Header Ads

paul verlaine / 2018 degenerado

Soft on Soft by Kimberley Dow





Internadas

Quinze anos uma, a outra uns dezesseis,
Num só quarto dormiam lado a lado.
Era em Setembro, à noite, um ar pesado.
Cor de morango, olhos azuis, tão frágeis.
Despem, como quem livre se deseja,
A veste fina, d’ambar perfumada.
Ergue a mais nova os braços, arqueada,
Enquanto, mãos nos seios, a irmã a beija.
De joelhos já cai, e assim treslouca,
Cola o rosto ao ventre, e sequiosa a boca
Afunda no que é sombra e incandescência;
E a menina recenseia o que sente
Plos débeis dedos, um valsar fremente,
E rosada sorri com inocência.

(Tradução de Luiza Neto Jorge, in Paul Verlaine (1844-1896)Poemas Malditos, edição em fascículos com doze desenhos de José Rodrigues, Editorial O Oiro do Dia, Porto, 1991.)

“O soneto foi inicialmente publicado em Bruxelas em 1867, no livro Amigas, sob o pseudónimo de Pablo Maria de Herlagñes (Ségovie), numa tiragem de 50 exemplares. Condenado à destruição de todos os exemplares pelo Tribunal de Lille, e multado o seu editor, o que não impediu sucessivas edições clandestinas até à sua circulação sem proibições.” (Fonte: vício da poesia)

6 comentários:

  1. Tudo bem? Não tinha lido esse soneto ainda.
    Gostei. Por conta do curso de letras, tenho feito mais leituras nesse estilo, que antes não era tão frequente.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Oiii

    Imagino mesmo o poema ter sido proibido naqueles tempos, acho que é bem moderno para a época. Não acompanho muito poemas, leio pouco, mas sempre acho interessante a versatilidade de tudo o que s epode abordar em tão poucas palavras.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  3. Oie, que soneto lindo! Por falar sobre setembro me fez lembrar do setembro amarelo, por algum motivo, acho que por conta do tom do soneto. Parabéns pela postagem, gera muitas reflexoes.

    ResponderExcluir
  4. Olá não conhecia o texto, muito lindo,interessante o fato dele ter sido proibido e mesmo assim o autor lutar pela sua circulação

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Achei um pouco pesado por dar a entender se tratar de irmãs, fora isso tem sua beleza e as informações disponíveis no fim da publicação foram muito positivas para que possamos entender melhor o contexto. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Entendo os motivos para o soneto ter sido barrado na época, mas é tão bonito que seria um pecado não ter chegado aos dias atuais onde tudo é tão mais aberto e tolerável. Simplesmente lindo :)
    Abraços

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma