Header Ads

O Complexo de Cassandra – Histeria, Descrédito e o Resgate da Intuição Feminina no mundo Moderno





O Complexo de Cassandra, Editora Cultrix, escrito pela analista junguiana Laurie Layton Schapira resgata a trajetória de Cassandra, examinando seu padrão arquetípico e como se manifesta na mulher moderna na cultura ocidental pautada na consciência apolínea e sua sombra mais obscura.

A cultura ocidental está impregnada de consciência apolínea. Da maneira como estamos identificados com os valores positivos dessa consciência – torna-se difícil visualizar Apolo sob uma luz negativa. No entanto, ele pode projetar uma sombra muito escura.

A relação cruel e abusiva de Apolo para com o feminino já nos é bem conhecida, é o que chamamos de machismo. Na mitologia, Apolo usurpa o oráculo de Delfos da deusa Terra e renega suas origens matriarcais e sua evolução também reflete a transição do matriarcado para o patriarcado. Neste mesmo período, também transcorre a história de Cassandra, no segundo milênio a.C. quando o mundo grego passava pelo declínio dos valores femininos.

Essa mudança deve ter sido particularmente traumática para os troianos, cuja cultura se aproximava mais do matriarcado cretense/minoico do que do patriarcado aqueu. Quando Troia foi derrotada pelos gregos, também o foram sua cultura e sua religião.

Filha de Príamo e de Hécuba, reis de Troia, Cassandra estava no templo de Apolo quando este lhe prometeu o dom da profecia caso ela concordasse em ter relações com ele. Apesar de concordar, Cassandra não cumpre a promessa e então rejeitado, Apolo a condena ao descrédito, ou seja, que ninguém acredite em suas profecias e duvidem de suas palavras.



Dividido em duas partes, o livro mostra a relação do Complexo de Cassandra com as mazelas causadas pelo machismo à mulher moderna. O exemplo mais gritante, neste caso, é o silenciamento e descredito da mulher ao sofre um estupro ou violência, por exemplo.

A ferida provocada por Apolo em Cassandra resulta na histeria, muito longe do conceito freudiano, em que a histeria tem relação com fatores de ordem sexual, Laurie a relaciona com a misoginia. “Onde a histeria for diagnosticada, a misoginia está por perto”.

(...) a sintomatologia histérica é a expressão inconsciente dos valores femininos reprimidos e uma forma de compensar os valores patriarcais prevalecentes; e, ainda, que a medialidade representa um valor feminino fundamental, do qual a histérica é hoje, a portadora.

A histeria, portanto, é uma “resposta angustiada do ego inadequado, incapaz de conter e de processar um inrefluxo do inconsciente”. É quando o ego adoece pela cisão, de um lado o animus apolíneo e do outro a sombra da Cassandra histérica. Essa mulher não se conecta ao seu self feminino mais profundo e torna-se incapaz de acessar com plenitude suas aptidões. O ego e a sombra não dialogam e a própria mulher-Cassandra passa a duvidar de si mesma.

Ela se sente atacada não só pelo mundo exterior como também pelo mundo interior e, especialmente, pelo seu próprio corpo sob a forma de enfermidades somáticas, frequentemente de origem ginecológica.

Essas feridas, no entanto, não são impossíveis de curar, para a autora, o processo terapêutico implica na cura da ferida aberta entre a sombra e o animus apolíneo, de forma que a mulheres recupere seu dom amaldiçoado por Apolo.



A mulher-Cassandra que conseguiu escapar à maldição do Apolo patriarcal é porta-voz de uma nova era.

O Complexo de Cassandra não é um livro simples, é preciso conhecimento prévio para compreendê-lo e geralmente atrai psicólogos, curiosos, profissionais da saúde, estudantes de Letras, etc., como os principais leitores. A complexidade do texto debruça os leitores em riqueza de detalhes sobre aspectos do feminino e casos clínicos em que o perfil psicológico da mulher-Cassandra pode ser entendido em todas as suas fases de adoecimento e de cura, dessa forma, detalhando as fases de Apolo e o contexto histórico e conceitual da histeria.

10 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu não conhecia esse livro ainda, mas deu para perceber pela tua resenha que se trata de uma obra bem importante e que precisa ser lida. Adorei a dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Oii, tudo bem?

    Achei a premissa do livro bem interessante, acho muito importante os temas abordados pelo livro. De fato, parece ser um livro bem mais complexo de ser lido, mas espero conseguir entendê-lo. Adorei a sua resenha, obrigada por compartilhar!!

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia o livro, mas acho que me encaixo no perfil de curioso rs. Gosto de pesquisar, mesmo não analisando de forma crítica. Gostei e espero conseguir dar uma chance futuramente.

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  4. Primeira vez que vejo falar desse livro, me pareceu ser um livro bem pra estudo e com uma leitura bem complexa e densa né?

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Antes de ler tua observação no final, tinha percebido que não seria livro fácil para todos lerem, mas pelo que li parece ser um livro com grande margem de reflexão e com grande importância.

    Beijos,
    Blog Diversamente

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro e confesso que nunca tinha ouvido falar sobre o mito de Cassandra, mas achei o tema muito interessante e acredito que a leitura proporcione boas reflexões. Adorei a dica e, mesmo não sendo meu estilo de leitura, vou anotar a dica para ler futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que resenha, uau! Que livro uau!!!! Não o conhecia e já quero ler, interessante como desde a mitologia tudo é tão hoje com o machismo que escraviza, que afasta, que abusa e muito mais interessante saber que nos primórdios as sociedades eram sim matriarcais e, claro em meu ponto de vista, como sempre homem se sentindo ameaçado foi passando ao patriarcal e a mulher subjugada. Affff!! Ainda bem que hoje muita de nó abomina esse tipo de coisa.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  8. Olá, amei conhecer esse livro pelo seu post, achei muito interessante a obra olhar para essa história de Cassandra e Apolo e seus desdobramentos nos dias atuais.

    ResponderExcluir
  9. Não gosto muito de leituras complexas demais, mas o tema me atraiu e acho que seria um livro que eu daria uma chance. Se eu começar a ler vou fazer com calma, para entender tudo. Adorei a resenha!
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu adoro essas suas indicações, são obras que pouco vemos em blogs literários e que têm um conteúdo magnífico! Na faculdade, durante os estudos de mitologia grega, vi um pouco sobre Apolo e Cassandra, mas as aulas não se aprofundaram muito no assunto e mostraram apenas o básico. Achei o tema proposto pela obra completamente interessante e fiquei curiosa para ler também.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma