Header Ads

solidão / pier paolo pasolini

 by Mai Nguyen




Solidão: é preciso ser muito forte
para amar a solidão; é preciso ter boas pernas
e uma resistência fora do comum; não se deve arriscar
uma constipação, uma gripe ou dor de garganta; não se deve temer
ladrões ou assassinos; se calhar caminhar
durante toda a tarde ou talvez toda a noite
é preciso sabê-lo fazer sem se dar conta; sentar-se não tem lugar;
uma espécie de inverno; com o vento que sopra sobre a relva molhada,
e as pedras entre o lixo húmidas e enlameadas;
não há qualquer conforto, isso sem sombra de dúvidas,
a não ser o de ter pela frente todo o dia e toda a noite
sem deveres ou limites de qualquer natureza.
O sexo é um pretexto. Por muitos que sejam os encontros
- e mesmo no inverno, nas ruas abandonadas ao vento,
entre as pilhas de lixo encostadas aos prédios distantes,
que são muitos – não são senão momentos da solidão;
mais quente e vivo é o corpo gentil
que unge de sémen e desaparece,
mais frio e mortal é o dileto deserto em volta;
é esse que enche de alegria, como um vento milagroso,
não o sorriso inocente, ou a turva prepotência
de quem se vai embora; ele leva atrás de si uma juventude
enormemente jovem; e nisto é desumano,
pois não deixa rasto, ou melhor, deixa só um rasto
que é sempre o mesmo em todas as estações.
Um rapaz nos seus primeiros amores
não é senão a fecundidade do mundo.
E o mundo assim chega com ele; aparece e desaparece,
como uma forma que se transmuda. Todas as coisas permanecem intactas,
e tu poderás percorrer meia cidade que não voltarás a encontrá-lo;
o ato foi cumprido, a sua repetição é um rito. Portanto,
a solidão é ainda maior se uma multidão inteira
aguarda a sua vez: aumenta, de facto, o número de desaparecimentos -
ir-se embora é fugir – e o seguinte paira sobre o presente
como um dever, um sacrifício a cumprir pela vontade de morte.
Envelhecendo, porém, o cansaço faz-se sentir,
particularmente no momento imediato após a hora de jantar,
e para ti nada mudou: e então por um triz não gritas nem choras;
e isto seria enorme se não fosse apenas cansaço,
e talvez um pouco de fome. Enorme, pois significaria
que o teu desejo de solidão não mais poderia satisfazer-se
e então o que te espera, se o que não é considerado solidão
é a verdadeira solidão, aquela que não consegues aceitar?
Não há jantar ou almoço ou satisfação do mundo,
que valha um passeio sem fim pelas ruas pobres
onde precisamos de ser desgraçados e fortes, irmãos dos cães.

Pier Paolo Pasolini, Versos do testamento

Trad. João Coles

10 comentários:

  1. Olá!
    Solidão, tema para muita letra de música ou poemas. É sempre com ler um bom poema ou poesia. Queria saber escrever neste estilo. Apesar de o autor já ter partido, sua obra continua viva em quem lê. Adorei a obra a ilustração da Mai Nguyen. Com essa postagem pode conhecer a arte de dois autores. Beijos'

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    uau que poesia profunda e emocionante, que consegue transmitir e falar de uma maneira singular sobre a solidão. Que lindo, amei, de verdade

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada por trazer poesia para o meu dia, não só no texto, que fala sobre algo que todos nós passamos, e temos que aprender a conviver, como também a imagem que é tão tocante que fala por si só.

    Bjs
    Amanda Nery
    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Solidão é um tema muito abordado em poemas e músicas mas, algumas vezes eu acho que são feitos de maneira muito artificiais, o que não aconteceu com esse poema. Gostei muito desse poema e tenho certeza que muitas pessoas precisam conhecê-lo.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  5. Que poema intenso, eu não conhecia o autor e gostei muito do que li. São palavras que nos tocam e me deixou muito pensativa com a leitura.

    ResponderExcluir
  6. Oii, tudo bem?

    Que poema incrível, estava mesmo precisando ler algo assim, que me inspirasse reflexões. Não conhecia o autor, vou pesquisar mais sobre ele.

    Obrigada por compartilhar!!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Eu não curto muito poesias, sei que elas costumam passar lições importantes e sei que precisamos ler também, mas sinto que nem sempre as entendo, como aconteceu nesse caso.
    A solidão é um tema usado para muitos escritos e gostei de como foi trabalhada nesse, mas não sei se entendi tudo que o autor gostaria de passar.
    Beijos,
    @umoceanodehistorias_

    ResponderExcluir
  8. Oi Lilian, sua linda, tudo bem?
    Você sempre trazendo texto tocantes. Adorei quando fala que a verdadeira solidão é justamente àquela que não conseguimos aceitar. Nunca pensei dessa forma. Por isso gosto tanto de ler, e geralmente são as poesias que nos trazem perspectivas muito intimistas e diferentes. Continue sempre trazendo mais e mais poesias e poemas.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Achei bem triste... qualquer coisa que trate de solidão me deixa triste. Gostei de como o tema foi tratado, como se fosse algo ao mesmo tempo tão fatal e que é tão comum.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  10. Solidão é sempre tema de poesias e músicas, e não tem como não unir a tristeza. O texto é muito bonito, dá para sentir a solidão e a tristeza das palavras.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma