Header Ads

Resenha - O Mito da beleza de Naomi Wolf



O Mito da beleza, Naomi Wolf, Selo Rosa dos Tempos, Grupo Editorial Record, é uma obra fundamental para formação integral do ser. Visto que a imposição da imagem da beleza feminina dentro de estereótipos, é utilizada como opressão em seis vertentes: Trabalho, Cultura, Religião, Fome, Sexo e Violência.


Estamos em meio a uma violenta reação contra o feminismo que emprega imagens de beleza feminina como uma arma política contra a evolução da mulher: o mito da beleza. Ele é a versão moderna de um reflexo social em vigor desde a Revolução Industrial. À medida que as mulheres se libertam da Mística Feminina da domesticidade, o mito da beleza invadiu esse terreno perdido, expandindo-se enquanto a mística definhava, para assumir sua tarefa de controle social. 

Neste sentindo, a mulher perde o direito ao próprio corpo, tornando-se aprisionada a um modelo padronizado de corpo ideal, provocando desgaste físico e psicológico para atingirem o objetivo do corpo perfeito, se submetendo aos mais tortuosos procedimentos, cirurgias, plásticas, ansiolíticos, químicas no cabelo, botox, etc., resultando em neuroses modernas como depressão, bulimia, ansiedade, etc.

Após a revolução feminista no século passado, na luta por oportunidades e direitos iguais, a mulher tem novos muros e imposições a confrontar, dentre eles, o mito da beleza, que lhe impõe a perfeição. Tornando-se, por exemplo, requisito de contratação em empresas e sendo este padrão heteronormativo e eurocêntrico, o mito da beleza reforça o racismo e a LGBTQ+fobia, gordofobia e todo tipo de preconceito.

A mensagem foi bem-acabada. As trabalhadoras mais emblemáticas do Ocidente continuavam visíveis se fossem ‘lindas’, mesmo que não realizassem bem o trabalho.

O mito da beleza se enraíza a partir do momento em que crianças são ensinadas a pensar e acreditar que somente para as 'belas' o mundo melhor foi reservado, semelhante ao conceito de céu e inferno. De bem e mal. Nesse quesito, nós, mulheres, passamos a fazer parte de números, código de barras para indústria, perdemos nossa essência e humanidade e os valores culturais mais importante são distorcidos e padronizados numa capa de uma revista qualquer.

9 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não tinha visto esse livro ainda, mas achei a premissa muito interessante. Não é um livro que eu olhar ia capa ou sinopse e de cara escolhesse para ler, mas sua resenha esclarece de maneira clara os assuntos abordados e para nós mulheres é bem assim mesmo. Somos rotuladas, não temos controle pleno dos nossos corpos e vida, tendo que lidar com imposições da sociedade e que nós mesmas acabamos aderindo, muitas vezes.

    Gostei muito do post.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Caramba, não conhecia esse livro ainda, mas parece ser uma leitura bastante importante e empoderadora. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia o livro e gostei muito do tema abordado, acho que livros como esse são necessários hoje em dia e muito me alegra saber da existência dessa obra. Sua resenha está impecável (como sempre) e me deixou interessada em ler também.

    ResponderExcluir
  4. Comprei esse livro por sua indicação e já quero ler.
    como mulher sei bem como é esse peso da imposição do ideal de beleza e certamente esse livro vai me dar outras perspectivas disso.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Espero que sim!

    Eu ainda não conhecia esse livro, mas a premissa dele é bem bacana e me deixou com muita vontade de ler, estou colocando mais livros deste tipo na minha meta para o ano que vem, acho que poderia gostar dessa leitura. Já vou colocar aqui na listinha para 2019.


    bjs <3

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    A questão toda do padrão de beleza é algo que não começamos nem em parte a superarmos como sociedade. Achei todo o questionamento do livro interessante ainda mais por enquadrar tantos temas juntos.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Infelizmente esse mito da beleza é real. Ainda enfrentamos essa cobrança, essa pressão da sociedade por termos a imagem perfeita. Ou pelo menos uma imagem padrão, quem está fora dela é excluído. Uma boa leitura para discutirmos esse assunto. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  8. Olá Lilian, eu não conhecia esse livro, mas pelos seus comentários ele traz uma reflexão essencial sobre esse padrão extremamente excludente e preconceitos de beleza imposto sobre as mulheres e como ele afeta a forma como nós vemos e como a sociedade nós vê. Sem duvida vou querer lê-lo assim que tiver uma chance *-*

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Não conhecia o livro, mas pela sua resenha posso sentir a importância do mesmo e quantos outros subtemas podemos puxar da temática central. Gostei, seria um tipo de leitura fora da minha zona de conforto, porém necessário a fazer. Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma