Header Ads

Aos sobreviventes de 64/ Kleber Melo




SOBRE VIVER

Hoje acordei inquieto
Buscando novo alento
Em tempos tão nefastos.
Olho para um lado,
Para o outro,
Para trás, me afasto,
Fujo para dentro
Como um caramujo
Que se estranhou
No susto.

Ressurjo pra entender
O passado e o agora,
Atento ao momento,
Refluxo da memória.

Sentar num pau de arara,
Infâmia ou glória
e estender a mão à palmatória.

Entre nascer e morrer
Mora o existir,
Tantas histórias a se repetir.

Onde me encaixo
Nesse eixo
De altos e baixos?
De que jeito me acho
No fluxo do devir?

Se a cena
Acena ao passado.
Será que o grito
Ecoa até agora
Ou o silêncio
Dos que não podem
Falar?

É o desabafo
Que não quer calar.

(Kleber Melo)

13 comentários:

  1. Cara, eu não sei nem o que falar sobre esse poema.
    Eu quis morrer quando vi pessoas comemorando isso como se fosse algo bom e maquiando tanto a história ao ponto de falar que isso não existiu, que não teve golpe, nem nada disso, ai, eu não estudei 4 anos pra isso, não tô fazendo mestrado pra isso.
    Amei seu post, fiquei impactada. <3

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Acho que nunca vamos conseguir realmente sentir ou descrever com exatidão o que as pessoas que viveram nesse período tão complicado e cruel da história.
    Esse poema mexe com nossos sentimentos e nos faz pensar sobretudo na vida, no que essas pessoas passaram e em como estamos diante da atual política no país.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  3. Amei o texto, principalmente a frase "Tantas histórias a se repetir" é uma reflexão que sempre temos aqui em casa, tenho pra mim que vivemos um ciclo infinito que se repete devido a péssima memoria que temos, uma pena. Mas parabéns ao texto, lindo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Caramba, que poema mais lindo e reflexivo, sem dúvidas passa uma mensagem muito importante. Adorei!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  5. Li o poema, mas não vou deixar comentário sobre o tema, pois me considero aquém de tecer comentários. Infelizmente sou bem leiga politicamente, e não vou falar no assunto pra não pecar. hahaha
    Parabéns pela arte.

    ResponderExcluir
  6. Olá Lilian, tudo bem? Eu acho triste demais se identificar com uma poesia como essa mas a real é o vem acontecendo nos ultimos tempos, precisamos nos esconder como caramujos por medo do que o cenário atual alimenta, triste.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Nunca fui muito "chegada" a poemas, não sei explicar ao certo o motivo, mas nunca me conectei muito com eles. Apesar disso, talvez pelo tema, este foi certeiro. Não dá pra imaginar o que foi esse tempo, mas a gente tenta.. Nosso dever é dar nosso melhor pra impedir que se repita. Ótimo momento para este poema e essa reflexão!
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Que texto! Preciso postar no meu blog também, mais pessoas precisam ler isso! Obrigada por me apresentar a esse poema.
    Estou triste hoje, acabei de ver uma reportagem falando que o Ministro da educação quer mudar os livros didáticos de história para que "as crianças tenham uma visão mais ampla do que aconteceu", segundo ele, não teve golpe e o regime militar não foi uma ditadura. Revoltante demais isso, o cara quer mudar a HISTÓRIA

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Não tenho nem palavras para descrever a importância desse poema. Tem sido difícil ver pessoas celebrando o golpe de 64, ignorando todas as barbaridades que foram cometidas naquele período. Por outro lado, é bom ver que ainda tem pessoas conscientes e que estão dispostas a alertar para que esse absurdo não se repita. Parabéns pelo post!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Em dias como os que vivemos, é de uma sensibilidade enorme vc publicar esse texto. Não tenho palavras para descrever minha decepção com os acontecimentos dos ultimos dias e as "comemorações". parabéns pela publicação

    ResponderExcluir
  11. Esse post é como uma faca que continua cravada na alma de muitas pessoas. Estamos passando por um momento muito difícil ultimamente. E é tão estranho sabe? Ver tantas pessoas comemorando momentos como esse. Queria que seu post chegasse a mais e mais pessoas!

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem? Obrigada por sempre trazer poemas de utilidade pública! Este é mais do que essencial nos tempos de hoje, em que parece que as pessoas emburreceram. Eu nem posso imaginar como foi viver na ditadura, mas não quero que isso se repita nunca. Acredito demais em quem fala seus relatos, quem acha que é exagero é totalmente desrespeitosa com a vida alheia. Gostei demais desses versos: "Será que o grito / Ecoa até agora / Ou o silêncio / Dos que não podem / Falar?". Obrigada pelo poema!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Ola!

    Minha nossa, que poema mais intenso, forte e verdadeiro!!! Essa é uma das épocas mais difíceis que o Brasil viveu e céus é horrível ver pessoas comemorando, gente querendo que essa época volte... tem gente que definitivamente não sabe o que é a historia ddo Brasil.

    beijos

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma