meu corpo
imagino eu
ser tu em posse de minha carne

(lilian farias)

12 comentários:

  1. Distância, saudade e desejo em poucas palavras. Amei, Lilian

    Ass. Maria Conceição

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi que compartilhou no tumblr, obrigada pelo carinho e sensibilidade.

      Excluir
  2. Tudo bem?
    Intenso.
    Fala sobre sentimentos e traz reflexões.
    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, linda! Tenho um grupo de poesias no Whats.
    Vou compartilhar lá te dando os devidos créditos, está bem?
    Amo muito vir aqui. A poesia é minha vida!
    A intensidade das palavras nesta tua obra foram magníficas.
    Vou entrar em contato com você para escrever algo sobre seu blog no dia do poeta.
    Parabéns pelo talento! Até!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  4. Nossa, doses de intensidade e paixão em tão poucas linhas. Adorei!

    Beijos

    Blog Escrita Sideral
    https://escritasideral.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Saudade definida em poucas palavras.

    Me lembrou um livro que estou lendo "Textos cruéis demais"

    Da uma lida, vale a pena!

    ResponderExcluir
  6. Simples, mas profundo! Em poucas palavras foi possível retratar uma alma inquieta e que transborda. Poemas curtos são os meus favoritos, pois não é preciso muito para nos tocar. Lindo!

    ResponderExcluir
  7. Nossa gostei muito. Creio que até prefiro menos versos, deste jeito é mais fácil entender a mensagem. Muito bom.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  8. Simples e intenso, adorei a poesia!
    Parabéns Lilian!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Vou reler umas 230 vezes para me sentir pronto para comentar. Profundo. E, confesso, li fricção da primeira vez (rsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tua cara, não é? hehehehhehe não nego que também pensei em fricção hahahahahahaha

      Excluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma