Header Ads

Afonso Cruz, in Princípio de Karenina

By imagem Play II (2012) - Melissa Huang




"A pele é uma coisa que fica para sempre, tocamo-nos e depois ela fica o mesmo lençol para toda a eternidade. A pele que se toca com amor fica ferida para sempre. As nossas mãos ficaram juntas uns segundos, séculos, férias, milênios. Ela limpava o pó, eu estava a colocar um livro na estante. Aquele toque episódico poderia ter sido uma luta terrível e épica contra os meus princípios, que ainda considerava sólidos e inexpugnáveis, mas foi apenas um momento de doce tranquilidade. Senti uma felicidade estranha, como se nunca a tivesse experimentado em nenhuma das suas variantes, como se a felicidade fosse um bicho exótico que nunca tinha visto, um animal mitológico.”

(Afonso Cruz, in Princípio de Karenina, Companhia das Letras, 2018). 

7 comentários:

  1. Confesso que fiquei confusa com o trecho e não entendi muito bem bem sem o contexto, então fui pesquisar sobre o livro e descobri a história dele. Achei muito interessante e até mesmo fiquei curiosa para ler o livro. Depois de entender melhor do que se trata, gostei desse trecho, lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é extraordinário, de fato. Estou simplesmente apaixonada pelo autor e quero ler tudo dele, infelizmente, não temos tanto acesso a autores portugueses. Sobre o trecho, o rebuscamento poético contido na ideia da pele e do toque, às vezes, pode confundir. Outros trechos me chamaram atenção, mas simplesmente não consigo parar de ler este hahahahahahahaha

      Excluir
  2. Oi, tudo bem?

    Faço parte do time de confusos da Beatriz também! Mas eu achei esse trecho bem legal, só não tinha entendido o contexto dele sabe? Depois que eu entendi a proposta dele, me pareceu super legal. Quero muito ler ele agora.
    Sobre o trecho, achei bem profundo e tocante, gostei muito, pode render uma reflexão super mega profunda, ahazou na escolha!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Assim, como as meninas acima, fiquei sem entender de primeira, mas é um trecho bem bacana e profundo. Não tinha conhecimento do livro ainda, mas parece ser maravilhoso.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem? Não conhecia o autor e fiquei com vontade de ler mais hehe. Adorei a frase "As nossas mãos ficaram juntas uns segundos, séculos, férias, milênios", achei de uma sutileza e de grande profundidade. Gostei muito do trecho, vou procurar o livro :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, esse livro é muito intenso, ele escreve cartas para filha que nunca conheceu, esse trecho é da carta que relata sobre seu primeiro e único amor, cada página desse livro é profunda e poética, sei que iria adorar.

      Excluir
  5. Olá, tudo bem? Nossa que intenso! É uma passagem que transmite vários sentimentos, quem diria! Não conhecia, mas fiquei bem curiosa! Faz parte de um livro né?! Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma