Header Ads

A reflexão do autor Daniel Munduruku sobre a palavra índio






“Índio é um apelido que nos impuseram e que nos afastou da sociedade brasileira.”

O escritor Daniel Munduruku publicou um vídeo este mês convidando a uma reflexão sobre a origem da palavra índio. As raízes desse termo estão impregnadas, segundo ele, de preconceitos e enganos que minimizam a diversidade cultural dos diversos povos indígenas e seus conhecimentos de vida.



“Costumo dizer que é um apelido, que as pessoas consideram que é um defeito, uma infelicidade, pertencer a povos ancestrais, que nada teriam a ver com o mundo moderno. É um engano absoluto.”

Daniel Munduruku é muito conhecido e premiado por suas obras direcionadas a jovens e crianças, com histórias baseadas ou que retratam diversos pontos de vista das culturas indígenas, diferentes entendimentos de mundo e de relações entre as pessoas. Além de escritor, Daniel é formado em Filosofia e é educador. Nessa condição, publicou pela Global Editora o livro O banquete dos deuses, com ensaios sobre educação.

12 comentários:

  1. Oiii, Lilian, tudo bem?
    Que postagem incrível e tão cheia de cultura, com toda certeza fiquei encantada e pesquisarei mais a respeito dele.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. nossa, não conhecia mas fiquei extremamente curiosa com o conteúdo do autor... posso até ver algum jeito de inserir no trabalho esse ano. vou dar uma sacada no video... é de suma importância refletirmos sobre isso em tempos tão malditos como o que estamos vivendo nessa 'política' suja brasileira que mata 'índio' pra lamber botas do agroexplorador...

    ResponderExcluir
  3. Incrível, nunca tinha parado pra pensar nisso. Mas, ainda bem que existem postagens feito essas, e pessoas feito o Munduruku escrevendo e explicando essas coisas que deixamos passar!
    Feliz em ler um texto desse. Enriqueceu minha noite. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?!

    Nunca tinha pensado nisso, adorei essa reflexão sobre a origem da palavra indio, essas coisas agregam muito! Amei esse post e vou pesquisar mais sobre o trabalho dele, parece ser ótimo!! <3

    ResponderExcluir
  5. Oi, boa tarde!

    Não conhecia o autor, mas amei a iniciativa dele e realmente, faz a gente refletir bastante. Se só com sua postagem fez a gente conseguir pensar um pouquinho, já imagino lendo uma obra dele.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, Lilian. Eu não conhecia o autor, mas já ouvi falar da editora. Vou assistir ao vídeo para entender melhor o que ele fala sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Adoro vir aqui e ver coisas diferentes! Eu sei que tava rolando uma hashtag no twitter sobre a comunidade indígena e eu gostei demais de saber que o correto é falar "indígena" e não "índio", parece uma coisa boba, mas muda realmente tudo, né? Queria que as pessoas fossem mais empáticas quanto a nomenclaturas, pois muitas invisibilizações acontecem assim. Adorei o post, muito necessário!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante o post, muito cheio de fatos interessantes, nunca tinha ouvido falar sobre ele ou essa editora mas parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Ainda não conhecia o autor, mas fiquei curiosa e vou pesquisar mais a respeito. Interessante e rico o seu post, principalmente no período em que estamos vivendo, toda informação é bem vinda.

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu não conhecia o autor, mas gostei bastante da sua reflexão e pesquisa envolvida no vídeo, que ficou bem bacana e explicado *-* Vou procurar conhecer mais sobre ele.

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o Munduruku, e para falar a verdade, nunca parei para pensar ou mesmo questionar sobre isso. Sem dúvida ele.trouxe muitas reflexões.
    Bjos Rose

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    Não conhecia bem o Daniel Mundukuru, mas gostei muito do que foi feito e também fiquei interessada para conhecer um pouco mais sobre o que apresentou.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma