Header Ads

Mulheres Poéticas – Poesia no Cárcere






O cárcere é um lugar de privações e silêncios. A paisagem da alma se vê permeada por vãos. A distância dos filhos, dos pais, dos amigos. Não raro o total abandono do parceiro. O isolamento. O pavor de ser esquecida, não lembrada, não mais amada. A aflição de ver-se vencida pelo tempo, na procrastinação infinita do amanhã.

Nessa privação em que a angústia substitui a liberdade, há um campo fértil para toda a sorte de sentimentos. Ali, um olhar atento é capaz de ver aflorar a poesia e, se possível, transformá-la em poemas.

Isso é o que podemos constatar em “Mulheres Poéticas – Poesia no Cárcere”, uma coletânea de poemas elaborados por mulheres encarceradas na ala feminina do Presídio Regional de Mafra, na cidade de Joinville.



O projeto é resultado de uma parceria entre a Vara de Execuções Penais de Joinville/SC com a Giostri Editora e trouxe-nos duas possibilidades extraordinárias. Primeiramente deu voz às mulheres presas para que expressassem as suas emoções, os seus medos, as suas dores e utopias. Em segundo lugar, presenteou-nos dando a este país uma prova incontestável de que atrás de suas grades há almas que sonham e há mentes pensantes.

A resiliência é suporte de esperança nas palavras de Bruna Martins que, quando menina, sonhou “Ser formada em Direito”:

“Não adianta lamentar o passado,
Mas sim aguardar com esperança
O fruto da semente do bem que hoje plantamos”

Já Ironilda Cruz ressalta que “Amigos nem sempre têm asas”, mas alerta para o poder curativo da amizade especialmente para aqueles que estão privados da liberdade: “Eles vêm de mansinho trazendo/ Paz para um coração machucado/ Insistem em estar ao lado e/ Não deixam a tristeza virar rotina”.

No poema “Vida lá fora”, Liamar Maia nos exorta para a importância do que somos, e não aquilo que falam de nós: “Pense no que você é,/ Não no que os outros falam ou pensam”.

Nesse mesmo poema, ela abre o seu coração aos próprios sonhos e vaticina:

“Um dia tudo passa e seremos todos livres,
Pagamos por nossos erros e vamos sair de cabeça erguida,
Dar o melhor para não se arrepender,
Começar tudo de novo.”

Ler estes e diversos outros poemas das poetisas aqui citadas (e de outras poetisas que fazem parte do projeto e integram o livro) reaviva em nós a crença que a poesia nos une a todos, dentro ou fora das grades. Livres ou encarcerados, a literatura nos faz convergir aos mesmos sonhos, às mesmas dores, às mesmas angústias do existir.


Parabenizamos a Giostri Editora pelo belo trabalho, bem como a Vara de Execuções Penais de Joinville/SC pela incansável missão de mostrar ao mundo o poder libertário da literatura.

Sinopse: Através do conhecimento que a literatura proporciona, nosso universo se expande e nos faz pensar sobre nossa frágil e singular humanidade. Isso nos liberta. E mais, quando a literatura é criada dentro do cárcere, por meio de poemas, lindos poemas feitos por lindas mulheres, que estão fisicamente presas, além de libertar ela nos toca e nos faz olhar para o cárcere com ética e alteridade. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, as Regras Mínimas de Tratamento de Prisioneiros (Regras de Mandela), as Regras de Bangkok (sobre a mulher no cárcere) são diplomas essenciais para alcançarmos uma sociedade não violenta. Mas sem ações concretas que os façam se tornar realidade, eles nada mais serão do que nuvens que se dissipam num piscar e nada modificam. A literatura no cárcere, com essa obra poética de extraordinária sensibilidade, é mais um passo ao encontro desses diplomas e especialmente ao encontro do mundo que buscamos, livre, justo e solidário. João Marcos Buch Juiz de Direito da Vara de Execuções Penais e Corregedor do Sistema Prisional da Comarca de Joinville/SC

Livro disponível no site da editora, Amazon, Saraiva, etc. 

10 comentários:

  1. gostei muito dessa iniciativa, acho legal dar voz à essas mulheres e a editora ter ajudado nisso também foi sensacional!
    Que projeto lindo, tomara que a repercussão dele seja enorme e que a voz dessas mulheres seja ouvidas!!

    ResponderExcluir
  2. Amei conhecer esse projeto realizado, nos demonstra o quanto a poesia pode unir, criar ideias e até mesmo assuntos incríveis, no qual fora transformado em um livro destes! Com toda certeza quero lê-lo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá!! :)

    Eu nao conhecia este livro ainda, mas a verdade e que fiquei bastante curioso com esses poemas sentidos e carregados de solidao!

    Então, essa introdução... Adorei!!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde!

    Não conhecia essa iniciativa, e nunca tinha ouvido falar da obra, mas achei interessante.
    Tenho certeza de que deve ter muitos poemas emocionantes.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas achei uma iniciativa maravilhosa. Gostei muito pelo fato de dar voz a essas mulheres e que, em sua maioria, carregam histórias tão sofridas. Segundo, que humaniza essas mulheres perante as outras pessoas. A sociedade está sempre pronta para julgar, mas se esquecem de que ali estão seres humanos, com sonhos, dores e frustrações. Além disso, acho que a escrita deve ser uma ótima forma para essas mulheres abrirem seu coração e também ocuparem a mente. Enfim, é um projeto muito especial e que espero que seja expandido.
    Adorei a dica e, mesmo não curtindo muito poesia, acho que no caso desse livro eu com certeza daria uma chance.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Que lindo esse projeto, adoro poesias apesar de fazer um bom tempo que não leio, mas foi a poesia que me levou a ser uma leitora, nunca vou me esquecer disso. Parabéns pelo post, é uma ótima maneira de conhecermos várias mulheres em sua singularidade e simplicidade. Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Que projeto maravilhoso. É inimaginável o que essas mulheres devem passar dentro do cárcere e deve ser um alívio para elas encontrar na literatura um lugar para colocar suas angústias, suas dores, mas também suas esperanças.
    Que outros projetos como esse vigorem para tornar o cárcere mais humanizado!


    Beijos,
    www.degradeinvisivel.com.br

    ResponderExcluir
  8. Achei o projeto muito legal! E trazer em forma de poema é algo muito bonito. Deve ser uma experiência única ler esse livro e conhecer um pouco dessas mulheres. Adorei a dica!
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Achei o livro sensacional, e por se tratar de um projeto como esse mais ainda. Adorei a premissa, me agradou bastante, já vou anotando a dica ♥️

    ResponderExcluir
  10. Iniciativa muito interessante de propiciar as estas mulheres uma forma de expressar os seus medos e anseios. Trabalhos assim são realmente louváveis.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma